Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Setembro, 2009

Amizade

Saber, que ao dizer o que pensas o que sentes, podes fazê-lo sem qualquer tipo de censura, crivo, ou com receio que minorizem ou maiorizem aquilo que disseste e o que sentes.
Saber que vais ouvir um "Sim, percebo-te perfeitamente." E saber que é mesmo verdade. Mesmo sem os exemplos que te dão a seguir e te confirmam isso.
Espiral

p.s. E o Miradouro da Graça tem das vistas mais fantásticas sob Lisboa.

Curtas

1º É complicado se o objectivo é avacalhar imenso num jogo de futebol do nosso clube do coração (Benfica olé olé) e chamar nomes ao árbitro, mesmo que nem tenhamos bem reparado na falta que foi feita, se na cadeira exactamente à nossa frente está sentada uma criança de olhos grandes que em vez de olhar para o jogo passa as duas horas a olhar para nós com ar inocente e a sorrir-nos com ar querido. É indecente. Uma pessoa nem pode dizer o que quer. "ó arbitro és um... palhaço.... vai vai... dar uma volta...". Fiquei frustrada. Mas happy. Ganhamos =)
2º Conclusões de conversas de messenger. As poções de amor estão sobrevalorizadas. As poções de desamor é que era uma grande ideia.
3º Mais 4 anos de Sócrates... Respira... com calma... com sorte só dura dois....

Espiral

Mood

"Se perguntarem por mim digam que voei." (título de um livro da Alice Vieira)
Só porque agora é um bocadinho doloroso pisar o chão.
Espiral



Frases daquelas IX

Oprah ao Domingo de manhã

A minha amigdalite continua vivinha e de saúde.Entretanto estou aqui a ver um programa da Oprah onde falam invariavelmente das relações entre homens e estou a a concordar com muita da coisa que o senhor que "percebe muito de homens e até tem um livro best- seller" diz.
Isto pode significar muita coisa - a amigdalite está pouco a pouco a afectar-me o cerébro - os meus neurónios estão a deixar de fazer sinapse por falta de actividade (já começava a mandar currículos) - o homem até tem alguma razão...
E esqueçam a última hipótese... começaram a falar de uma regra qualquer acerca de 90 dias.... 90 dias....
Oficialmente a amigdalite está a afectar-me o cérebro ou os meus neurónios estão a deixar de trabalhar. Ou ambas.

Espiral

E para o dia de hoje a música é....

A canção não tem literalmente nada a ver com o meu estado de espírito. Ou seja não estou em nenhuma drama da vida tuberculoso (aka a-morrer-de-amor-ó-deus-que-a-vida-é-cruel-por-isso-morro). (só para clarificar)Mas no meu profundo estado amigdalítico, digo já que estou nostálgica e triste e mais um mundo de coisas.... e a canção é linda. Só isso já era motivo.Espiralp.s. E que o meu Benfica me anime hoje com pelo menos 4 golos. Não quero saber se o Jesus diz que isto não é sempre goleadas. Eu sou deus e digo "é pois." -_-

Eu... só porque sim

Acabei de o receber em casa. Sinto-me feliz. Porque isto é muito daquilo que eu sou e me sinto. =)
Espiral
p.s. Já sem a TPM. Ainda com a amigdalite.

Amigdalite + TPM = Caos

Só para contextualizar o que vou dizer a seguir (e para me darem os devidos atenuantes):
- estou com uma amigdalite aguda lixada (daqueles que me fazem sempre receber os elogios mais bonitos dos médicos "estás com uma garganta tão linda" "estás bonita estás, como é que aguentas?" "ó dr. X, ó dra. A, venham ver a garganta dela que nunca vi nada assim....")
- estou com febre (e arrepios de frio, e má disposição, e fadiga muscular e vómitos, e não, não é gripe A)
- estou com uma grande TPM

Passado os esclarecimentos, é só para dizer que neste momento odeio o mundo, passando pela senhora da caixa do supermercado que demorou meia hora a fazer duas contas pequeninas, assim como a senhora que se esqueceu de pesar a m**** das uvas e lá teve que voltar atrás. Se eu tivesse uma arma naquele momento eram menos duas chagas no mundo. E também adorei às 18 horas da tarde mandarem-me trabalho via net. A parte do amigdalite, febre e contagioso e já agora, penicilina ao quilo

Sobre "a nossa alma a desatar"

Sempre Para Sempre

Há amor amigo
Amor rebelde

Amor antigo
Amor da pele

Há amor tão longe
Amor distante
Amor de olhos
Amor de amante

Há amor de inverno
Amor de verão
Amor que rouba
Como um ladrão

Há amor passageiro
Amor não amado
Amor que aparece
Amor descartado

Há amor despido
Amor ausente
Amor de corpo
E sangue, bem quente

Há amor adulto
Amor pensado
Amor sem insulto
Mas nunca, nunca tocado

Há amor secreto
De cheiro intenso
Amor tao próximo
Amor de incenso

Há amor que mata
Amor que mente
Amor que nada, mas nada
Te faz contente, me faz contente

Há amor tão fraco
Amor não assumido
Amor de quarto
Que faz sentido

Há amor eterno
Sem nunca, talvez
Amor tão certo
Que acaba de vez

Há amor de certezas
Que não trará dor
Amor que afinal
É amor,
Sem amor

O amor é tudo,
Tudo isto
E nada disto
Para tanta gente

É acabar de maneira igual
E recomeçar
Um amor diferente
Sempre , para sempre
Para sempre

(Donna Maria)

Espiral

Ver fotos no facebook dá nisto...

O meu cabelo tem uma cor natural tão parva, tão parva ("cor de mel" para os cabeleireiros gays", "cor de azeite" para os amigos honestos) que nas fotos com as minhas amigas, que têm, se não todas, pelo menos a maioria, cabelos pintados, madeixas, luzes, etc, eu sou a única que parece que o tem pintadíssimo e pior, mal pintado. Pareço aquelas gajas pimbas que querem ser loiras/ruivas/morenas/cor à escolha, à força =/

Qualquer dia deixo de ligar ao que dizem os cabeleireiros "ah-que-cor-tão-original-nem-pense-em-estragar" e pinto de castanho. Porque o meu cabelo é castanho mas é parvo. E pintado de castanho normal parecerá castanho-pintado, mas ao menos não parece mal-pintado-natural

Espiral

p.s. se calhar na linguagem deles (cabeleireiros) "original" significa o mesmo que "exótica" na a linguagem dos homens...

O peixe morre pela boca

No Verão passado no fim de um jogo de futebol realizado por uns amigos, a que fui assistir, estava no meio do campo a conversar com umas amigas. Como era Verão estava de vestido e sandálias abertas. A bola do jogo estava mesmo perto de nós e um amigo que estava do outro lado do campo grita "Sónia, chuta aí." obviamente a brincar. Obviamente que eu chuto a bola. Um bom chuto. Que me deixou com os pés cheios de sangue. Da unha que se partiu. Não devia ter chutado a bola.

Eu sou assim. Em tudo. Mas é uma boa analogia com as coisas que eu digo. Deveria estar muitas vezes calada. Mas acho que é de família estas calinadas. O meu querido primo direito também as tem boas. Estamos muito orgulhosos um do outro. Sempre é um conforto saber que as vergonhas não morrem sozinhas.

Espiral

Conversas de MSN

A. - tenho vontade de dizer ao...: és mt novela mexicana para mim
Eu - =)
A. - nao sei pq
A. - ahahah
Eu - LOLOL
Eu - gostooo
Eu -depois dizes "eu sou mais uma boa obra literária com um final realista mas feliz"
Eu - eu pelo menos sou =)
A. - gostoo!
A- eu tb!


Algumas (muitas) conversas que tenho com as minhas pessoas (ehehe) deviam ser marcadas para a posteridade... esta, entre outras.

Espiral

Momentos que ficam

Ontem passava eu na praça da figueira às 21h00, em passo apressado para ir apanhar a boleia para um jantar de amigos quando ouço uma voz de criança a dizer alto. "Lua!! Anda cáaaaa" . Viro-me e vejo um miúdo ao colo da mãe, que também atravessava a praça da Figueira a pé, com os braços estendidos em direcção ao céu. E continuava, num tom alto e doce "Luaaaaaaa! Anda cá!!!".

Olhei o céu e estava uma lua fantástica. Juro, juro que também queria uma lua assim para mim. Tenho é vergonha de pedir como ele.

Espiral

Do que me faz feliz

Hoje comprei isto:


Bons autores. Bons livros.

Espiral

A complexidade (aka confusão) que sou eu

Enquanto estou aqui sentada a comer gelado negro de chocolate com laranja (um brinde à carte dor) e a ouvir bossa n' roses percebo que tenho espalhados pelo chão à minha frente uns sapatos pretos clássicos de salto alto, sabrinhas vermelhas rasas giras, uns tênis confortáveis todo o terreno e umas sandálias azuis rasas com pedras muito fashion.
Se isto (para além de mostrar que sou desarrumada) não é uma completa metáfora daquilo que sou, então a minha capacidade para encontrar significados e aprendizagens em tudo e todos é um completo fracasso.
Espiral

Cada um é para o que nasce

Imaginem uma praia fantástica (sim, gosto de Santa Cruz), com um tempo fantástico, apesar do mar um bocadinho nada violento e um bocadinho nada frio. Eu que costumo ser a primeira a ir independentemente da bandeira vermelha, do mar gelado e dos "és doida, fica mas é quietinha", neste sábado estava um nada "o sol tá tão bom, nem molhar os pés me apetece" portanto estava na toalha em amena cavaqueira (leia-se corte e costura) com duas amigas.
Muito perto de nós estava uma familia de emigrantes a fazer o arraial do costume. Era o miúdo de meses com os pezinhos a espreitar do carrinho, eram os putos a cirandar por ali, eram as jovens alegremente, era o avô, era a mão e o pai, uma festa por si só.

Estando eu e as minhas amigas a conversar alegremente, sendo eu a que estava mais longe da dada família, e com óculos escuros postos, o que não abona muito para eu ter um ar juvenil e descontraído, quando chega um dos miúdos, para aí com 4 anos, devidamente munido com um balde e…

Frases daquelas VI

"Tudo tem que voltar a ser feito com a loucura possível e o terror de estar a cair de um prédio de sete andares."

daqui


(Às vezes penso que devia escrever mais sobre o amor. Que não o faço aqui. Depois lembro-me que tudo, tudo o que escrevo, é, de um modo ou de outro, sobre o amor. Mas qualquer dia destes faço mesmo um post acerca dele. Assim à séria.)

Espiral

p.s. Há tantos blogs bons....

Dias como estes.... cheios

Imaginem a cena:

Lisboa com uma temperatura de 30 e muitos graus, um carro estacionado ainda um bocadinho longe do destino, e uma caixa de livros para carregar. A caixa de livros rebenta (ah ah ah isto é tão típico) a meio caminho entre o carro e o destino. De alguma maneira consigo levar tudo de volta ao carro e retirar aqueles que estão a fazer peso a mais. Felizmente que a caixa não se rasgou, apenas se abriu. E tenho que arranjar uma solução qualquer para os levar ao destino. Até me apetecia fazer um manguito ao mundo e ir-me embora. Mas desde quando é que eu opto por soluções viáveis? Os livros chegam onde têm de chegar. Depois de ter feito duas viagens a pé. Com várias paragens pelo meio para descansar (sou mesmo fraquinha). Fiquei com os braços a tremer, alagada em suor e com a t-shirt preta cheia de pó dos livros.

Realmente este tipo de situação é mesmo minha. Muito boas intenções, mas muitas peripécias pelo meio.

Mas estes dias "tão-eu-que-faz-confusão" acabam por ter …