Quickribbon Espiral: Março 2009

segunda-feira, março 23, 2009

"Não sei."

Há coisas a que direi sempre não sei. 

"Não sei. Sinto-o." E atirem as pedras que quiserem... Porque é a melhor explicação que tenho.

As coisas que as crianças nos ensinam....


Espiral

quinta-feira, março 19, 2009

Sentido da vida

Para todos aqueles que já se perguntam qual é o sentido da vida, e outras questões igualmente pseudo profundas, fiquem a saber que eu descobri hoje a resposta! =D
Mas como não sou egoísta vou já dizer ao mundo. O setido da vida é simplesmente o de poupar recursos cognitivos. Pronto, já está. É isto. POUPANÇA COGNITIVA. 

Desiludidos? Mas é mesmo. 
Fazes o mesmo caminho todos os dias? Dá muito trabalho pensar noutro --> economia cognitiva
Sonhas, sonhas, sonhas e não fazes nada do que sonhas? Dá muito trabalho realiza-los--> poupança cognitiva
Martelas sempre nos mesmos problemas? Resolves estes, arranja-se logo outros portanto..--> Poupança cognitiva.
Não superas traumas/dissabores/desamores? --> Ao menos só pensas nesses... outros viriam =P --> Poupança cognitiva 

Pronto. Está aqui. Às vezes é tão irritante ter que saber modelos. Mas quem me mandou a mim querer seguir psicologia? Ainda por cima social. Ainda por cima cognitiva. 

Espiral

p.s. amanhã já volto à minha visão mais sonhadora e bonita do mundo. Hoje estou assim, meio agridoce...

terça-feira, março 17, 2009

Assim a modos de resumo...

As viagens de carro a longas distâncias e à noite em auto estradas fazem-me ficar melancólica demais da conta. Invento mais futuros, sonho com mais passados e moldo mais os presentes, exactamente nesses momentos.

Posso perder mil vezes o céu (e sofrer sempre mais de cada vez), mas dificilmente sobreviveria sem o meu chão. (ver um poema engraçadito de Shakespeare...).


Adorei Londres. As ruas. A mistura. A arte tão integrada. Os edificios. O vai e vem tão diferente. Os parques. Os mil e um Eros espalhados pela cidade. O mercado escondido pela igreja. A vista do London Eye. As margens uma da outra tão perto.

Gosto de vestidos conjugados com botas.

Alexandra Dumas pai, escreves bem, porra!

Eu acho que vale (quase, quase) sempre a pena.


Assim como assim esta misturada toda sou eu.

Espiral