quarta-feira, julho 29, 2015

Cobardia II

Não te disse nada. Esqueço-me, na minha sede de querer ser algo, que não sendo ninguém, não teria importância.