Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Abril, 2013

Amor

Percebo, como sempre percebi que as pessoas têm, por norma, reservas e problemas com a diversidade do amor. Com os vários tipos, tonalidades, nuances, fraquezas, forças.
Os amores podem ser todos diferentes e especiais. Não tem a ver com intensidades, mais verdadeiros ou menos. Mas nem toda a paixão é amor. nem todo o gostar é amor. E isso não está, muitas vezes, relacionado com concretizações. Pode estar como pode não estar. E não podemos substimar o papel do tempo. O tempo desloca as verdades até passarem a ser apenas constatações. E isto umas vezes é duro. De outras vezes é só alívio. E de outras vezes não é nada. E há os sentimentos que passam a barreira do tempo. E são esses. Amores diferentes. Amores que ficam.
Acredito sim em amor para sempre. Não precise de estar sempre vivo. Não precisa de ser correspondido. Não precisa de ser alimentado. E convive com outros amores. Não digo sem alteração, mas vive sem problema. É preciso é entender quem somos e o que sentimos. Renegar fanta…

OLX

Acho que as pessoas que colocam anúncios no OLX não devem querer realmente vender. No último mês fiquei interessada (para comprar efectivamente) em cerca de 4 livros e não tive uma única resposta.

Hoje mandei mais dois barros à parede. Será?

Mood... com o Jeff

"We all fall in love sometimes Did we, didn't we, should we couldn't we..."

Coisas bonitas (ou também tenho vipes femininos e com orgulho)

Há uns tempos que não me apaixono assim perdidamente por roupa. E é raro comprar roupa a não ser que me apaixonei. Sendo assim, posso dizer que este ano apenas comprei uma t-shirt e nos saldos, não foi barata mas em relação ao preço que era foi um bom desconto (era 62, custou me 27).

E agora vi estas botas. Lindas. Neon boots, espanholas, todas em pele, e que de certeza que vão ser tendência (não ligo a tendências mas já vi uma pessoa de indiscutível bom gosto com umas em laranja).
Mas infelizmente ao meu bom gosto não se junta os euros necessários. E nunca dei 169 euros por calçado nenhum =/

Fardas e homens

Sou a pessoa mais desinteressante do mundo quando visto uma farda (que ainda por cima é feia).

Juntar a isso o cabelo mal apanhado, a falta de maquilhagem, a carinha nada simétrica e os kilos a mais que se entranharam em mim e não saiem, acreditem que pareço tudo menos uma gaja gira e apelativa ao sexo oposto.

Gostava então de tentar perceber porque os  senhores com quem me cruzo nas minhas dembulações de pré urgência hospitalares (normalmente pessoal também nestas andanças, desde agentes da ordem, a socorristas até enfermeiros), em horários pouco apropriados em que já bufo pelo número de horas que não vou dormir "mas porque raio me meti nisto, eu nem gosto de pessoas", sente que, trocando dois dedos de conversa, pensam que há logo espaço para amizades no facebook.

Não tenho nenhum problema em aceitar amizade até porque as pessoas são simpáticas e eu sou pelo convívio entre pessoas que coexistem e vivem determinados contextos, que podem ser complicados e acredito na entre aj…

Já não vou para nova...

1- Uma semana de caos profissional em que trabalhei bem mais de 18 horas por dia  (sem receber mais um céntimo) e em que fiz pelo menos uma directa dá uma ideia de como está o mundo profissional de hoje e dos beneficios, regalias (nem uma palmadinha nas costas) se recebe. E cito, porque acho interessante e pode aplicar-se sempre "Isto não é um clube de amigos."

2- Ora tão queimadinha da semana que eu estava e tive daqueles sonhos manhosos, que parecem reais e que te metem pessoas, discursos e contéudos que te fazem tremer, pesar o coração e pensar "mas que raio ando eu a fazer/pensar/ imaginar?"

3- Há muito tempo que não apanhava sequer uma semi bebedeira. Soube pela vida.

Entre o primeiro e o segundo...

As pessoas em geral têm uma falta de identidade tão grande que parece que precisam de apregoar todo o tipo de coisas, defendendo as suas damas como se alguém estivesse a atacar.

Ou então estou enganada e a minha falta de necessidade de o fazer remete-me a mim para um falta de identidade inegável.