Quickribbon Espiral: Outubro 2009

sábado, outubro 31, 2009

Lost


Mil anos depois de toda a gente ver Lost, falar de Lost, amar Lost, finalmente, no meio do meu "stand by" profissional começo a ver a série. A primeira temporada já está, começo a segunda a todo o vapor.

E apesar de reparar no banho, na manicure e na depilação em dia das meninas, para além da vasta gama de vestuário dos personagens além de outros erros um poucochinho mais graves, há algo que compensa tudo...


Para além do actor ter um físico excelente, e uma carinha bem ao meu género, gosto imenso da personalidade da personagem. É um bocadinho traumatizado, um bocadinho trolhinha e não é o herói"tcharam" da história...

Espiral

terça-feira, outubro 27, 2009

Eu... só porque sim II





Espiral

sexta-feira, outubro 23, 2009

E eu acho que tenho poucos livros e nada para ler...


Duas prateleiras de 1 metro e 10 cms do Ikea compradas anteontem. A prateleira vermelha é com os livros que eu comprei mas ainda não li. A prateleira branca tem os livros que li e que não tinha espaço para colocar noutro sítio.



Eu achava que só ia encher meia prateleira e que a outra prateleira ficava para encher depois....

Depois tenho mais esta prateleira, que caso não dê para ver pela foto, tem três filas de livros, ah, e isto é só metade da prateleira, tem continuação para a direita.


E tenho mais estes livros da biblioteca para ler (são 5, mas só me faltam dois)



E mais este saco de livros, emprestados pela querida I. (11 livros dos quais já li dois)

E mais estes 7 livros emprestados pelo M.


E ainda tenho esta estante que para além das enciclopédias e afins tem imenso clássicos portugueses dos quais ainda só li Eça de Queirós...

(E estou a ignorar os livros técnicos que é outro campeonato e estão noutra estante.)


Portanto... nunca mais me queixo de tenho bué poucos livros...

Espiral

p.s. Vou comprar mais duas prateleiras daquelas ao Ikea...

p.s. 2 E estou a esquecer-me dos... vá, a contar por baixo, 10/12 livros que tenho emprestados por aí....

quinta-feira, outubro 22, 2009

Nova alcunha procura-se

Então é assim... se eu sou o "Erro de Casting", e ela é a "Mancha no Soalho", quem és tu TakeAway?

Espiral

p.s. Que saudades que eu tenho do nosso fim de semana no Porto... e do de Santa Cruz =)

quarta-feira, outubro 21, 2009

Antes que se pergunte

1- Sim, costumo ler vários livros ao mesmo tempo.

2- Não, não confundo o conteúdo nem me esqueço da história de cada um deles

3- Sim, estou concentrada quando estou a ler cada um deles.

4- Leio vários ao mesmo tempo porque em momentos diferentes preciso de tipos de livros e de leituras diferentes. E muitas vezes esses momentos apanham-me quando estou a meio de algum livro. É a vida.

5- Acreditem, demoro menos a ler os três livros que vocês (mundo em geral) a ler um.

Espiral

p.s. No momento presente estou a ler três ao mesmo tempo por motivos meramente logísticos (logo excluam o ponto 4) mas os restantes pontos continuam a aplicar-se.

sexta-feira, outubro 16, 2009

"Já que não a posso comer ao menos vou enfiar-lhe um rim"




Está muito bem feito. A frase tá brutal. Mas...será que dará resultados? É este o tipo de motivação que faz as pessoas doarem orgãos? Duvido.

Nota mental. Não confundir criatividade com resultados práticos.~

Adenda: Afinal este anúncio é sobre a doação de esperma. Peço desculpa pelo erro grosseiro. De qualquer modo a minha dúvida principal mantém-se. Será que este tipo de motivação resulta?

Espiral


quinta-feira, outubro 15, 2009

Ventos positivos

"A vida é demasiado preciosa para ser esbanjada num mundo desencantado"

Mia Couto


Sorriso grande grande =).


Espiral

quarta-feira, outubro 14, 2009

Maítê versão 34923049234920

Eu nem ia falar disto, até porque não costumo falar aqui dos assuntos que 99% dos blogs falam (é aquela coisa de não seguir a carneirada, tenho esse problema, odeio carneirada...), mas esta conversa toda à volta da MaitÊ está a irritar-me por diversos motivos:

1- Pelo que percebi o vídeo já tem uns dois anos, e mesmo que não tivesse, é aquilo que é. um vídeo parvinho, feito porque apeteceu e pela graça. Sim tem piadas parvas sim tem erros históricos, sim, brinca e goza com monumentos, personagens históricas, e oh meu deus imagine-se com o porteiro ou técnico lá do hotel... Mas não passa disso mesmo, de um vídeo nada de especial, para um programa daqueles lights, sem interesse nenhum. Qual é o drama? A minha auto estima não se joga há dois anos atrás.... acredito que a auto estima do meu País não se ponha em causa por causa de um vídeo.

2- Os portugueses que agora dizem que ela é uma puta, uma ordinária, que "abre as pernas no programa portanto só pode ser ordinarona" (oh god....), não são melhores. Aliás só mostram uma arrogância, uma brutalidade, uma má educação que me envergonham. Porque são os mesmo portugueses que todos os dias dizem que Portugal é uma merda, e isto e aquilo. E que riem imenso dos Contemporâneos e dos Gatos Fedorentos desta vida porque "ah aquilo não é dizer mal, é brincar, é muito diferente" e "ah nós podemos dizer mal, mas ela não que é brasileira e eles lá é tudo muito pior". Poupe-me. Poupe-me a tanta falta de nível, ignorância e mesquinhez junta. (Ou como li num blog "ah se ao menos fosse alguém da Suécia a dizer mal , esses podiam").

3- Não sei se me arrepio mais com os portugueses que dizem mal dela, ou de algumas bloguistas (uma em particular) que por acaso acham o mesmo que eu mas que o diz do género "ah eu sou melhor porque vivo fora do país, e como sou bué superior porque vivo fora do país acho que vocês no país não tem sentido de humor"... Bem, eu não precisei de sair do país para ter a opinião que tenho (devo ser bué especial...), nem tenho a mania que por ser jornalista posso dizer o que me dá na real gana (como vá, 80% dos jornalistas neste país... e fora dele).... e mais não digo porque vou passar por invejosa, e por não ter vida e mais um mundo de coisas, e pronto ao menos não pus isto como comentário do post da dita cuja, porque era esse o destino, mas vá, eu sou brutinha, mas não me apeteceu ser tanto.

4- Pessoal e vá lá.... O Miguel de Sousa Tavares não precisa de ajudas para ser parvo e convencido e arrogante e mesquinho e pessoazinha. Portanto parem de maltratar o homem por causa da Maitê. Há tanto lixo sobre o homem para se dizer. Sejam inventivos. (Nota-se que gosto muito dele não é?)


Uau, primeira vez a destilar veneno e ventos negativos neste blog. Prometo que será raro. E Maitê deixa lá, amanhã já ninguém se lembra disto, que o pessoal da "terrinha" (e eu sei que isto é no sentido carinhoso) é de rancores parvos mas superficiais. Tranquila =). Vais ver que com a novela nova voltas a ser a preferida de todos.

Espiral (contentinha porque desabafou)


terça-feira, outubro 13, 2009

Sobre a nossa alma a desatar II

Daqui.

Espiral

Como eu preciso mesmo de me sentir útil

1- Comprei um vestido cinzento tamanho m agora para o Inverno. Estava-me um bocado largo mas como tinha cinto pensei que era largo-com-estilo-e-na-moda.
Hoje fui a outra loja da mesma cadeia e vejo que o vestido que comprei está na sessão pré-mamã. Mas o vestido é giro, e nem se nota que é... disso... portanto vou usar. (e como não reparei eu nisto? já não sei ler????)


2- Tenho sonhos marados com pessoas que me entrevistam para os cargos mais estranhos, mas coerentes (?) com a minha profissão. Ora vejamos: trabalhar para uma empresa especializada nas doenças ligadas a dificuldades a nível da fala, vistas do ponto de vista cognitivo. (se calhar se não existe, deviam inventar, no meu sonho não percebi era o que exactamente a empresa fazia, mas ok)

3- Passo cerca de 5/6 horas por dia a ver tv. Tendo em conta que eu passava uma semana sem ligar a tv isto começa ser preocupante. E de certeza que tenho neurónios a morrer...

Espiral

quinta-feira, outubro 08, 2009

Em relação ao post abaixo

1-Realmente há muitas Cátias de Rio de Mouro.
2- Realmente o mundo não é linear (é confuso, muito confuso)
3- Efectivamente quando pedir o tal micro crédito e abrir a tal micro empresa haverá uma alínea no contrato em que saliento que não me responsabilizo por eventuais comportamentos menos éticos, ou considerados moralmente reprováveis das pessoas que são o objecto de desejo do cliente que contrata os meus serviços. Que isto nunca se sabe.
4- Realmente independentemente disto tudo, eu continuo a saltar de 7 andares (com todo o terror e loucura incluídos), a ser emocional e a deixar o coração correr. E que se lixe as racionalidades todas.
5- Um beijinho para a princesa, e um abraço, vá.

Espiral

Inspiração musical - Estranha forma de vida (Amália Rodrigues)

2 cafés uma imperial

Café com a M. e o R. Falando da confusão que é não saber o que se sente. Ou o que os outros sentem. R. confuso com o que sente.

Eu, com a brutalidade sincera que me caracteriza e que hoje tá realmente fantástica, digo, (mais ou menos isto, porque a minha memória não é das melhores) com todo o drama inerente:

"Diz-lhe exactamente aquilo que sentes. Que estás confuso em relação ao que queres, mas que te sentes um bocadinho mais contentinho se ela sentir alguma coisa por ti, e que ficas um bocadinho mais triste se não. "

Momento de pausa. M. com ar de sei lá o quê, e eu "Até parece que não gostavas de ouvir isto." E ela, "Pois, eu gostava.". R. não acha assim tão linear.

Mas, pronto, a vida se calhar não é assim tão fácil. Se calhar assim não se encontram respostas. Ou as que queremos. Mas que a sinceridade sincera é uma coisa bonita, e resulta com a M. e resulta comigo, lá isso resulta (resultaria).

Espiral

p.s. Acho que vou pedir um micro crédito e abrir uma empresa em que escrevo declarações personalizadas. É que podem achar que não, mas proclamar aquilo ali em cima alto fica bonito.

quarta-feira, outubro 07, 2009

O que uma mulher quer V

"Nós mulheres somos seres complexos, profundos, insondáveis, intrincados. Dizem que nos separa dos homens a distância que Vénus de Marte. Pessoa não nos compreendia, nem Oscar Wilde ou Shakespeare. E tentaram. Já Simone de Beauvoir atira com uma verdade absoluta como "Não se nasce mulher, torna-se" como quem pede um quilo de maçãs na mercearia. Porque ela é.
Entretanto, os homens perceberam que já não tinham de cortejar ou namorar raparigas com as tias delas a fazer de pau-de-cabeleira, nem trocar sinais escondidos por leques ou lenços. Não. Bastava pagar um copo ao Sábado à noite no Docks às Cátias de Rio de Mouro que elas abriam as pernas. Então, qual Pavlov a olhar para um cão salivante, acharam que tinham percebido as mulheres. Atenção aqui ao plural! As mulheres... Todas, portanto. E, ao 6º dia à noite, descansaram...
Nós por outro lado, pusémos os homens de lado, subvalorizando-os. Considerámo-los dispensáveis ou, no mínimo, substituíveis. Demo-los... por assim dizer... de bandeja às Cátias de Rio de Mouro, com todo o respeito que as Cátias de Rio de Mouro me merecem. Que existe na exacta proporção em que ela se respeitam quando aceitam copos ao Sábado à noite no Docks.
Voltanto aos homens, faço aqui o meu mea culpa. Tenho a minha (larga) quota-parte de responsabilidades. Sei que algumas amigas concordam. Aquelas que sabem que estão melhor (mais leves) sem eles. Não pode ser!
Não quero que deixem de dar voltas à cabeça para pensar em como nos surpreender.
Nós evoluímos, acompanhem-nos. Vocês também, vamos acompanhar. Nós tentamos. A sério! (Mas também não nos importamos mais com o que acontece ao Falcão, ou ao Lucho, ao Jesus ou ao "Zé Eduardo" Bettencourt do que com qualquer personagem do Grey's Anatomy...). Bem, nós simplificámo-nos. Agora, vocês compliquem-se.
Não digo para nos aparecerem montados em cavalos ao pôr-do-sol, para nos resgatar das nossas vidas de sucesso e casas confortáveis (as únicas bruxas más dos tempos modernos são sandálias com saltos 12 cm que, também por vocês, nos matamos a domar), mas passem no supermercado, comprem vinho e queijo e mandem-nos uma mensagem: "Picnic em frente ao rio daqui a 10 min?"
É assim tão difícil perceberem que não queremos que nos percebam?"




De um blog que li hoje por acaso. É mesmo isto! Especialmente a parte de os atirarmos de bandeja para as Cátias de Rio de Mouro. Vacassss! E nós somos parvas.

Espiral

sexta-feira, outubro 02, 2009

Das ideias românticas que temos ao ver filmes

Começei agora a ver um filme que já queria ver há muito tempo. "The painted veil".

E já me questiono, se hoje em dia ainda existem homens assim. Que se apaixonam, com certezas que aquela é a mulher que querem, e que lhe dizem "Só te quero fazer feliz." com convicção. Porque é aquela a mulher porque esperaram a vida toda.

Se calhar sim, e andam aí, se calhar não e isto só se encontra nos livros e nos filmes.

Espiral

Adenda: mas reflectindo um bocadinho, um homem que mal me conhecesse e me dissesse isso levava logo uma resposta do género "deves dizer isso a todas não é?" por isso eu também não sou bem como as mulheres dos filmes e dos livros...