Quickribbon Espiral: Junho 2017

quinta-feira, junho 29, 2017

Clássicos: Sapatos Nude

Finalmente consegui comprar uns sapatos nude como eu queria. O salto certo. O tom certo. Todos em pele. E sem ser a um preço absurdo.

Mandei vir pela net (em loja física nem chegaram aos saldos)  e em dois dias chegaram.





Da Uterque. Antes 89 euros, agora 59,95 euros. 





quarta-feira, junho 28, 2017

Idade da Inocência

"Até que idade é que acreditaste em homens?"

Li agora, em género de brincadeira uma blogger a dizer que acreditou em homens até aos 28.
O resta do post não era sobre isso por isso não aprofundou, mas eu fiquei a pensar "e eu? até quando é que acreditei em homens".

Primeiro pensei, que tinha sido pelos 26 devido a um desgosto específico e único, mas pensando bem eu sabia bem ao que ia. Pensei mais atrás nos 20 e poucos com o primeiro grande desgosto de amor e também não, nop, não deixei de acreditar em homens. Pensei mais atrás com 15,17, 18 anos....mas  não, já era muito cínica nesta altura, género "óbvio que os gajos que se metem com gajas na net só têm interesse de lhes saltar para a cueca" ou "tipo, hello se ele diz isso é porque realmente não está interessado e se não quer mereces melhor" ou "a sério, achas mesmo que ele se disse isso quer algo contigo? Desiste!". Portanto ora bem, mais atrás. Aos 11 já amigas minha tinham namorados e tinham bué sonhos reais e irreais e eu "sério... tens 11 anos, isso não vai acontecer".
Enfim, estão a ver o  género.  Bem, como antes disso era uma criança e não uma adolescente e não tive traumas de infância nem nada disso, por isso acho que a verdade é "Nunca acreditei em homens. Nasci assim, pronto."

Portanto,

Nasci lúcida em relação à natureza dos homens. Não é mau de todo. Sempre fui um dos rapazes. E sempre me contaram coisas que não contavam a outras raparigas. E quando de repente percebi que até me achavam graça, lá para os meus quase 20 (andei distraída, a pensar que era assexuada, mas isso é assunto para outro post) percebi que essa visão não deslumbrada dos homens era uma vantagem.  Dá-nos uma clareza diferente. E isso também se mostra de alguma maneira. Devo ter uma energia diferente. Nunca nenhum homem , independentemente de achar que eu era "fácil" (todos tentam right) nunca me tratou como se eu fosse. Que eu saiba, (lá está lucidez,  não coloco as mãos no fogo por ninguém) quem me pertenceu, respeitou-me. Perceberam que comigo era a "sério" e se não era era porque eu não queria. Sempre fui muito frontal em relação a experiências passadas. Não interessa se são muitas ou poucas. Foram as que foram. E falo nisso sem tabus. Seja um relacionamento longo, seja algo de uma noite, seja outra coisa qualquer. Umas resultam. Outras não. Umas são bonitas. Outras cómicas. Outras foram momentos. Valeram por isso. É o que é. Não me arrependo de nada. Mas há coisas que talvez tivesse feito de forma diferente. Mas é isso que se chama crescer.

Nota: isso não tem nada a ver com o facto de me ter desiludido ou não. De me ter magoado ou não em relações. De me ter equivocado com sinais. Tudo isso faz parte da vida. De nos relacionarmos com outros seres humanos. O que me magoei, o que sofri, o que amei, nunca dependeu de uma imagem que não existia. E caso tenha sido, a responsabilidade é só minha por a ter criado e não do outro.

Parkinhas

Sonhei com praia, com malta amiga, com semi conhecidos e lá no meio, um voz, no meio da noite, uma voz que diz, sonante, reconhecível

"Nunca me esqueci de ti."



Os meus sonhos são do mais azeiteiro que há.


(sim, sim, é mesmo isso, da música do Rui Veloso)

sexta-feira, junho 16, 2017

Daqui a talvez 10 livros

Algo me diz que é este ano que a Montanha Mágica e os Budderbrock de Thomas Mann  vão ser lidos.

Já comentei que já li 80 livros este ano?

Acho que nunca li tanto (em média leio 100)

quarta-feira, junho 14, 2017

Comer, beber na zona de Vila Nova de Mil Fontes

Aproveitar 4 dias como se fossem as férias de Verão do ano dá nisto. Comer sem preocupações significa três kilos a mais. Mas também significa que há bons restaurantes por este portugal fora e que a zona de Vila Nova de Mil Fontes  ficou com uma boa cota.

Sempre gostei de comer bem e aqui encontrei tudo de bom: Comida portuguesa bem confeccionada, bons vinhos (eu e o meu namorado somos apreciadores) e funcionários simpáticos.

Como não sou egoísta e realmente fiquei bem impressionada cá vai a lista.

Sábado 10 de Junho

Almoço (ainda em viagem)
- Casa das Lamejinhas em Sarinhos Grandes: este restaurante é uma instituição ali para os lados do Montijo. Provem o arroz de lamejinhas, divinal. eu aproveitei com choco frito. E Imperial

Jantar 
- Dunas Mil em Vila Nova de Mil Fontes : doses maravilhosas, imenso marisco, comemos arroz de marisco com lagosta, mas ficamos com vontade de provar a travessa de marisco. Empregados muito simpáticos. Vinho branco, herdade das servas, reserva, fantástico. 

Domingo 11 de Junho

Almoço

- O Pescador, Vila Nova de Mil Fontes: Um robalo de mar de quase um kilo. Mais nada a acrescentar. (Sangria de frutos vermelhos boa)

Jantar
- A Flor de Mira, Vila Nova de Mil Fontes: O mais normal de todos, simpáticos funcionários e o tradicional porco frito com migas. Bom vinho tinto (não me lembro o nome, se me lembrar edito)

Segunda 12 de Junho

Almoço 

- Restaurante Ti Vitória em Zambujeira do Mar: peixe fresco, carapau no meu caso, bem assado e com vinho branco fresquinho da casa a acompanhar. 

Jantar

- Taberna do Gil, em Vila Nova de Mil Fontes: Empregadas pouco experientes, mas muito simpáticas e esforçadas, comida bem confeccionada e bebemos Monte das Servas tinto.

Terça 13 de Junho

Almoço

- Tasca do Celso em Vila Nova de Mil FOntes: Amei. Grande restaurante, empregados simpáticos, comida maravilhosa (que belo naco de vitela, dá para dois, se não para três), Vinho fantástico (Herdade de Sobroso, tinto)

Notas: "tudo" tem pimentos no Alentejo, para a próxima perguntar sempre! (não gosto de pimentos)




Ficar: Quinta das Varandas (Residencial, Pensão, Hotel 1 estrela, etc...) : muito agradável e com boa relação qualidade preço, além do edifício ser muito bonito. Funcionários muito simpáticos. 

terça-feira, junho 06, 2017

Ser uma leitora é III

Ir à feira do livro só dar uma voltinha para espiar o que se irá comprar na hora H  e voltar com 6 livros.

Ser uma leitora é II

Ir sozinha  à feira do livro porque assim posso ver descansada os livros que quero nas editoras que quero.

Ser uma leitora é

Chegar à feira do livro e existir uma prova de vinhos Alvarinho, e ir à feira do livro mesmo assim.