Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

Palavras favoritas para escrever (todos nos temos bengalas)

 Urgência. Fugaz. Sentidos. Corpo. Intemporal. Prazer. Emoção. Sentidos. Pele. Continuidade. Promessas. Batalhas. Lutas. Pensamentos. Memórias. Verdades. (Se nesta escolha, não se vê logo de que material sou feita, então esqueçam.)
Mensagens recentes

Take 4

Viras-te enquanto o vestido escorre-te devagar pelas costas. Passo os dedos pelas saliências das letras ainda não cicatrizadas que escolheste colocar na pele. Na penumbra, que te esconde a cara, não consigo ver o que está escrito. Ouço na minha mente melodias e penso em duas ou três possibilidades. Percorro a tua pele lisa e paro na saliência da tua anca. Bruscamente voltas-te e beijas-me. Desejo-te violentamente nesse momento. Beijo-te os lábios, a cara, o pescoço, quase que te esmago as costelas ao agarrar-te. Levanto-te para cima da secretária. Ouço sons de cacos partidos, de metal e de vidro. As tuas mãos rápidas tiram-me o cinto, puxo-te para mim e beijo-te a boca enquanto as minhas mãos procuram rapidamente pedaços do teu corpo que preciso com urgência fundido no meu.

Desprevenida

 Apanhas-me sempre quando não prevejo. Sem chão, escorregadia, descabelada e com má pele. Provavelmente também sem as sobrancelhas feitas. Ou com o peso a mais, ou a menos, em evidência. Acho que nunca choquei contigo poderosa, fantástica, de saltos, sorriso branco, lábios vermelhos, vestido insinuante. Não sei se segui a etiqueta dos encontros. De encontros de amantes que agora são desconhecidos. Apenas desejei que o som do meu coração a bater rápido não fosse tão barulhento como as minhas faces coradas escondidas pelos óculos escuros.

Take 3

Encontrámo-nos numa manhã que ainda mal anunciava a primavera. Sol e Vento. Trocamos banalidades. Estás parada à minha frente. Olhos secos. Espero. Alteram-se e ficam húmidos. Nunca te vi assim. (Nunca deixaste?). Dou dois passos. Os teus olhos ficam frios (ou receosos?), mas não te mexes. Dou mais um passo e tu oscilas.  Coloco a minha mão no teu braço e puxo-te suavemente. Olhas-me rapidamente antes de te fundires em mim. Abraço-te e surpreendo-me por me pareceres tão pequena, tão frágil. Parece-me que mil moléculas tuas se evaporaram para te encaixares. Tu, tão sólida, tão forte, tão sarcástica. Mantenho-me firme enquanto os teus ombros saltitam, e ignoro onde estou, o que quero, o que consegui. Penso "Finalmente" mesmo que seja errado.

Pensava que a "Por um triz" era a minha cena mas não.

 Para além da extensão de voz limitada da Carolina Deslandes (e fraca interpretação), realmente só gosto de músicas que vão de encontro aquilo que sou e esta tem um lado demasiado egocêntrico para o que gosto e me identifico.  É um erro achar que as pessoas procuram nos outros os nossos beijos. Pelo contrário, no máximo procuram outros completamente diferentes para conseguirem não pensar na pessoa de quem querem fugir (ou encontrar de novo) .

Poker.

 Acabei de me aperceber fazendo uma rápida apreciação do meu currículo amoroso que tenho uma postura de jogador de alto risco. All in. Ou aposto tudo ou nem sequer vou a jogo. inspiração musical: still loving you, Scorpions