segunda-feira, novembro 28, 2011

Eu juro

Que gostava de ser daquelas pessoas muito zen, muito descontraídas, muito "isto-é-só-mais-uma-experiência-.de-vida-e-olha-eu-a-transformar-me-num-ser-mais-completo-que-é-para-isto-que-a-vida-serve".

Mas não pah. Eu sou intensa. Eu, como diria a A. só quero "o puto a correr pela relva".

Por isso hoje até tenho muito orgulho de mim, porque cresci  um bocadinho e ultrapassei uns traumas e beca beca, mas dê-me dois segundos para pensar um bocadinho, ou uma noite mais mal dormida, um poema parvo lido ou uma cançãozita que me toca que volta tudo.

A sorte é que a vida é para a frente e o mundo está a borrifar-se para mim.

E parecendo que não, cresci uns centímetros hoje.

Parcas

Este foi um golpe baixo.

Daqueles que nos apanham o fundo das costas e sobem impedindo-nos de respirar.

(Por amor de Deus eu só quero apanhar os restos do meu coração com a dignidade intacta.)

Pode ser meninas?

...

Tarde demais.

quinta-feira, novembro 24, 2011

Não gosto de amores platónicos porque

1º Ponto
"Love is suicide." (Lud, 2011) (aka uma mui querida amiga que diz as coisas certas lol, mas afinal a frase é dos Smashing Pumpkins, lol)

2º Ponto
Não há pele. Que é do sexo? Ao menos quando se acabam namoros houve ali qualquer coisa realmente prática.

3º Ponto
Como diria o outro dia, a poesia é muito bonita mas não me aquece os pés à noite.

4º Ponto
Não é credibilizante, quase quase que nem é considerado amor a sério. Porque se não se vive não é. Tem que haver feedback.

5º Ponto
Porque assim não sinto que tenho parte de alguém. Ou que tive. Ou que foi real.

6º Ponto
É frustrante. Gasta demasiada energia. Da positiva e da boa. Que podia ser usada para tantas outras coisas.

Assim de repente são só 6 pontos. Mas só um deles chegava.

quarta-feira, novembro 23, 2011

Be Happy nos entretantos

Sempre fui de certezas. Sei o que quero. Nem que seja que quero 5 caminhos, 5 escolhas, 5 possibilidades. Mas no fim sei sempre o que escolheria. Com os saltos de fé. Com todos os precipícios. Com todas as escolhas difíceis. Com toda a dor que isso pode trazer. Porque há escolhas sem escolha. Porque sim. Porque o que se sente é o que se sente.

Há coisas complicadas sim. Quando tudo é um vazio. Quanto não se vê possibilidades. Quando remete para coisas muito racionais em que não se sabe bem ponderar qual a melhor escolha. Porque tudo tem vantagens e desvantagens. Porque nem sempre uma análise SWOT mostra tudo.

Agora quando mete sentimentos, emoções, pessoas, sentidos, amigos, família. Sei. Não digo que segui sempre as escolhas certas. Que não errei. Que não devia ter seguido outro caminho. Mas senti. E sabia o que queria. Sem falsos racionalismos. Sem tapar o sol com a peneira. Sem "ses" que não dão em nada. Sem ilusões naquilo que não volta (independentemente da imensa esperança, claro).

Porque não acredito em mil possibilidades, em mil comboios, em mil amores. Mas também não acredito em ser infeliz acompanhada. Por isso sim, às vezes é difícil equilibrar a balança. Quando se acredita que as oportunidades não são infinitas talvez o mais natural seja agarrarmos-nos ao "menos mau" ou ao "bem morno". Sim. É válido. Sim. Mas, lá está, eu acredito que existe mais que isso.

Por isso sou de certezas. Tenho a certeza que quero o melhor, que quero tudo. Senão não quero.

Sim, é um risco.


Das pessoas bonitas

Obrigada Sr. que pelos vistos é inspector (da judiciária suponho), com uns belíssimos olhos verdes e com mais cabeça do que o tronco muito tonificado e já a atirar para o muito musculado faria prever (como és bem giro, não ligo a isso vá). Obrigada por teres sido simpático e responderes às perguntas (apesar da visível pressa). Obrigada pelo sorriso fofo e pelo "oh vai ficar aí a tarde toda? Boa sorte!". Obrigada por me mostrares só porque sim que há homens giros e simpáticos.

Por isso, caso passes por aqui, eu sou a rapariga que te entrevistou na segunda feira algures pelas 4 da tarde na baixa de Lisboa. Aquela que a quem disseste o nome apesar de só precisar da idade e da profissão (coisas anónimas e confidenciais tem as suas desvantagens..). E só porque fiquei a babar, e porque ainda há homens interessantes, obrigada mesmo.

Porque às vezes basta mesmo só isto para aquecer um bocadinho aqui dentro.

sábado, novembro 19, 2011

"O amor é isto e nada mais"

""Foram os outros os primeiros a aperceberem-se daquilo que Alice e Mattia viriam a perceber somente muitos anos mais tarde. Entraram na sala de mão dada. Não sorriam e os seus olhares seguiam trajectórias divergentes, mas era como se os seus corpos fluíssem com continuidade um no outro, através dos braços e dos dedos em contacto."


(A Solidão dos Números Primos, Paolo Giordano)

sexta-feira, novembro 18, 2011

"Honra tanto esmero..."

Esta carta é para ti, meu amor. É tão engraçado ser só contigo que imagino risos por entre chuvas e luzes difusas. Mesmo que já tenha vivido isso com outras pessoas. Mesmo que haja pessoas com quem isso não se vive, simples.  Se calhar porque sei que ao pé de ti posso tropeçar, dizer o que não devia, entusiasmar-me com o infinito. É em ti que penso quando vejo algo que me marca, quando penso em perder-me em ruas, em descobrir recantos, livros interessantes, bares exóticos ou lojas de antiguidades (mesmo não sabendo se gostas, ou desconfiando que não é a tua cena.). É em ti, meu amor, que penso, quando penso em sorrisos, em futuros, em presentes, em possibilidades (mas não pensamos sempre?).    
Esta carta é para ti, meu amor. meu amor que vai, que nunca foi. Deixei-o viver por momentos, imaginário, fantástico, completo. Mas ele não existe, meu amor. 



Há um medo maior..

É o de despojar-me de tudo. Da esperança, da fé, dos sonhos, dos sentimentos, das emoções, daquilo que acredito que é bom nas pessoas e tornar-me diferente do que sou. No fundo, tenho medo de me tornar cínica. Porque sei que isso seria tornar-me vazia.

Como se equilibra? Como despojamo-nos do que nos faz mal, e mais tristes, e mais melancólicos, e também mais doces, sem perdermos quem somos?

quarta-feira, novembro 16, 2011

Isto sou eu a arrumar os últimos caixotes

(Lá mesmo no alto e a esconder o escadote.)

Esquece as gafes. Esquece os elefantes.Esquece os pedidos de casamento a brincar. Esquece os vestidos memorizados passados anos. Esquece o brilho nos olhos. Os livros iguais que são favoritos. As idades em que se leram. Esquece as redes e as músicas pirosas, ah e os violinos. Esquece as paisagens, esquece as vistas. Esquece as horas. Esquece o riso. Esquece os sonhos. Esquece os sentidos e as respirações. Esquece os beijos doces. Esquece os momentos e as canções. Esquece o teasing. Esquece Buenos Aires. E os cavalos. E as guitarras. E os versos que se gostam. E as redes sem rede. E o Jorge Palma ( e todos os outros.... ). E as belinhas. E os trolls. Esquece uma voz que cantou Portugal. Esquece as cócegas.....Esquece tudo aquilo que o Universo conspirou para ti mas não te deu.

Ou arruma-os , alinhados e organizadinhos. Asséptico e clínicos. Retira-lhe toda a importância.

Se fosse este o fim estava tudo bem.

Isto não é como nos filmes, em que de repente tudo se equilibra.

A ideia era um post lamechas e dramático

Mas, bolas, a comichão que a tatuagem me dá enquanto não cicatriza está a dar cabo de mim.

E pele preta a sair aos montes, pareço uma cobra.


(Mas continuo a querer dar-lhe beijinhos, mesmo não conseguindo)

Falando na Disney =)

Eu sou a junção de três delas (que são as minhas favoritas pois):

A Bela de a Bela e o Mostro: é do signo Touro, porque tem cabelo castanho (elas eram quase todas louras) gostava de livros e queria "tudo" =)

A Meg do Hércules pelo sentido de humor negro, pelo medo que tem de se magoar, pela personalidade.

A Mulan do Mulan porque não se enquadra. Tem mais sorte que eu que nem jeito com a espada tenho =P

sábado, novembro 12, 2011

Faz de conta que não tenho nada para dizer...

=)

Continuo sem perceber muito bem porque que tenho amigas que acham que faz toda a lógica imaginarem o meu casamento, onde uma delas dança com um homem mais velho, baixinho e careca e bebe martinis e a outra encontra o homem da vida dela, enquanto eu de repente me farto do vestido e visto outra coisa qualquer e chamo o noivo/marido por qualquer razão que não percebi.

Mas acho graça.

sexta-feira, novembro 11, 2011

Marcando na pele quem sou.

Eu esqueci-me um bocadinho de mim. Mas hoje encontrei-me novamente. Renascer das cinzas. Ou das meias cinzas. Porque eu sou eu. Esqueci-me que é preciso dor e coragem para determinadas mudanças. Mesmo que tu não mudes. Mesmo que te arrependas. Mesmo que não te arrependas e aguentes as consequências negativas do que fazes. Isso tem pouco a ver com arrependimentos. Porque o que não nos mata torna-nos mais fortes. Mesmo. Felizmente não me tem tornado mais dura. Adoro isso em mim. 



Isto tudo para dizer que que fiz uma tatuagem linda linda que é uma nova versão (maior, mais bonita) daquela que tapa =D. Com o mesmo significado. Com a mesma paixão. Com muito mais entrega.

Apetece-me dar beijinhos ao meu tatuador que é fantástico ^^ e com quem já percebi que teria horas de conversa fantásticas. De filmes de música, de teorias da vida =)

quarta-feira, novembro 09, 2011

"Without hope or agenda..."



Mas há alguém que não se identifique com isto?...(pelo menos uma vez na vida?)

Briefing Espiral

Equipa: As Parcas
Data: 8 Novembro 2011
Cliente: Espiral

Razões:

A parva da Espiral faz o drama de coisas que não interessa. Os desgostos são peanuts. Perder pessoas é peanuts.

Objectivo:

Descentra-la dos problemas emocionais.

Target

Consumidor primário: Sexo feminino, 26 anos, activa, muito emocional e parvinha

Consumidor secundário: Abrangente. Todas as pessoas a fazer dramas da vida.


Mensagem

Mostrar-lhe de "modo gentil" que há coisas piores.

Insight


"O importante é ter saudinha"

Trabalho Criativo a desenvolver

- Acção de roubo de pára brisas do carro de Espiral num dia em que chove muito; experiência fantástica de conduzir na auto estrada sem conseguir ver um cu à frente no meio da tempestade; camiões a aparecer na mesma faixa devido a acção policial no campo;

***

Análise dos resultados


- Uma Espiral cheia de stress, com má cara, a pensar que nunca tinha tido tanto medo na vida e sem poder parar sequer o carro; Espiral que se baseou na premissa "se for sempre na minha faixa ninguém me chateia, vou devagarinho" quando lhe aparece um camião à frente devido à porcaria das obras na estrada. Uma Espiral que faz um manguito às parcas porque elas não sabem ou não querem saber, mas isto não funciona por substituição mas por acumulação.

Conclusão


Uma Espiral ainda pior mas a boa coisa é que não tem fome e mal tem comido por isso se calhar ainda perde uns kilos.





terça-feira, novembro 08, 2011

Estive a pensar...

E dava-me imenso jeito conhecer um toxicodependente/alcoólico/fumador em recuperação.

Só para perguntar se o primeiro dia é o que custa mais.

Ratos e Homens

Teve em 100 páginas o efeito que teve em mim o Deus das Moscas em 400.

Brutal.

Viragem

Adoro chegar antes da hora ao meu trabalho (isto de trazer carro porque tá greve é uma seca...). Ainda não chegou ninguém, ligo o pc com calma, vejo emails, bebo o café descontraidamente. É a minha pausa zen do dia.

Ainda bem que aqui ninguém chega a horas para eu aproveitar o meu momento de calma.

Mas eu sou eu e quase derrubo uma chávena de café, tropeço num móvel e tenho um olho a arder de tão inflamado. Vou respirar fundo e organizar um novo dia e um novo começo.

Bom dia de greve. mundo*

domingo, novembro 06, 2011

Porra

Então é assim, tu, Ó-Futuro-Homem-Da-Minha-Vida,

Eu não sei nada desta vida, não percebo um caralhinho de emoções ou de sentimentos, dessas cenas bonitas, não percebo nadinha de compromissos, de cedências, de construir uma vida a dois, a três, de contas para pagar, de stresses do dia a dia, etc etc

Mas, pah, independentemente do que dure (eu acredito em eternidades mas o mundo não) juro-te que farei sempre por valer a pena, porque tu valerás a pena.

E que me vou lembrar sempre que serás e és a primeira prioridade da minha vida.

É tudo o que te posso prometer. Com o coração cheio e de peito aberto.

Sinceramente,

A-Futura-Mulher-Da-Tua-Vida

Terceira e última

Tu não sabes, não fazes ideia, mas as tuas músicas, as que me mostraste, são as únicas que ficaram. (E espalho-as. Espalho-as porque os nossos momentos são para mim preciosos.) 
Tu não sabes, não fazes ideia o que tenho que me conter para não me perder irremediavelmente. Para fingir que não sinto o toque, que não correspondo ao beijo, que não te quero a ti. 
É por isso que não te olho nos olhos, que não espelho em palavras as verdades que formulo aqui. 
Porque tu não sabes nem fazes ideia. O que me emociona ter-te ao lado e sentirmos-nos cúmplices. Porque lês as minhas entrelinhas e eu mostro-te todos os parênteses.
Mas tu não és meu e eu não sou tua.




Isto não é uma carta de amor. Porque não sinto amor por ti. Mas podia ser.


  

O problema maior é

O que fazes com as partes bonitas do que sentes, do que vives? Deitas fora? =/

Mas...

Depois da alma a nu e da leveza vem a ressaca....

A vida continua e não se compadece com altruísmo e com a nobreza de espírito (nem com as fugas a suicídios emocionais).

E apanha-te sempre no teu lado mais fraco.




 

sábado, novembro 05, 2011

"E se as pessoas dissessem mais vezes o que sentem? "

Iam ficar vulneráveis. Com a alma a nu.

Ninguém quer ficar assim. Não é? Ah... ah...ah....

E cá estou eu desde 1985

A expor a minha alma a nu.
A cair com a intensidade e blá blá blá com os medos todos dos tais dos andares....

Eu nem sei ser de outra maneira e no fundo no fundo é um alívio imenso ser assim (perdidos por 100 perdidos por mil...)


Do que enche o coração

O que me faz ficar 5 horas a tentar vender porquinhos mealheiros (bem giros por sinal) e a embrulhar presentes de natal num hiper da nossa praça? Especialmente tendo em conta que odeio vender e tenho pouco jeito para embrulhos? E que tinha 4 horas de sonho mais duas horas matinais de ginásio em cima do lombo?

A generosidade enorme das pessoas. Ainda me espanta. Ainda me encanta. Hoje, depois de mais umas horas de voluntariado saí de lá com o coração cheio. E quase que consigo perceber o deixar tudo e ir apenas fazer bem.

quinta-feira, novembro 03, 2011

"A qualquer distância o outro te alcança..."

Queria tanto ir ouvi-los hoje.....

E esta música cai que nem gingas.......




Sorri

Está sol. =)
A minha pessoa favorita é a minha avó.  =) (Toda a gente devia ter uma pessoa favorita.)
Tenho pessoas que se lembram de mim. =)
O meu cabelo não está mau. =)
Ouço músicas bonitas.=)
Trabalho com pessoas interessantes. =)
Gosto do cheiro fresco da manhã. =)
Adoro as minhas pessoas e felizmente (oh sim felizmente) odeio perde-las. (Não entendo o conceito de "fartar das pessoas que se amam", nunca entenderei) =)

Segunda (draft) tentativa

Nunca ninguém me leu como tu lês. Descobres facilmente as tonalidades que tento esconder por entre o preto ou o branco. Ou o vermelho. Percebes quando coro, sem me ver. Quando estou irritada, quando sou mais intensa. Quando me calo querendo falar. Quando sorrio querendo rir.

(pausa longa para as horas que passam...)

Nunca ninguém percebeu tão bem quando estou verdadeiramente triste. Por menos que tenhamos falado. Por horas que tenham passado. E que se lembre disso. E que me lembre a mim que estás aí. Diz-me, que pressentiste?

Isto não é uma carta de amor. Porque não sinto amor por ti. Mas podia ser.


quarta-feira, novembro 02, 2011

E agora??

Quem ou o que é que eu culpo de andar romântica e lamechas????

(A ovular não estou, também ainda não é tempo para tpm, aí....)

É que ando a ouvir isto novamente e é mesmo tão bonito =)

É uma verdade

"Nem sempre as cartas de amor são de esperança. À vezes são só desalento."

terça-feira, novembro 01, 2011

Vocações

Se o o futuro do mundo dependesse dos meus dotes como costureira... bem, o máximo que posso dizer é "Comecem a correr".

Like a boss

Portanto, daqui a 10 anos gostaria  estar num tal nível que faria e trataria como meus secretários particulares, o presidente português de u...