Quickribbon Espiral: 2013

terça-feira, dezembro 31, 2013

Quase fim de ano

Ansiedade outra vez em altas. Não consigo negar ou evitar sentir-me assim.

Eu sei que a vida é feita de evoluções e retrocessos, mas estou um bocadinho cansada (e isto é eufemismo) de não conseguir fazer nada ou quase nada do que sonho. Seja viajar, ter um espaço meu ou outras coisas.

Deste ano ficam coisas muito boas. Ficam sempre. As minhas pessoas. Que amo. Que estão aqui. Ficam as surpresas. Da minha resiliência. Da generosidade de muitas pessoas. Da partilha Da entrega.

Para o próximo ano só peço mais afinco meu, mais esforço, mais coragem, mais generosidade. Preciso de praticar isto. E só um bocadinho de sorte que anda a faltar.


Um beijo a todos =)

segunda-feira, dezembro 30, 2013

Do meu Natal

- As pessoas que amo. Reunidas na ceia. Encontradas à tarde no meio do temporal. Rindo de manhã com bandoletes de renas na cabeça.

- A comida boa. O salame de chocolate da minha madrinha. O caldo verde da minha avó. O bacalhau com couves da minha mãe. Os meus sonhos de cenoura.

- Das trocas. As prendinhas que têm maior significado porque cada vez mais as pessoas se conhecem melhor. Os livros. O carinho. A cumplicidade.

- Do riso. Eu e o meu primo. Não interessa que a noite já não seja a longa benzana até o sol raiar e chegarmos a casa pelas 8 da manhã.

Igual a tantos nas coisas boas, diferente porque é o meu =)

segunda-feira, dezembro 23, 2013

Dos saltos de fé

"eu sei que soa cliché, mas sempre foi uma corrida em direcção ao precipício , e pior, de peito aberto"`

(euzinha para uma amiga... sobre o que mais nos une. o amor claro.)

Feliz Natal

Que encontrem em vocês e nos vossos as sementes de felicidade mais importantes e valiosas.

Porque no fundo é disso que é feito o Natal. Das coisas que verdadeiramente importam.

Sejam felizes.

terça-feira, dezembro 17, 2013

facebook

Uma óptima ferramenta para evitar constrangimentos e barreiras temporais supérfluas.

a dor do amor

Tenho uma amiga de 19 anos, quase menos uma década que eu tenho a desabafar comigo sobre problemas amorosos.

A dor do amor é igual em qualquer idade.
Só muda o calo ganho, a eventualmente a simplicidade do flirt, ficamos menos ingénuos e percebemos melhor o que temos a ganhar e a perder.

Apesar de ser melancólica por natureza, sou pouco nostálgica e não tenho saudades das confusões que teria na minha cabeça nessa altura.

Era uma dor diferente, mais abrangente. menos focada, mesmo que direccionada.

Não era menos forte. Era apenas menos profunda. Provavelmente até era mais impactante. Os amores dessa altura marcam. Sem dúvida.

Mas dez anos depois, posso dizer sem sombra de dúvida que nenhum desses foi amor da vida para mim (e foram poucos, muito poucos). Só os que vieram depois (que ainda são menos, muito menos).

Todos guardados com carinho. Não nego. Sempre amei, gostei, apaixonei-me por homens, garotos, ou rapazes que no momento em que gostei deles eram interessantes. A maior parte deles continua.
Não cuspo no prato onde comi. Ou onde quis comer. Nunca. Acho-o mais um gesto de falta de noção do que de grosseria. (Mas também nunca gostei de um futuro serial killer/violador/pedófilo, se calhar aí....)

Mas isto só para dizer que a dor do amor é sempre verdadeira. Mesmo quando descobrimos que há dores de amor mais verdadeiras que outras.

Sinceramente preferia não as ter descoberto. Mas não invejo quem nunca as descobriu.










segunda-feira, dezembro 16, 2013

Dezembro

Há momentos, em que, independentemente das certezas, dos sentimentos, da força do caminho que se seguiu, indiferente e gélido face ao que teve que ser abandonado, chega a ti uma ânsia , uma fraqueza (que no fundo é força) de estender uma mão, de sorrir, de fingir que o tempo não passou. Que não foste voluntariamente abandonada, que não foste decidida e forte. Que não tomaste decisões corajosas. Finges que está tudo igual. Que aqueles olhos de encontro aos teus nunca tiveram um intervalo (de anos) em que não se olharam. Que sorris, que ele sorri contigo e que isso basta.

domingo, dezembro 15, 2013

O amor também é isto

De certeza que há um perfil especifico de pessoas que amam, veneram os "befores".
E que morriam por viver uma história de amor assim.

O amor é isto também

Não sei de vocês, mas a mim excita-me muito mais a confiança e o respeito do que as inseguranças e as discussões de faca e alguidar.

A segurança de um homem nele próprio e na pessoa que ama é um dos maiores turn-ons que conheço.

sexta-feira, dezembro 13, 2013

Eu tenho mau feitio eu sei

Irritam-me as listas de Natal (ou wishlist que é mais fino) espalhadas por esta blogosfera.

Soa-me estranho. Ostensivo. Interesseiro. Pedinchão.

Eu sei que quem não chora não mama, mas parece-me um contra senso tão grande nesta altura os sonhos serem todos tão materiais.



quinta-feira, dezembro 12, 2013

Novidade

Já sei fazer bombons recheados =D

(nutella, manteiga de amendoim e leite condensado e coco)

Mudando de assunto

Não é bom sabermos que aquela, aquela e aquela pessoa independentemente de tudo, são as pessoas da nossa vida?

Adoro.

O mundo gira

Não muda muita coisa por aqui.
Continuo desempregada mas realmente estar parada não é para mim e já arranjei maneira de ter sempre alguma coisa para fazer.

Portanto o tempo para ler, ver séries e navegar ficou reduzido a quase zero.
O tempo para ver pessoas também .


Eu uma vez disse que a minha vida era sempre em ciclos de dois anos... estou a fazer contas e pois...


...E fica mais ou menos tudo igual.


quinta-feira, dezembro 05, 2013

Tendo em conta o comentário que fiz num post do blog do Pulha

O Amor é o meu Santo Graal.

quarta-feira, dezembro 04, 2013

Corrijo

As mulheres não gostam de beijos roubados. Não não é disto que elas gostam.

Elas gostam de beijos arrebatados. Sonham e fantasiam com eles. Se forem arrebatadores tanto melhor.


Chris Cornell - Sweet Euphoria (Euphoria Morning)







Há dias, desacertados do tempo, no avesso da rotina dos dias em que te apanha de chapão, e docemente te deixas enlevar... E recordas.

Falta de fotogenia

Costumam dizer muitas vezes que sou mais interessante ao vivo.
E sendo mais interessante ao vivo sou mais interessante ainda depois de me conhecerem,

Um modo simpático de dizerem que sou feia que doí mas com uma personalidade que atenua isso.

terça-feira, dezembro 03, 2013

Isso

"Fode-me com alma mas por favor não te esqueças do corpo."

Pedro Chagas

ou na minha versão mais soft, há dois anos, numa mesa de café, com uma imperial na mão, o cérebro frito e o coração desfeito:

"Pára. Chega de poesia. Estou cansada de poesia.  Ela não me aquece os pés à noite."


Em modo parvo

O que nos toca e parece que não vai tocar pode ser na altura em que menos esperas, e o não tocar-te quando pensas que vai tocar-te também.

É tocante isto. Ter um cérebro e um coração tontos, tão tontos que quando um sente uma coisa o outro pensa exactamente o contrário e vice versa.


sexta-feira, novembro 29, 2013

O amor é isto e nada mais

"Ah, o amor não existe para nos fazer felizes. Acho que ele existe para nos mostrar quão fortes podemos ser no sofrimento e na paciência" (Peter Camenzind, Hermann Hesse)

quarta-feira, novembro 27, 2013

Não tem preço

Teres sempre 7/8 jantares de Natal com diferentes grupos de amigos e eles mudarem os dias consoante a tua disponibilidade porque querem mesmo que tu vás =)

domingo, novembro 24, 2013

A questão

O problema é que a memória é lixada. E muitas vezes ao seguir em frente, o momento decisivo é quando percebemos que já não é como era. E dá um medo enorme. De esquecer. De esquecer, não necessariamente  os gestos, a pessoa, o que tinham. Esse lado, mais racional, mais óbvio, mais efectivo pode ficar, pelo menos fica mais tempo, com maior ou menor grau de memórias falsas. O que me dá medo, um medo enorme é esquecer-me da importância. Da potência da dor. Do alcance da amizade. Da força do envolvimento. Do que nós sacode a alma e nos agita cá dentro. Do que nos faz apetecer vomitar e cantar ao mesmo tempo. Do que nós dá prazer e angústia. Do puro, bonito e transcendente que pode ser um sentimento. Simples assim.

Deve ser por isso que fantasio tanto. Que tenho lutos longos. Que perduro. Porque o do que é feito o amor devia durar para sempre. Mesmo que o resto não dure. E dá um medo enorme perder o que fica em nós. Porque perde-se sempre. Porque para seguir em frente, fica a lição, o erro, e pouco a pouco a réstia de dor, transformando-se todo aquele amor em qualquer coisa esbatida que muitas vezes apenas dá lugar a uma vaga nostalgia que se banaliza nas recordações das pessoas que perdemos.

Odeio, ao ter que seguir em frente matar o amor. Mas sigo.

sábado, novembro 23, 2013

Entretanto a raiva passa-me e volto aos posts do costume.

Só que hoje deu-me para espelhar os demónios que me assaltam todas as noites aqui. 

Não impede insónias, mas juro que não é mau para contrariar crises de ansiedade. 

Por outro lado,

Sim, não tenho filhos para criar (e por este andar nunca vou ter).
Não pago rendas, nem luzes, nem águas e vivo debaixo de um tecto (que se lixe a independência...).
Não passo fome. Ainda tenho um carro. Ainda posso ir ao ginásio.

Por isso estou óptima de vida. Os sonhos são para os caloiros. (Ou Gastões desta vida)

Engraçado

As únicas pessoas que conheço que dizem não dar grande importância ao dinheiro foram aquelas que nunca tiveram grande dificuldade em tê-lo ou a usufruírem do que ele proporciona.




O dinheiro não faz ninguém feliz mas facilita

- É muito triste quando tem que se decidir não ir a um aniversário de uma amiga porque há a gasolina, a prenda e o preço do menu em que pensar (15 euros) e por isso terei de recusar (eu que em tempos idos tendo que escolher entre ir a jantar e comprar um miminho para mim escolhia sempre os meus amigos).

- Ter uma crise de nervos porque se partiu uma lente de contacto, algo que nunca aconteceu em 12 anos a usar, e agora ter que pagar metade de um seguro de um carro por outra lente.

- Ter uma segunda crise e ter que devolver um determinado valor à segurança social porque pelos vistos andou a mandar-te mais do que o que devido do teu fantástico subsidio de desemprego.

- Averbar a carta para se poder conduzir ambulâncias e engolir em seco quando pedem 55 euros por isso...

- Não poder dar as prendas que queria às pessoas que mais amo. E sinceramente isto é o que custa mais.

- Ter que deixar sempre para outro mês a compra de uns calções, capacete para ir de andar de bike (emprestada); ter que correr o risco de torcer os pés em caminhadas porque também se adia a compra de ténis próprios para caminhadas em montanha.


(e nem falo aqui de querer ter um espaço meu, uma casa, um t0, qualquer coisa que isso já é sonho de luxo.)


Disto do merecimento, da justiça e dos caminhos

O mais complicado de viver numa sociedade em que se estimula o positivismo acima de tudo e o "vê sempre o lado positivo" é ter de aturar com um sorriso cansado as pessoas que com todas as boas intenções, tenho a certeza, porque são amigas, e não vêm a insensibilidade da coisa dizerem "há coisas piores, vive as coisas boas que tens e faz x ou y para te sentires melhor".

Não entendem que isso é apenas conversa de treta, fácil, fácil, vazio e fútil de quem está melhor. Melhor nos aspectos de terem um chão. Uma solidez qualquer. Um caminho que já começaram a forjar. Ou um caminho já meio caminhado. Qualquer coisa. Não quero falar aqui de aspectos práticos (sejam eles, casa, um contrato, um emprego, uma perspectiva sólida) porque há sempre o argumento "ah, mas já nada é definitivo". Pois eu sei. Mas no presente têm algo, a grande maioria algo concreto e já conseguiram fazer alguma coisa. Prática. Efectiva.

E olhando em volta tem pouco a ver com merecimentos, justiça ou caminhos escolhidos que foram tão bem estudados ou tão mal que deram aquele momento, se não perfeito, pelo menos que é qualquer coisa.

Lamento, mas não querendo que me passem a mão pelo pêlo, também odeio que me lancem areia para os olhos.

A vida não é justa. Eu sei. Por isso não preciso de realçar artificialmente as coisas boas da minha vida . Eu sei quais são.

A vida não tem nada a ver com mérito. Consigo dar 30 mil exemplos de sortudos sem mérito e de azarentos esforçados e inteligentes. E dos outros dois tipos também. Por isso a pancadinha das costas do "tens 3 mil qualidades, vais ver que arranjas qualquer coisa" (sendo o "qualquer coisa" um termo fantástico, mas adiante).

A vida não tem nada a ver com caminhos. Se a vida fosse feita de consequências fluídas e causa-efeito de escolhas certas e erradas o mundo era muito mais equilibrado.

Mas o mundo não é perfeito.

E juro que não estou amarga nem com um ataque de vitimização nem nada, mas o meu estoicismo às vezes rebenta e a insensibilidade  às situações alheias e a tentativa de minimização é algo que me irrita quando o fazem aos outros, por isso quando me toca na pele também. Porque nunca tive um mínimo de situação estável laboral, nem ordenados que substituíssem isso. Porque não tenho rendimentos extra, nem pais, marido ou namorado em situações fantásticas o que faça com que isto não seja um problema. porque não tenho património nem heranças. Porque não tenho nem nunca tive cunhas. Porque tudo o meu percurso académico e profissional parece não valer nada. Porque tenho quase 30 e zero estabilidade. Porque os meus sonhos (por mais inúteis, fúteis, valiosos, pequenos ou grandes que sejam)  estão enterrados antes de poderem desabrochar. Não porque tivessem hora marcada, mas porque há tempos e timings para determinadas coisas. E há momentos que não voltam. E isto não é vitimização, é sim constatação. Por isso não me lixem com o "pensa nas coisas boas que tens na vida e vais ver que as coisas mudam."
O que não se pode viver não muda.











segunda-feira, novembro 18, 2013

A primeira vez

Que fui a uma entrevista daquelas banha da cobra foi hoje. Para a próxima sigo o meu instinto e nem apareço. E poupo 15 euros em gasolina e portagens.

domingo, novembro 17, 2013

Descobri que adoro o Norte

1- A paisagem: A Peneda é um dos sítios mais bonitos deste Portugal. Para quem pensa (como eu) que só existia o Gerês, do outro lado da Montanha Amarela existe a montanha da Peneda, igualmente espantosa, com paisagens fantásticas, trilhos giros por explorar, e o santuário da Nossa Senhora da Peneda que é fantástico; vale mesmo a pena o tempo que demoramos por estradas e estradinhas para chegar lá.

2- O pitoresco.  Imperdível os encontros previstos e imprevistos, de carro ou a pé com as imponentes vacas mirandesas. Pacíficas, giras e fotogénicas, não arrendavam pé de onde estavam. Sejam carros, sejam humanos que passem ao lado =P

3- A comida. Adorei o restaurante Inácio em Braga. E o A Tulha em Ponte de Lima. E o restaurante do hotel onde estivemos hospedados. Boa comida, maravilhosa, de encher mesmo a barriga e muito em conta.

4- O hotel. Chama-se Peneda hotel, e é um hotel como eu gosto. Acolhedor, bonito e sem pretensiosismos bacocos. Simples e com um charme rústico que me encantou.

5- As cidades. Amo Braga. Amo Ponte de Lima. Eu seria feliz em qualquer uma delas.

6- As descobertas. Os restaurantes. A loja de brinquedos que me esqueci o nome. A loja de decoração (Margarida Clara). Uma pousada muito gira e fofa que conheci e onde quero ir um dia se possível (A mercearia da Vila). A loja de decoração. Redescobrir a minha livraria favorita (Centésima página). Os trilhos da Peneda.

5- E o mais importante. As pessoas. O pároco que surgiu como um excelente empregado de mesa no restaurante. A sua simpatia. O seu empenho. O comerciante de uma aldeia perdida nas encostas da Peneda que nos queria dar a Fifi (uma cadela com uma dona amorosa), por graça e ao desafio.


domingo, novembro 10, 2013

E também no aspecto emocional

Sou aquele tipo de pessoa que em situações de catástrofe e de crise se mantém serena, fria, concentrada. Não há pânico nem desorientação.
Mas depois, quando já está tudo descontraído, serenado e calmo, depois da tempestade passar, só quero fugir, encontrar um sítio sereno e calmo, onde possa tremer, descontrolar-me e chorar.

quinta-feira, novembro 07, 2013

Não sei bem o que isto é

"Desculpa. Estive demasiado ocupada a ser totalmente tua para me apaixonar por ti"

(podem mudar para um homem a falar. a ideia é que interessa. Só para fazer pensar.)

quarta-feira, novembro 06, 2013

8 - Fireside - Arctic Monkeys

Eu adoro artic Monkeys, mas nunca nenhum álbum deles caiu em mim como este. É completo, e parece dirigido totalmente a mim.

terça-feira, novembro 05, 2013

Aí Aí

Sou perita em apanhar o touro pelo cornos, perita.

Não faço ideia como, tendo esta qualidade, sou completamente anti touradas.

Do que são feitos os sonhos

Sim, talvez tenha a ver com isso. Com a minha definição de romantismo. De encontros. De amores. Dos perfeitos. Achei sempre que tinha a ver com partilhas. Com construções. Com desabafos. Com conversas apaixonantes. Sedutoras. Brincalhonas. Que há sempre uma grande história, um grande enredo, antes do culminar. Que fazem sentido. Que têm aquele "pequeno ponto no nariz". Que é no tempo que se faz o amor. No tempo da espera, dos espaços, das respirações, dos silêncios, da entrega. Da entrega recatada de um olhar, de uma pele quase demasiado perto, de um prolongar de qualquer coisa no ar, de um riso confidente.

Nos meus sonhos os grandes amores começam sempre a conversar....

E outra...

"Vou escrever-te uma carta - promete ele - Uma carta daquelas que nunca mais acabam como nos romances antigos."

(Haruki Murakami - After dark, os passageiros da noite)

Passagens

"-Não se pode dizer que seja um grande conversador. Nunca fui.
- Pois eu diria que te fartaste de conversar comigo.
-Não sei porquê, mas a verdade é que consigo falar contigo."

(After Dark, os passageiros da noite - Haruki Murakami)

domingo, novembro 03, 2013

Aparências

Infelizmente não, não estou muito romântica.
Estou frágil. E como não posso ou não consigo demonstrar como me sinto de outra maneira transponho tudo para a minha vertente mais emocional.

Porque quando estou frágil, independentemente do motivo, tudo se escapa, as comportas fechadas abrem-se, tudo parecem dúvidas, e muita coisa fica em causa. Especialmente caixas fechadas e colocadas no cimo de escadotes.


Ando com demasiado tempo livro para andar a limpar-lhes o pó, é isso.

Das melhores cenas de amor

Que li nos últimos tempos. Aquela que transcrevi em baixo.

Não interessa a realidade, apenas o que retiro dela

"...Na estrada um homem vem ao seu encontro. Aquele que ela esperava encontrar. Plena de alegria diz-lhe e repete-lhe que não saiu senão por causa dele. Tem razão, se quisermos. Quem não trás em si uma parcela de poeira, de pátria, de uma suave noite de Primavera? Esquece a razão que a levou a sair de casa, apenas as pernas se lembram disso. Vão caminhando os dois, caminham juntos, ele e ela, e quanto mais se afastam mais gente encontram. E como ela ama o companheiro de todo o seu coração, as pernas afligem-se seriamente. No entanto, vão-na levando sempre mais longe; têm dificuldades em acompanhar-se um ao outro. E eis que a estrada conduz a um certo espaço onde parece passar menos gente. Ali seria possível segredar qualquer coisa e lançar um olhar para a retaguarda. (...) E aconteça o que acontecer isso não pode ter nenhuma importância, pois um "eu sou tu" os une por todos os laços imagináveis neste mundo e burila, jovem, orgulhoso, e lasso, perfil sobre perfil, em medalhão."

(Salvo-Conduto, Boris Pasternak)

quinta-feira, outubro 31, 2013

O que eu sou, intensamente

"And if you go
I wanna go with you
And if you die
I wanna die with you

Take your hand
And walk away"
(System of a down)

São parcas.

É curioso, no mínimo, estares no teu caminho de sempre, nas tuas rotinas, e exactamente no dia, no momento em que te encontras solta, distraída, sem defesas, em comparação com os dias em que vestes a armadura, em que fantasias, em que te preparas para imprevistos, encontros e insólitos, é exactamente nesse momento que se dá o que não esperavas mas que esperaste sempre.

E nunca é como querias. E a tua reacção também não. E moves-te. Porque tens de seguir. Sem olhar para trás.

quarta-feira, outubro 30, 2013

Acredito que há sempre algo, alguma coisa que nos impacta num momento qualquer das nossas vidas e influencia tudo o que iremos ser.

Não falo aqui de traumas, nem de experiências mais negativas. Também as temos mas agora foco-me nas positivas.

Como por exemplo, aquele momento em que percebemos que aquela pessoa é o nosso mentor. Ou que ouvimos algo que nos vai mudar para sempre. Não sei concretamente o que é, mas pode ser qualquer coisa para qualquer pessoa. Um  cheiro, uma música, um toque, uma pessoa, etc.

Sei perfeitamente o que foi para mim.

Tinha 11 anos, caixa-de-oculos, borbulhenta, tímida, sentido-me diferente de toda a gente (como todos os adolescentes se devem sentir), reservada, já com o feitio que me é próprio, e "infeliz" como só se é infeliz na adolescência. A minha professora de inglês deu-nos a ver dois filmes fantásticos. Mas num deles, quando ouço a professora daquele turma dizer "Que não há vítimas nesta classe" e que "Há sempre uma escolha" vincaram-se em mim como ferro em brasa.  Era demasiado sensível e demasiado vulnerável para não deixar de absorver de modo extremamente literal estas palavras. Que me moldou. Que para o bom e para o mau fez de mim quem sou. E não tenham ilusões. Não ajuda. Não me faz mais adaptada a este mundo. Não me faz ter menos medo, mais certezas, mais sucesso, mais segurança. Ironicamente, provavelmente faz todo o contrário.

Mas porra. mesmo somando tudo e dando negativo, é o que sou. E é com isso que tenho que viver.




Os egos nesta blogsfera andam em altas. Cada vez fico mais cansada de gente demasiado opiniosa.

domingo, outubro 27, 2013

As melhores músicas.

Quando tenho preguiça de abrir as minhas listas de músicas, abro um dos meus blogs favoritos só para ouvir a playlist que tem no blog.

E é por isto que não perco os 7 kilos...

Achei os hamburguers do Honorato bons, mas pequenos...


sábado, outubro 26, 2013

Dos momentos felizes

Adoro casamentos. Adoro. Porque falam de amor, de boas energias, de afectos. Falam de amizade, de companheirismo, de intimidade.

Tenho estado presente em muitos casamentos de amigos especiais. E em que, com muita honra tive sempre um papel próximo. Seja a acompanhar  as provas dos vestidos (M. , I. C.), seja em ler na igreja, seja em fazer parte da festa com todo o espírito disponível e alegre. 

Apesar de adorar casamentos nunca pensei verdadeiramente nisso para mim. Sempre achei que não era "casável". Que não era uma coisa para mim. Apesar de todo o meu romantismo. Apesar de adorar a ideia de compromisso. Não tenho aquela ideia romântica do casamento como "o sonho de qualquer mulher". Não é o meu sonho. Não digo que não gostava, claro que sim, mas nunca pensei muito nisso como uma realidade possível.

Mas, neste momento em que passo a vida a ver vestidos de noiva (duas amigas que casam para o ano, e a minha melhor amiga que casou há duas semanas) vi este e fiquei arrebatada. Se fosse amanhã, era este.


sexta-feira, outubro 25, 2013

Por exemplo

Isto é lindo. Em português musical. Com muita passiva.
Deste lado do Atlântico, não se conseguiria fazer disto uma coisa bonita.



Sou apaixonada pela minha língua

Porque não conheço nenhuma com as tonalidades que a língua portuguesa capta. Porque me divirto quando escrevo, quando tento dar mudar o estilo, o tom, e não me sinto presa por condicionalidades várias.
Porque é uma língua fluída, mas ao mesmo tensa, cuja musicalidade se encontra muitas vezes esquecida nas sílabas precisas e duras.
Porque o português consegue transformar-se continuando sempre fiel a ele próprio. Por isso adoro o modo como no Brasil se escreve letras de música e o modo único como tiram toda a capa formal que o português costuma ter e o tornam mais próximo, mais quente, mais doce. E o português daqui, de ao pé de mim, tão forte, tão intenso, tão profundo, tão duro que queima, que doí...


quinta-feira, outubro 24, 2013

E falando de envelhecer... II

Já não me interessam apenas se os sapatos são giros e em conta.

Tem que ser giros e de qualidade. Confortáveis  A minha definição de confortável que não é sapato horrível e baixo, mas sim sapatos altos com estilo e confortáveis.

E isso, cada vez me apercebo mais. Só se consegue com calçado caro. Nada a fazer.  Por isso estou a ficar velha. Porque o "giros e super em conta" só me soa a reles.

p.s. Mas como não sou rica e sou estratega: consegui uns sapatos de 140 euros (todos em pele) por 31,50. E não foi em outlets de colecções de há 30 anos.

quarta-feira, outubro 23, 2013

Desemprego

Isto de saber controlar (defeito de profissão) os ataques de ansiedade deve ser óptimo para os ataques.
Para a ansiedade é uma merda de que não sai de maneira nenhuma, nem em pressão.

E eu sei que tenho que ter força, e que até me mostro bem, a rir, e a fazer coisas, desde ginásios, a cursos financiados, sair com os amigos, organizar actividades, voluntariado a triplicar e a responsabilidades várias, mas tudo isto não chega. Não tapa, não concerta, não completa. É como se tivesse muitos acessórios giros e andasse nua. Falta-me o simples vestido preto. Simples e de bom corte, mas intemporal.

terça-feira, outubro 22, 2013

Outubro

As noites de chuva fortes parecem sempre ligadas aos meu mais profundos momentos de nostalgia.

E o Outono para mim, é, por muitos motivos, melancolia, despedidas, felicidade e partilha.




segunda-feira, outubro 21, 2013

Sou pragmática, mas nada prática.

Hoje podia ser um dia muito importante para mim.

Podia mas não é

sábado, outubro 12, 2013

E com a Granta tudo parece melhor.

O texto "Mas já nada é sagrado?" do Salman Rushdie que saiu nesta segunda edição da Granta é das melhores coisas que já li sobre a literatura e sobre os escritores.

sexta-feira, outubro 11, 2013

Resiliência é o meu segundo nome

Depois de dois dias um bocado (muito) perdidos volto à luta.

Porque 48 de vitimização e comiseração são demasiado ridículos e eu sofro muito de vergonha alheia mas também sofro muito da própria além de ter um senso de ridículo muito maior do que o que devia,


quinta-feira, outubro 10, 2013

Desilusão

Dizem que há momentos em que é preciso sorte, ter uma estrelinha .

Decididamente eu nasci do lado errado deste prisma.

E neste momento estou desiludida, um bocadinho desesperada, não nego, e muito triste.

Espero não estar quebrada.

segunda-feira, outubro 07, 2013

E falando de envelhecer

Também noto quando entro na Massimo Dutti e já gosto de quase tudo e saio apressadamente da Stradivarius porque tudo me cheira a plástico.

Como para a Massimo Dutti ainda não há euros, vou-me ficando pela Mango que parece ter mais qualidade que lojas Inditex e não é tão cara como a Zara (que para a qualidade dos produtos os preços são uma piada....)

Classe

Estava ligeiramente preocupada porque desde ontem que mergulhei em Bob Dylan e ainda não saí.
Mas tendo que envelhecer mesmo, penso que ao menos, Bob Dylan tem classe.

E a realidade fosse isto..... =(

Exemplificando






É com se a minha fantasia fosse assim:





Agora a sério

Parcas, Ser Superior, Deus, Deusa, whatever, que raio de piada foleira é esta?

Pegam nas minhas fantasias pseudo-dramáticas, lamechas, mas de bom gosto, e transformam-nas numa realidade wanna be pirosa?

Isto não é material de qualidade para eu aproveitar. não não é.


(Sim o blog também serve para desabafos que só eu é que percebo, mas tenho que os escrever, para mais tarde me rir disto com gosto.)








Inspiração

Se bem que não seja do meu total agrado, e do que tinha pensado para mim, a tua presença, seja convidada ou não, irá aparecer por aqui.
Eu quereria, como num sonho, ou numa realidade, sei agora, artificial, que as páginas se escrevessem por si mesmo, com sentimentos castos e belos, com vidas ultrapassadas e não adiadas, com visões do futuro nas turvas rias do presente. 
Eu julgava, pobre inocente, que há sempre pontos com nó, que toda a gente colhe o que semeou, que há beleza na agonia dos amores desemparelhados.  
Não esperava, (como poderia?) que para se preencher uma página cheia, um coração teria que ser esvaziado.
....
Vezes e vezes sem fim. 

Ironia

O vazio tem a estranha particularidade de muitas vezes nos apanhar depois de dias cheios, emoções fartas e energias positivas.

O destino

E, apesar disso, seguir em frente.

A procura

É engraçado como aquilo que somos ou no que nos transformamos pode ser a nossa maior força e simultaneamente a nossa maior fragilidade.




sexta-feira, outubro 04, 2013

O sentido do amor

Dois dos meus actores favoritos fizeram um filme romântico juntos =D

Quero ver, quero ver, quero ver ^^


(Numa próxima vida eu posso ser igual a ela e estar com ele, posso, posso, posso????)

quarta-feira, outubro 02, 2013

Mesmo

""Existe algo de loucura num padrão de comportamento que coloca a ambição e o êxito acima da necessidade de amar e ser amado. Há algo de loucura numa pessoa que não está em contacto com a realidade do seu ser — o corpo e as suas sensações. E existe algo de loucura numa cultura que polui o ar, as águas e a terra em nome de um padrão de vida 'mais elevado'."

Alexander Lowen

(retirado do blog http://o-parlapie.blogspot.pt/)

É sempre preciso*


terça-feira, outubro 01, 2013

E já agora, continuo numa de cozinha

Fiz um bolo de noz e biscoitos de vinho do Porto.

Ficaram fantásticos.

E outra coisa...

Que raio deu para as pessoas para agora em pleno Portugal dizerem cardigan. É um casaquinho de malha! Se os vossos não são de malha, azarinhos, olhem para as etiquetas, comprem nacional, deixem de ser chulados por marcas que colocam casacos 80% poliester a preços obscenos e os chamam cardigans para vocês pensarem que assim é fino/fashion/cool/trendy.


p.s. Devo estar a ficar velha.

segunda-feira, setembro 30, 2013

Um pouco de tudo

1) Não quero falar da vergonha que para mim representa 50% de abstenção. E não há desculpas.

2) De certeza que a pessoa que inventou a frase "a realidade ultrapassa a ficção" tinha uma vida parecida com a minha.

3) Acredito que a força das energias positivas superam sempre as negativas por isso não tenho medo de falar.

sexta-feira, setembro 27, 2013

Sinto que agora sou invencível

Organizei finalmente a minha lista de links que estavam espalhados nos favoritos em pastas temáticas.
Era tão grande tão grande que o meu ex-chefe, um dia em que se apercebeu do tamanho dela disse "Bem, guardaste a internet toda no teu computador".

quinta-feira, setembro 26, 2013

Hoje é tudo sobre livros

Os tops de livros nacionais deixam-me um amargo na boca. Mas provavelmente é assim em todo o lado eu é que não sei.
Não me interpretem mal, eu tenho a visão que ler é óptimo, seja o que for, mas sinto que anda muita gente a perder a oportunidade de ler livros maravilhosos para ler entretenimento.


Reflexões dos outros

Não sei como vivi tantos anos sem ler a crónica do Pedro Mexia na revista Actual, mas espero ir a tempo de ser redimida.

quarta-feira, setembro 18, 2013

Às vezes também me dá para a crítica de blogs

As pessoas que acham que no seu tempo é que era e  que os adolescente agora são "coiso" e como seria o mundo sem isto ou aquilo são chatas, chatas, chatas.

terça-feira, setembro 17, 2013

Religião

Os românticos estão a morrer. Porque hoje em dia já não se dão saltos de fé.


sábado, setembro 14, 2013

Vim de férias num dos sítios mais bonitos deste país e...

li isto.

"Não acredites em quem te diz que a dor não existe. A única ajuda que te podem dar é dizerem-te que a dor existe sim, mas que daqui a bocado passa. E que depois voltará, e que de novo passará. O desejo de morrer ninguém to tira, o que tens é de aprender a viver nos intervalos da vontade de morrer. "

Da febre dos fenos. E só por isso já vale não estar de férias.

quinta-feira, setembro 05, 2013

Então e o Robert e a Francesca?...

 "há pessoas que estão uma vida inteira à procura disto. há quem não saiba sequer que isto existe..."

As pontes de madison county

sábado, agosto 31, 2013

Se calhar sou feminista e não sabia

Apesar de, enquanto psicóloga perceber perfeitamente os mecanismos sociais e cognitivos que levam as pessoas a quererem (consciente ou não) enquadrar-se em perfis, em estereótipos, juro que como ser humano e especialmente como mulher, isso não só me é completamente estranho como ser humano único, como me ofende como mulher pensante, inteligente e que tem a mania que pensa.

Este assunto advém de ter acabado de ver algures na internet um produto de manicure, que consiste em desenhos para as unhas divididas entre vários tipos de temáticas. E as temáticas seriam vários tipos de mulheres, a ver: a princesa (com laçinhos laçarotes e rosas), a rebelde (com tatoos e afins), a hipster (com ocúlos e a cena dos bigodes muito na moda), a professora (ar de senhora composta), a turista (viagens e afins), a rockeira (rock e rock), a sailor (estão mesmo a ver não é?), entre outras...

E juro que isto no mínimo me melindra um pouco.... porque eu como mulher sou tanta coisa que não se enfia assim em sacos tão pequenos e redutores, tendo tanto de uma como tanto de outra e tanto de mim própria que não há perfil, persona ou padrão onde me encaixe....

E claro que eu sei que isto é para vender, e são facilitadores de temática de produto, e têm conceitos inerentes e assim, mas no mínimo isto apenas serve para continua a validar padrões de comportamento tanto daqueles que interagem connosco, como reforça percepções cognitivas muitas vezes erradas sobre o nosso sexo. E isso é grave. Porque limita-nos, coage-nos, mesmo que muitas vezes não tenhamos noção disso.

quinta-feira, agosto 29, 2013

Do amor

Se há alguma coisa que sei que nunca vou ter inveja de ninguém é das emoções e sentimentos que já senti. Das relações que tive, dos amores e desamores, dos encontros e sobretudo dos amores desencontrados.

Tenho 28 anos, não fui nada precoce (sempre fui do "não sou capaz" e "quem sabe um dia quando eu quiser ou poder ou estiver preparada", e claro o "se calhar nunca ninguém me vai amar e fico solteira para sempre") e acredito que ainda me falte viver muita coisa, e estou expectante em relação a isso, mas não ansiosa, o que for será e o mundo adora dar voltar de 180º , especialmente nos momentos em que julgamos em que esta tudo em banho-maria, ou pior quando julgamos "assim é que está bom".

Por isso, em relação ao amor, sinto-me, preenchida e completa. Já vive sentimentos tão díspares, tão profundos e tão diferentes, por pessoas tão especiais, que porra, só posso estar muito agradecida às parvas das minhas parcas. Porque apesar de tudo, amei no mesmo, ou em maior grau do que o que sofri. E isso não tem palavras, nem medidas, nem falsos alcances.


Já vivi um primeiro amor. Daqueles de que os poetas falam, que os livros de romances romanceam demais e que são tão sobrevalorizados e subvalorizados. Não há nada como o primeiro amor. Verdade. Tão só e apenas porquê é o primeiro.

E depois há os outros. Onde dás muito de ti, onde já sabes, onde já aprendeste, e lutas, como já sabes lutar. E as armas não chegam, porque os outros também têm passados e medos. E acaba-se por ser preciso e não porque chegou ao fim como diria a cantora que me ensinou a gostar de música.

Vivi amores especiais. Quem nunca quis viver um amor envergonhado, um amor "proibido", um amor que tem que ser recalcado "porque sim". Aqueles amores que perduram, que ficam, que se misturam na história da gente. Um amor de sempre, para sempre. De almas gémeas. Um amor como só consigo comparar em termos de sintonia, de sinergias, de energias ao da Celine e do Jesse. Mas sem a parte fantástica dos bons alinhamentos cósmicos.

Vivo um amor completo. Porque o amo e ele me ama. E apesar de todas as diferenças estamos ali um para o outro. Porque já vivemos doçuras e também já provamos o amargo e por isso sabemos o que vale a pena e o que dar valor. Amamos porque rimos, porque somos tão novos ainda e ao mesmo tempo suficiente maduros para tentar não cometer erros antigos.

Os meus amores não são, não foram, não serão melhores ou piores do que os de ninguém, mas não trocava as suas voltas e reviravoltas por nada.

Até à próxima volta de 180º.


Onde eu cheguei...

Vomitar num festival estando completamente sóbria

quinta-feira, agosto 15, 2013

Uma semana na aldeia VI

Queira ou não queira a nostalgia cola-se a mim, exactamente como o calor, quando chego aqui.

É aprender a conviver com isso. Com o calor, digo.

Uma semana na aldeia V

No meio de mousse de chocolate, muitos copos de ginginha e Beirão há quem se surpreenda com a minha idade. "Uhhh, tens 28???? Dava-te no máximo uns 24".

Vou decidir que isto é bom e que ando com boa cara e não que ando a regredir.

Uma semana na aldeia IV

O tempo passa devagar e também depressa. E o calor cola-se a nos fazendo parte daquilo que nos tornamos por aqui.

Uma semana na aldeia III

Corro, corro, ando de bicicleta, mas não emagreço bah

Uma semana na aldeia II

Este cantinho mesmo no meio de Portugal tem das paisagens mais bonitas do mundo. Adoro o meu Tejo.

Uma semana na aldeia

As festinhas continuam iguais e igualmente mágicas

quinta-feira, agosto 08, 2013

o tempo?

Passa devagar devagarinho.

E encontrar forças para procurar?

E para encontrar novos planos, novas estratégias?

Ir fazendo coisas. Ler muito.

Também comecei a correr de manhã. Só porque sim. Depois para equilibrar comi uma napolitana de chocolate e um Carbury de avelãs dos grandes.

Ando a preocupar-me tanto com o que como que provavelmente é por isso que não emagreço. E a ansiedade deve entupir de certeza. Aumenta as células gordas.

Ou então o ginásio e a corrida não chegam para o tempo que estou parada, a inventar coisas para o tempo passar.


Definição?

Custa-me escrever desempregada em impressos. Em selecionar essa opção quando me inscrevo num qualquer site de marcas de produtos de beleza ou outros.

É um rótulo que odeio e que se cola à pele, como se eu fosse incapaz ou burra, ou inadaptada.

Quando eu sou tanta coisa....


sexta-feira, agosto 02, 2013

Sempre fui

Uma pessoa de copos cheios ou de copos vazios. Tenho pouco espírito para o assim assim ou o deixar andar.

O meu copo vai enchendo enchendo até que não dá mais e pronto. Vai tudo. E pode doer. Pode doer muito. Mas a tomada de decisão é inevitável, e sem passos trás. Posso olhar o passado que tenho nas costas, mas nunca volto para lá.


terça-feira, julho 30, 2013

Cozinheira

Estou a tornar-me uma expert a cozinhar. Sai-me sempre tudo bem.

A ver:

Tarte de peixe do livro Cozinha sem limites do Gordon Ramsay: check =)

Tiramisu versão mais portuguesa de uma revista de receitas: check e aprovadissimo =)

Socorro

Está a existir uma proporcionalidade crescente entre o aumento do ginásio e os números que me aparecem na balança.

Curiosamente também proporcionais à minha ansiedade e à minha capacidade para comer porcaria.

Sem desculpas.


terça-feira, julho 23, 2013

Assim como assim, devem ser as mesmas

O pior não são aquelas pessoas que não conseguem ser felizes, são aquelas pessoas que ficam infelizes com a felicidade dos outros.


...

23 de Julho.
Primeiro dia oficial em que estou desempregada.
Medo, Festinhas, pronto já passa...

sexta-feira, julho 19, 2013

Eu nunca disse que pensava bem nas coisas

Tomei a decisão muito sensata de tendo em conta que fui dar sangue de manhã de não ir fazer uma aula de Insanity nem experimentar aulas novas. Portanto hoje o ginásio ardeu.

Ao fim do dia tomei a decisão muito pouco sensata de ir carregar com minis e com sacos com compras para o jantar que vou dar amanhã.

Não mostres, guarda para ti


quinta-feira, julho 18, 2013

E curiosamente era esta a música...


quarta-feira, julho 17, 2013

Quero uma casa

Decorada à minha maneira.
Onde possa cozinhar muito, muito. Onde possa receber amigos, os distantes, os próximos, os familiares, os de sempre e os novos.
Onde me divirta, onde me passe com a desarrumação e onde possa arrumar do meu jeito. Onde haja recantos para ler, luz do sol a entrar, surpresas e locais onde amar. E onde fazer amor também. 
Uma casa com estantes infinitas de livros, com muito branco e muita cor, com pormenores meus e dos que amo. Com comida. Feita por mim, pelos outros, também comprada, mas boa. Cheias de calorias boas. Uma casa de chás, de frascos, de latinhas, de revistas bonitas e de imagens com que me identifico.
Uma casa com almofadas, com puffs, com chaises longes (ou lá como se chamam) para ser acima de tudo confortável para quem entra. 
Uma casa com cães. Talvez também uma casa com gatos. 

Quero uma casa. Pequena. Com janelas grandes e com recantos. A minha casa.

Eu curto muito este mundo

Onde ao mesmo tempo em que redescobres músicas e blogs, e redescobres a preciosidade que são as verdadeiras amizades (love you A.) redescobres que as tuas Parcas estão vivinhas e de saudinha e já não basta o stress (não) profissional em que estás, que embora lá juntar uns pozinhos de especiarias e redescobrir os sentidos que tinham sido desligados à força.

Adoro-vos


Adoro ver as minhas amigas A. e L. que vejo tão pouco por se encontrarem cada uma numa ilha longe de mim. Adoro-vos mil vezes daqui à lua e voltar. Sempre. Mesmo que não o diga.

Vocês estão "aqui" sempre.*

quarta-feira, julho 10, 2013

Ginâsio III

Bem, já que ganhei peso a ideia agora é fazer pelo menos duas horas de aula por dia (dantes só fazia uma).

E ainda vou experimentar três ou quatro aulas que me faltam


Ginásio II

Não percebo bem as senhoras que vão com leggins pretas fininhas quase transparentes para o ginásio.

Acabo por lhes ver tudo o que não é suposto a meio das aulas.

Ginásio

+ IDAS
- MASSA GORDA
+ PESO (muito mais)
+ BARRIGA
+ VOLUME


Que raio estou eu a fazer mal? (Sim, comer, eu sei)

sexta-feira, julho 05, 2013

Karma V

Fazer piadas quando só nos apetece chorar é absolutamente catártico juro.

Mas não nos impede de chorar.

Karma IV

Bestial, para além de ser um erro de casting também sou um tropeção parvo.

Hei Parcas, passam bem?

Karma III

É que o tropeção parvo tem sentimentos e esperanças e crenças.

Karma II

Não, foda-se, não é nada poético nem bonito ser o tropeção parvo.

Karma

É um bocado lixado perceberes que não foste nada mais que um tropeção parvo na vida de alguém para essa pessoa perceber o valor que dá as coisas/pessoas que tem na vida e ser feliz.


Eu sou eu e pronto

As pessoas com as tatuagens não são mais nem menos fixes/cool/chatas/fantásticas/diferentes/iguais do que as outras.

quinta-feira, julho 04, 2013

Isto deve ter a ver com qaulquer tipo de equilíbrio.

Ganhei um livro e entradas para a feira do Artesanato.

O Universo já sabe que estou/ ando a ficar pobre e trata de arranjar maneiras para os meus interesses fundamentais estarem resguardados.

És um fixe Universo. E atenta que um dos meus interesses fundamentais é ter emprego ok??? E sim, estou a fazer por isso.

Carneiradaa

Já me irrita a porcaria da mini saia branca da zara. E o pior é que nem fica assim tão bem. (Nem às magras).

quarta-feira, julho 03, 2013

Algo verdadeiramente importante

Breaking bad em Agosto yupiiiiii

terça-feira, junho 25, 2013

Copo meio cheio

- Dois bolos feitos hoje (um completamente inventado e que ficou óptimo)
- Uns sapatos nude altos girissimos e clássicos por apenas 15 euros e que com sorte e pelo que parece confortáveis  (Parfois Outlet)
- Voltei a ser um balde de suor no ginásio?
- Viciada na sério Hannibal.; é demasiado bom, como estive até agora sem vê-los? Vou ver agora o 12º e o 13º episódio

segunda-feira, junho 24, 2013

O homem faz planos e Deus ri IV

O maior privilégio dos homens é usarem apenas cabeça e quiçá, claro, o coração. 
Nós usamos a alma toda. 

O homem faz planos e Deus ri III

"O privilégio que reclamo para o meu sexo... não é muito invejável, não precisais de o cobiçar... é o de amar mais tempo, quando a existência ou a esperança já desapareceram." (Persuasão, Jane Austen)

O homem faz planos e Deus ri II

O meu maior medo é ter sido menos que uma brisa leve quando tu para mim foste no mínimo um ciclone e no máximo como começo a ver um furacão.

O homem faz planos e Deus ri

És como o vinho do Porto não és?

Quem não tem cão caça com gato

Ou andar a saltitar por worshops das mais diversar temáticas fará de mim uma pessoa pelo menos com mais temas de conversa:

- Workshop sobre linguagem corporal - microexpressões: convite expresso na sexta e prontamente aceite.
- Workshop de styling e roupa (algo deste género, vou lá ver as vistas) - é já no próximo sábado.

terça-feira, junho 18, 2013

Despedida de solteira de uma amiga

- Andei a procura de sex shops na zona de Lisboa. Os bons fecharam. Os porreiros estão de férias. Abertos os caros e fracotes.

 Solução: Comprei em mão, toys eróticos de uma loja on-line cuja sede é na minha zona de residência =)

- Andei de limosine (toda a gente devia fazer uma coisa bimba pelo menos uma vez por ano)


- Bebi os melhores cocktails (restaurante Harlem), fiz corações em origamis e ri muito.

- Acabei a noite a falar horas e horas com uma das minhas amigas de coração.









quarta-feira, junho 12, 2013

Preciso mesmo de emagrecer...

...Então porque raio vou fazer brownies à uma da manhã????

Sou um caso perdido -_- (e gordo)

terça-feira, junho 11, 2013

Mas, retifico, reafirmo e sublinho

Há vida para além dos alinhamentos cósmicos.

E isso é muito bom.

Das personagens da minha vida.



Falo das personagens e não dos filmes, porque as personagens marcaram-me. Adoro os filmes, todos, sendo o segundo o meu favorito por diversos motivos, mas as personagens são realmente o que me faz emocionar. Pela essência, pelo toque real, pelas conversas tão genuínas, tão próprias, tão próximas de conversas que todas as pessoas que tiveram a sorte de se cruzar com aquela pessoa (acredito profundamente que há apenas uma pessoa com que temos isto) têm.


Adoro as personagens. Porque mantém a minha crença que se esgota, no alinhamento cósmico, e nos destinos traçados. Porque acontece e pronto.

segunda-feira, junho 10, 2013

Há 730 dias...

...Eu, cínica, não de coração, mas de aprendizagem, voltei a acreditar em conspirações cósmicas, em destinos traçados, em almas que se separaram e que se encontraram por fim.

 ...Recebi sinais que respondiam aos meus tremores, aos meus desejos, angústias e interrogações... mas que nunca as solucionaram, abafaram ou completaram.

... Começou algo que nunca começou verdadeiramente e talvez por isso nunca teve um fim.

... Acreditei em magia. No momento, acredito em outras coisas boas, mas já não na magia.

...Nunca pensei que o meu coração saltaria hoje, pela lembrança, por uma brisa, por um sentimento fugidio expresso numa noite estrelada.




E mudando de disco que até a mim me chateia

Há coisa melhor que sushi caseiro? =)

sábado, junho 08, 2013

Medicamentos

Ir à feira do livro; comprar livros =)
Rir, ajudar a preparar eventos, beber caipirinhas e fazer exercício.


quinta-feira, junho 06, 2013

O meu problema

É que tenho momentos em que começo a pensar que sou a pessoa com menos sorte do mundo, e que a minha vida nunca vai andar para a frente.

Quero fazer coisas sem ter sempre a corda na garganta.
Quero ter o meu espaço, a minha casa, um dia quero muito ter filhos, até queria que fosse antes dos 30 mas já vi que vai ser impossível e esta estagnação mata-me.


Pronto é por isto. E irrita-me a injustiça. E não ter padrinhos, nem cunhas nem heranças, nem rendimentos, nem a puta de um trabalhinho fixo com ordenado certo ao fim do mês e contrato sem termo (porque esses para despedir é mais complicado. Também me irrita ser honesta até ao tutano e não entrar em biscates, ou em ceninhas só para conseguir uns trocos.

Eu tenho problemas, juro que tenho. Onde é que eu coloco todos os meus valores borda fora?

quarta-feira, junho 05, 2013

Então que se passa por aqui?

- Actualização do currículo feita
- Zero funções para as quais posso concorrer nos sites de emprego
- Fiz bolachinhas de sésamo e ficaram maravilhosas
- Também me safo a fazer risoto de courgette com gambas
- Não tenho lido grande coisa; passo a manhã na cama a deprimir/dormir(molengar)
- Desde segunda que sou novamente um balde de suor no ginásio; a conseguir ir todos os dias sem excepção e nem estou muito partida; isto quer é andamento
- Cafés com amigos, preciso de espairecer;
- Quarta temporada de mentalista a ser vista a todo o vapor
- Snaks de beterraba são bons;
- Tenho um jeito para fazer sopa de legumes que não vós passa;



domingo, junho 02, 2013

Como levantar o astral em apenas um fim de semana

- Mojitos num dos melhores miradouros de Lisboa
- Jantar pela primeira vez num chinês clandestino
- Conhecer novas pessoas
-Rever velhos amigos
-Beber e comer numa das melhores tascas (das verdadeiras) de Lisboa
- Almoçar num dos melhores restaurantes de Setúbal
- Fim de tarde na relva no parque das nações
- Sorrir e amar, sempre.

sexta-feira, maio 31, 2013

Força fajuta

É mais fácil aguentares se não se mostram queridos para ti.

1 dia

E emails de despedida? Onde é que eu tenho estômago e cabeça para emails de despedida?

Mas entre isso e despedir-me pessoalmente das pessoas, que é coisa que o meu coração não aguenta , e saír sem dizer nada, que é coisa que o meu coração também não aguenta, lá vai ser essa a opção.

quinta-feira, maio 30, 2013

Ao menos somos exemplo para alguma coisa

L. - Foste a pé a Fátima????...
E. - fui
       serviu-me de muito ah ah ah
L. - (LOL, desculpa, mas foi o q pensei, se eu já sou descrente, ainda fiquei mais! vais passar a ser o meu exemplo do why "if god exists, he's a son of a bitch")

E voltando à vaca fria..

Estou com medo de me estupidificar.....

http://sic.sapo.pt/Programas/Queridajulia/2013/05/29/como-fazer-a-depilacao-as-criancas


E para mudar de assunto que já chega de auto-comiseração

Hoje disse o teu "Pira-te" sem pensar e senti tantas saudades de ti.

1 dia e meio

O que é que as pessoas que fingem que trabalham arranjam para fazer?

Numa hora li o meu reader todo, não sei que raio vou fazer na net, a não ser ver roupa ou assim o que me vai deprimir porque não vou poder compra-la.

A sério, o que fazem as pessoas que fingem que trabalham?

Copo meio cheio

Nesta semana tive sempre companhia para almoçar fora do trabalho.

E nem precisei de gritar aos quatro ventos. Se gritasse teria o dobro (triplo).

Friends... =)

Sou abençoada. Sempre.

quarta-feira, maio 29, 2013

Mas vá lá eu sou dada à catastrófe

- Vou sentir-me uma inútil
- Vou comer mais porcaria
- Já disse que me vou sentir inútil?
- Fico ansiosa e depressiva a pensar que não arranjo trabalho
- Sem work, no money para as coisas que gosto de fazer
- Inútil, sinto-me inútil.
- Desde quando é que eu consigo estar assim sem deprimir?
- E por fim, sinto-me inútil... e assustada.

Copo meio cheio

Portanto vamos tentar ser positivos..

-Tempo para ler tudo o que quero ler
- Tempo para ver as minhas séries (tipo Hannibal)
- Tempo para me encontrar
- Tempo para cozinhar coisas boas
- Tempo para ir ao ginásio todos os dias..
-...logo tempo para perder estes 6 kilos a mais
- tempo para dar aos que gosto

Já caí

Estou neste momento esborrachada no meio do chão.

Tenham calma, não me venham apanhar.

Esperem que endureça.


2 dias e meio

Juro que isto é um dos 7 infernos.


Às vezes engana-se

Costumo dizer que que cada pessoa tem o seu diâmetro de tarte de merda. Ou seja cada pessoa só aguenta o que consegue aguentar e só suporta as situações que consegue suportar.


Eu tenho um diâmetro de tarte de merda muito pequenino, mesmo. por isso já parava de chegar merdas que não consigo aguentar ok?

terça-feira, maio 28, 2013

3 dias e uma hora e meia

Vai ser uma longa semana.

segunda-feira, maio 27, 2013

Ainda estou a cair

Não queiram já que me levante.

Estado de espírito

Feita em merda é uma boa definição do meu estado atual.

Handmade

Estou a ficar um bocadinho cansada de tanta coisa feita em casa que passa a negócio.

Eu percebo que as pessoas tentem ganhar uns trocos, mas as pessoas abusam:

- Vendem roupa que se compra no ebay ou no aliexpress, roupa chinesa de má qualidade, que vendem como "exclusivas" ou "inovadoras"  ou como de marca delas, ao triplo do preço do que se vê nesses sítios; e atenção eu já comprei nesses sites mas sabia ao que ia e comprava a preços honestos;

- Idem para bijuterias que dizem ser "artesanato"

- Artesanato de todos os géneros, desde malas, joiais, abetes; há coisas giras mas já cansa tanta coisa e tudo a tentar er original;

- Todas ou quase com o conceito de "isto começou com uma festa de amigos e adoraram" ou "ofereci a amigos e pediraram-me para fazer mais " - maioria das vezes treta. É negócio, logo isto é marketing para parecer mais emocional e tal e coisa.

- Começa com bolos (as tartes de lima, as tartes de amendoa, os bolos com nomes de pessoas, etc) foi para Bolachas, bolachinhas, agora os brigadeiros etc - confesso, já pensei no mesmo, porque adoro cozinha e porque realmente já me elogiaram as sobremesas, mas já vejo tanta coisa À venda na net, com preços tão absurdos só porque estão envoltas em decoração bonita que desisti da ideia (o contéudo tem cada vez menos valor).; e já agora quem é compra brigadeiros por correio? Aquilo não vem amolgado? E as bolachas partidas?

- Tudo a gritar que é arte, e artesanato, e feito, e do mais fiel À receita da avózinha, ou do piriquito, ou pastelaria exclusiva francesa... sei lá.


Enfim, é pena, porque há coisas giras mas começo a ter dificuldade em separar o trigo do joio.




Um dia escrevo um livro ( ou não) II

Parem de confundir orgulho com dignidade e honra. A sério parem. 

O orgulho não é preciso para nada. A dignidade sim. Mas a dignidade só perdemos se deixarmos. 

Mas parem de confundir. A sério. 

Um dia escrevo um livro (ou não)

O amor tem muito pouco de orgulho. O amor obriga a colocar o orgulho de lado. No mínimo. No máximo faz desvanece-lo.
Para mim é mais "Orgulho? Onde?" e mais importante "Para que raio serve?"

Alentejo

Foi o melhor fim de semana que tive em muitos meses.
O Alentejo é fantástico e conhecer Vila Nova de Mil Fontes, Zambujeira do Mar e Almograve foi  uma experiência fantástica.

A quem puder aconselho vivamente ficarem na Quinta do Chocalhinho : donos simpáticos, quartos super cómodos e pequenos almoços dos bons (bolos caseiros, compotas idem...) e uma vista linda com animais incluídos =) . Eu fui aproveitar a promoção 2 noites pelo preço de uma (do livro do Expresso Boa Cama Boa mesa) por isso ficou a um preço simpático, mas pelo que tivemos não é nada cara o preço normal.

Eu habituava-me a essa vida =)

sexta-feira, maio 24, 2013

Primeiro livro da feira do livro 2013



=)

quinta-feira, maio 23, 2013

Nunca tinha pensado isto deste ângulo..

O que os homens usam para nos seduzir nós usamos para nos apaixonar por eles.

É esse o problema.

(tirado quase copy paste do blog da Isa)

Há claramente

O momento em que sentes, com alívio sincero, que está a partir, a deixar de doer, que te entregas a outro com mais paixão, mais entrega, mais possibilidades, e ao mesmo tempo, com esse alívio, sentes uma urgência em deixar estar, só por mais um bocadinho, por mais um segundo esse sentimento tão precioso do qual já tens tanta saudade.

quarta-feira, maio 22, 2013

A minha terceira favorita

Gosto de ti. Estiveste sempre presente em momentos marcantes.
Serias de certeza o meu amigo dos copos se nos conhecessemos.
As tuas músicas falam comigo como nenhumas outras.
Até versos de uma música tua (a minha segunda favorita) coloquei na minha tese.
E tu estás lá, nas dedicatórias (a melhor parte da minha tese, juro).

E agora finalmente vou ter-te na minha pele.
Dois versos teus...
Dois versos que demoraram a vencer a barreira do tempo e a tornaram-se maiores que a sua genése em mim.
Mas fnalmente. Aceitei essa parte do passado e descobri-te, a ti, aos teus versos, com uma dimensão maior.
Com aquele pedaçinho grande, vital, essencial de passado lá, mas com todo um lado novo, refrescante e construtivo.
Para nunca esquecer. Para seguir em frente. Para ter sempre esperança, amor e alegria.

Deixo-te por agora. Com a minha primeira favorita. Cujos versos amo, venero, e cantam uma historia tão forte e poderosa que nunca poderia tê-la em mim mais do que o que já está.







Tablets

Olha parece que vou ter um tablet a curto médio prazo.

Aquela coisa que não é um bem essencial, nem uma necessidade na sua realidade, mas as circunstâncias ditam a sua aquisição (i.e.  ler e-readers, trabalho que precisa de ser feito em qualquer momento, e acesso  a net virtualmente em qualquer lugar).

E cria-me uma ansiedade enorme ver as opções, pareço um burro a olhar para um palácio. Não quero pagar demais mas também não quero ter pior só para pagar menos. Aíiiiii

terça-feira, maio 21, 2013

Eu não gosto de dissonâncias cognitivas

Olha foi a prenda de mim para mim de anos que não me tinha dado nada =)

Mas...

Que eu precisava de uns eurozitos para comprar alguma roupa precisava =/

Granta Portugal


Depois de muito me angustiar "aí, que ainda é um valor grande e eu este ano ainda nem uma peça de roupa comprei para mim e bem que preciso" lá assinei a Granta por dois anos.

E estou feliz.


O caminho do Peregrino - Fátima

As meias anti bolha da Decathlon cosidas a laser, caras como tudo, e com imensas características boas para quem vai andar muito são a coisa mais fantástica que descobri nos últimos tempos.

segunda-feira, maio 20, 2013

O caminho do peregrino - Fátima VIII

Decidi que vou mesmo fazer a tatuagem que queria fazer.

O caminho do Peregrino - Fátima VII

Gosto muito da minha.

O caminho do Peregrino - Fátima VI

No caminho descobres a essência do que és.

O caminho do Peregrino - Fátima V

O passado faz parte de ti. Lida com ele. É teu =)

O caminho do Peregrino - Fátima IV

Ainda há pessoas de coração bom e generoso. Obrigada *

O caminho do Peregrino - Fátima III

Há tanto mundo por este Portugal fora

O caminho do Peregrino - Fátima II

Ajudou-me a aprender a lidar com o desespero que chega nos momentos de angústia, dor e sofrimento.

O caminho do peregrino - Fátima

Para começar...

- Os 7 kilos às costas no primeiro dia (54 kms) foi muito má ideia.

quinta-feira, maio 16, 2013

Benfica

o meu coração é sempre vermelho.

É a isso que se chama fidelidade. No melhor e no pior.


quarta-feira, maio 15, 2013

Dia de anteontem

Recebi quatro livros de receitas.

Acho que isto é um sinal.

terça-feira, maio 14, 2013

Histórias de amor

São todas como no cinema na nossa cabeça, nos nossos ses, nos nossos sinais.

Tenho a convicção absoluta que essas histórias que nunca foram e que ficam só nas nossas cabeças nunca seriam sequer uma sombra do que imaginámos.




De ontem.

Ser uma pessoa melhor.

Bem vindos, 28.

Coisas que gostava

De ser uma pessoa que faz listas para a feira do livro.

Mas não.

sexta-feira, maio 10, 2013

Os amigos de sempre

Os amigos de sempre não precisam de ser amigos de anos e anos. Mas normalmente são.
Os amigos de sempre não te acusam, não te culpam, não te repreendem por não falarem há dias, semanas, meses.
Os amigos de sempre riem-se de ti e deles, das piadas, e as conversas fluem.
Os amigos de sempre são generosos, disponíveis, brincalhões.
Os amigos de sempre não precisam de provas, promessas, fidelidades ou compromissos. Sabem que isso está tudo lá.
Os amigos de sempre por mais que mudem, não mudam.
Os amigos de sempre vêm-se na cumplicidade.


quinta-feira, maio 09, 2013

Actualização do post anterior

Afinal já sei porque ainda não comprei roupa este ano.

Os kilos a mais entristecem-me e fico mal na roupa que sempre fiquei bem. bah

Hoje

Estou meio preguiçosa e mole e estou naqueles dias em que me apetece comprars coisas.

Apesar de ter que pagar irs, e ter algumas despesas este mês, acho que mereço mimos.
Ainda não comprei roupa / sapatos nenhuns para mim este ano (o que não é nada comum) e hoje pronto, já comprei dois pares de sapatos (pelo clubefashion, por isso ficaram baratinhos) e ainda quero ir ver de um vestido. Faço anos para a semana mereço. =)

terça-feira, maio 07, 2013

Eu?

Acredito no amor que se constrói, obrigada.

domingo, maio 05, 2013

E falando de outras coisas...

É mesmo verdade.

"O tempo transforma tudo em tempo."

É  um misto de alivio e de perda, de alegria e de tristeza, de sensação que cresci, mas que ao mesmo tempo continuo tão criança que nem vós conto.

Não tem preço

Poder ajudar uma amiga a realizar um grande sonho.

=)

quinta-feira, maio 02, 2013

Desejos

Estive em Sintra no fim de semana e para além de ter visitado o castelo dos Mouros e o Palácio de Monserrate, e ter adorado cada momento especialmente nos jardins de Monserrate, fiquei com o deseje premente de ter uma tia rica, perdida algures, mas com um daqueles palacetes/casas/casinhas giros em Sintra e que do alto da sua sabedoria se lembrasse de me deixar herdeira dessa bela casinha.

Não tendo essa tia na minha árvore geneológica, e se houver por aí uma senhora simpática que viva em Sintra e que não tenha a quem deixar o seu património (pode ser uma casinha pequena, juro que não sou esquisita, e nem quero dinheiro, dê para solidariedade) e me queira deixar a sua moradia, juro que cuidarei dela com muito carinho. =D

VER O COPO MEIO CHEIO

Consigo sempre, sempre perceber o que tem realmente valor.

Isso não tem preço. E não importa (ah ah ah)as angústias interiores que tenha que passar por isso.

quarta-feira, maio 01, 2013

Defeitos

O meu grande grande problema é não ter muita capacidade para condensar e separar águas. Para canalizar frustrações. Para perceber realmente o que tenho de valor. E por viver sempre com a certeza das minhas verdades, mas também sabendo que as verdades dos outros não são menos certas. Se calhar é por isso que não grito tanto, que não mostro tanta convicção em determinadas merdas.  Especialmente quando não sei se são certas. E é nessas exactamente que me pedem que seja convicta. E é por aí que sou derrotada.


sexta-feira, abril 26, 2013

O mais belo costuma ser triste

Ou vice versa.

Sorrir porque quem amas, amaste, amarias, (estúpidas conjunções de verbos, onde não encontras espaço onde te inserir) é feliz.

Sem ti.

terça-feira, abril 23, 2013

OLX II

As três pessoas a quem mandei mensagem pelo OLX lêm o meu blog, só pode. Recebi três respostas, portanto 6 livros a caminho, yupiii =)


Amor

Percebo, como sempre percebi que as pessoas têm, por norma, reservas e problemas com a diversidade do amor. Com os vários tipos, tonalidades, nuances, fraquezas, forças.
Os amores podem ser todos diferentes e especiais. Não tem a ver com intensidades, mais verdadeiros ou menos. Mas nem toda a paixão é amor. nem todo o gostar é amor. E isso não está, muitas vezes, relacionado com concretizações. Pode estar como pode não estar. E não podemos substimar o papel do tempo. O tempo desloca as verdades até passarem a ser apenas constatações. E isto umas vezes é duro. De outras vezes é só alívio. E de outras vezes não é nada. E há os sentimentos que passam a barreira do tempo. E são esses. Amores diferentes. Amores que ficam.
Acredito sim em amor para sempre. Não precise de estar sempre vivo. Não precisa de ser correspondido. Não precisa de ser alimentado. E convive com outros amores. Não digo sem alteração, mas vive sem problema. É preciso é entender quem somos e o que sentimos. Renegar fantasmas e culpas. A culpa é tão estúpida. Nunca somos culpados do que sentimos. Sentimos e pronto. Como agimos sim é diferente. É preciso agir em consonância. Não só com o que sentimos mas também com os outros, com o contexto, com a vida. E com quem amamos no agora.

OLX

Acho que as pessoas que colocam anúncios no OLX não devem querer realmente vender. No último mês fiquei interessada (para comprar efectivamente) em cerca de 4 livros e não tive uma única resposta.

Hoje mandei mais dois barros à parede. Será?

sexta-feira, abril 19, 2013

A mais linda frase sobre o amor que já li.

"O amor mais rico é o que se entrega ao arbítrio do tempo."

(Clea, Lawrence Durrell)

Fraqueza

Juro que às vezes não sei onde vou buscar tanta força para ser tão fraca.

segunda-feira, abril 15, 2013

Mood... com o Jeff




"We all fall in love sometimes
Did we, didn't we, should we couldn't we..."

sexta-feira, abril 12, 2013

Coisas bonitas (ou também tenho vipes femininos e com orgulho)


Há uns tempos que não me apaixono assim perdidamente por roupa. E é raro comprar roupa a não ser que me apaixonei. Sendo assim, posso dizer que este ano apenas comprei uma t-shirt e nos saldos, não foi barata mas em relação ao preço que era foi um bom desconto (era 62, custou me 27).

E agora vi estas botas. Lindas. Neon boots, espanholas, todas em pele, e que de certeza que vão ser tendência (não ligo a tendências mas já vi uma pessoa de indiscutível bom gosto com umas em laranja).
Mas infelizmente ao meu bom gosto não se junta os euros necessários. E nunca dei 169 euros por calçado nenhum =/

Fardas e homens

Sou a pessoa mais desinteressante do mundo quando visto uma farda (que ainda por cima é feia).

Juntar a isso o cabelo mal apanhado, a falta de maquilhagem, a carinha nada simétrica e os kilos a mais que se entranharam em mim e não saiem, acreditem que pareço tudo menos uma gaja gira e apelativa ao sexo oposto.

Gostava então de tentar perceber porque os  senhores com quem me cruzo nas minhas dembulações de pré urgência hospitalares (normalmente pessoal também nestas andanças, desde agentes da ordem, a socorristas até enfermeiros), em horários pouco apropriados em que já bufo pelo número de horas que não vou dormir "mas porque raio me meti nisto, eu nem gosto de pessoas", sente que, trocando dois dedos de conversa, pensam que há logo espaço para amizades no facebook.

Não tenho nenhum problema em aceitar amizade até porque as pessoas são simpáticas e eu sou pelo convívio entre pessoas que coexistem e vivem determinados contextos, que podem ser complicados e acredito na entre ajuda e camaradagem entre profissionais e voluntários desta área (aka pré urgência hospitalar) mas fico sempre a pensar que ou sou mázinha e desconfiada e é tudo numa boa ou há segundas intenções.

Não sei. Mas já fui muito tranquila e depois passo por ingénua ou por sonsa e não gosto, especialmente quando em relação a este assunto sou a pessoa mais transparente do mundo.

segunda-feira, abril 08, 2013

Já não vou para nova...

1- Uma semana de caos profissional em que trabalhei bem mais de 18 horas por dia  (sem receber mais um céntimo) e em que fiz pelo menos uma directa dá uma ideia de como está o mundo profissional de hoje e dos beneficios, regalias (nem uma palmadinha nas costas) se recebe. E cito, porque acho interessante e pode aplicar-se sempre "Isto não é um clube de amigos."

2- Ora tão queimadinha da semana que eu estava e tive daqueles sonhos manhosos, que parecem reais e que te metem pessoas, discursos e contéudos que te fazem tremer, pesar o coração e pensar "mas que raio ando eu a fazer/pensar/ imaginar?"

3- Há muito tempo que não apanhava sequer uma semi bebedeira. Soube pela vida.

terça-feira, abril 02, 2013

Entre o primeiro e o segundo...

As pessoas em geral têm uma falta de identidade tão grande que parece que precisam de apregoar todo o tipo de coisas, defendendo as suas damas como se alguém estivesse a atacar.

Ou então estou enganada e a minha falta de necessidade de o fazer remete-me a mim para um falta de identidade inegável.





quarta-feira, março 27, 2013

Amor de Adultos


"Tu aprender a saber quando sentes uma coisa realmente forte ou não"

(Não é?) É. 

p.s. Um abraço do tamanho do mundo a atravessar o Canal da Mancha e que chega até ti, A. *

segunda-feira, março 25, 2013

São ciclos, senhor, são ciclos..

Quem foi a alma caridosa que não me deixa ter um momento de sossego?
Se não estou a morrer a nível emocional, sozinha, a chorar as pedras da calçada, a sofrer por não correspondência, por intensidades desperdiçadas, por amores perdidos, estou a ser consumida a nível profissional?
Quem disse? Quem disse que tenho que me corroer, perder a auto-confiança, sentir-me permanentemente um erro de casting, deixar de perceber quem sou, o que faço, para que sirvo? E não me lixem que no meu caso a minha identidade passa muito por um sentido de utilidade que me ultrapassa.

E a minha cabeça, o meu coração e a minha alma não aguentam isto. E já não sei se sirvo para algo, e se o meu lugar é aqui, é a fazer algo como isto mas noutro sítio, é a lavar escadas ou a salvar crianças em Africa.

O que sobra quando já não sabes o que vales e para que serves?


segunda-feira, março 18, 2013

Não parece mas é um post optimista

E no entanto, apesar das dúvidas, apesar das certezas, apesar dos meses que já passaram e que no seu conjunto já fazem mais de um ano, há sempre pedaços daquele mundo, que já não existe que reaparecem.
Confundo-te nas caras de desconhecidos, levas-me até perto das coisas que amo, desapaixonadamente, trazes-me as coisas que amas, puramente porque as mostras a todos.

Sim, eu sei que não há ventos a favor e tão pouco há ventos contrários. É assim que se marcam os momentos, as fases, que se vão demolindo ou desconstruíndo. É como uma casa deixada sozinha. Só quando alguém entra dentro dela percebe como está a morrer por dentro.

Português na minha alma

Uma das poucas (?) grandes dúvidas que me resta em relação a ti é se existi. E por isso pergunto-me, questiono-me, se algures em t,i sobrou algo para que me recordes e eu permaneça num papel que tenhas escrito.

sábado, março 09, 2013

Para recordar

Ontem, vi o melhor momento de televisão em muito tempo com as palavras da magistral Simone de Oliveira no jornal da noite da TVI.

Uma lição de vida.

sexta-feira, março 08, 2013

Não estou ácida hoje, mas estou doente, por isso posso

Começa a cansar-me (já me cansava) o santo consumismo de tudo e mais alguma coisa. E fotos de tudo o que compram, e de tudo o que querem e de tudo o que consomem (seja comida, literatura, música, roupa, produtos, objetos etc).

Cansa-me essa necessidade de mostrar ao mundo que se tem mais coisas, que se come coisas mais deliciosas, que se compra roupa mais cool ou se tem o objeto mais vintage.

A sério, privacidade e discrição são coisas assim tão complicadas? Ninguém as quer?

É que somos sempre iguais, o maldito tuga, que agora não é mostrar que tem o Mercedes ao vizinho do lado, mas mostrar que tem mais tralha, mais gadgets, mais culturalidade, que é mais boémio, mais tudo.

Seca.

quinta-feira, março 07, 2013

Estou um bocado ácida hoje IV

4 - O bom gosto como em tudo, discute-se. E do mesmo modo que há pessoas que se vestem bem e outras que se vestem mal também há bons livros e maus livros. E juro que já estou enjoada desta febre dos livros sadomaso mal escritos, sobre obcessões, homens com muitos problemas e mulheres com muitos mais. E agora vamos levar uma catrefada disto enquanto a porcaria dos livros das sombras cinzentas continuarem a ser berst-sellers. Já comentei que sinto vergolha alheia dos top 10 de livros deste país. Já?

Estou um bocado ácida hoje III

3 - A próxima pessoa querida, linda, ingénua, que me vier dizer que o amor é o mais importante e que vence todas as barreiras leva com um pau. Ele só vence o que consegue vencer. Que é pouco. E isso torna-o tão fraco. Tão moldável. Tão traiçoeiro. Porque depende de timings, de momentos, de esforço. E muita pouca gente está disposta ao esforço. E muito pouca gente está disposta a deixar de ser infeliz. Porque se acomodam. E porque muitas vezes é díficil de perceber a própria infelicidade. Por isso não me lixem as pessoas que acreditam no amor acima de tudo. Ele é raro. E por isso tão valioso.

Estou um bocado ácida hoje II

2 - O mérito das competências morreu. Já achava mas agora acho mais. O que interessa é gritar mais alto, ou ser mais matreiro, ou conseguir parecer mais certo que o próximo. E parecer mais do que ser. E, claro, passar por cima, pisar, criar intrigas. E eu ainda estou a perceber como raio me vou safar aqui assim.

Estou um bocado ácida hoje

1 - Os funcionários da cp que vão todos para a p*** que os pariu. Só querem manutenção de regalias (muitas que sempre achei rídiculas) e aumentos enqaunto o resto do país está como está. AUMENTOS. e EXIGEM-NO. Como se fossem autistas a tudo a volta. Tendo em conta que já têm ordenados muito interessantes para a formação que têm. E dizem que os reformadoas precisam do passe pago para ir às consultas e para ir às manifestações? Oi??? Façam como os outros todos que os pagam e não tem as reformas que vocês têm. Agora prejudicarem todo um país de trabalhadores que não ganham o que vocês ganham, que não tem um passo pago é imoral além de profundamente egoísta. Por estes dois/ três dias de greve uma pessoa ou fica impedida de ir trabalhar ou gasta em carro (se o tem) um balurdio que não se pode dar ao luxo (gasolina, portagem e estacionamento). por isos não tenho pena. nenhuma. Zero. A vossa liberdade acaba quando começa a liberdade dos outros.

          Mas para não dizerem que sou contra a liberdade de expressão e de revolta, ora até vós dou ideias:
         - Durante um mês assumam que não cobram bilhestes às pessoas e comuniquem-no. Assim as pessoas ficam do vosso lado, prejudicam e molestam a sério quem querem prejudicar, que assim já ñao ficam com o dinheiro já daquele lado (porque a grande percentagem das pessoas compra passes atencipadadamente como bem sabem).
          - Em extremis façam a porcaria da vossa greve, não deixem passageiros entrar mas andem com os comboios de um lado para o outro. A consumir. A fazer mossa.

Mas estas coisas são chatas né???? Tinham que ir trabalha né?? Tinham que levantar o cu da cadeira né????



segunda-feira, março 04, 2013

Ainda não

Passa um vento quente, uma subtil aragem que me faz recordar que de todos os momentos especiais que vivo e que vivi, só contigo havia sempre música a tocar, mesmo quando não estava.

E por isso, por mais que o tempo passe, por mais que nunca me tenhas esquecido por não haver nada para esquecer ( nunca estive ai verdadeiramente, eu sei, dolorosamente, sei), por mais que eu saiba que não me pertences, que não me pertenceste, que o meu voo é outro, que sou / estou e vou ser feliz, há mágoas doces que ficam e sei que ainda hoje não terei coragem para olhar os teus olhos onde só vejo um vazio seco onde se reflete sem piedade o grande significado que ainda há nos meus.


É isto e nada mais

"Que a dificuldade neste jogo está em acertar na exacta sequência em tempo certo de todas as portas abertas. "

quinta-feira, fevereiro 28, 2013

Crise

Estou a ter uma crise de vocação como nunca tive na vida.

Não quero sentir esta insatisfação, esta insegurança, esta falta de ar a cada momento.

Acho que vou ter que hibernar para balanço.


quarta-feira, fevereiro 27, 2013

Explicando =)

Depois de comentar o blog da Isa decidi colocar aqui os atores que eu acho mais interessantes, hormonalmene falando =)


Este seria para umas noites interessantes. Acho-o muito giro mas eu desconfiava que tem ali uma vertente menos bonitinha. Demasiado ken e inchado, mas acho-lhe graça pronto. Umas noites de sextas para segunda portanto. Pouco trolhinha, mas com este ar uma pessoa desculpa. 




Este para um namoro digno. Giro, mas já um bocadinho giro a mais, sorriso fantástico, falta-me saber se é mesmo interessante para uma conversa, mas com este ar uma pessoa perdoa isso, por isso não é para a vida, mas quase. Trolhinha q.b.



Este para casar. (Tem todo, fofinho, gosta de motas, sentido de humor, escreve, é casado e pai de filhas logo compostinho, bom ator, filmes bons, olhos verdes fantástico, sorriso de perdição, não demasiado giro e carismas, para mim está tudo lá.). E tem todo o ar de ser trolhinha (termo da L., e que realmente é mesmo isso que eu gosto).



Definição do meu tipo? Olhos verdes e ar de cães fofinhos. E trolhinhas evidentemente.


terça-feira, fevereiro 26, 2013

Fim de semana

Dos melhores e mais completos fins de semana que tive em muito tempo.

Mas também descobri que sou cobarde. Muito. E tenho que aprender a viver com isso.

E a contornar.


terça-feira, fevereiro 19, 2013

Desabafo fashion

Tanta gente com tanto dinheiro e com tão mau gosto e eu aqui com um estilo irrepreensível (ah ah ah) a querer coisas giras e não posso. Humpf.

sexta-feira, fevereiro 15, 2013

Mau feitio em grande

Desprezo gentinha e pessoazinhas. Sem piedade nem desculpas.


(Em termos morais, o meu problema é sempre em termos morais)

quinta-feira, fevereiro 14, 2013

Love

Tinha qualquer coisa para escrever sobre as caras e como elas mostram tão bem o que mudamos depois do amor. Depois das primeiras mágoas e dos primeiros desencantamentos.

Mas também quero falar sobre as caras das pessoas quando ficam sonhadoras. =)

Sim, é tão melhor não é?

segunda-feira, fevereiro 11, 2013

É isto pois.

A ti, que nunca me atrevi a chamar de meu amor, a não ser em sonhos, em quimeras, no papel da minha escrita escondida, vejo que ainda me fazes ter os olhos húmidos. A ti, sinto que ainda não te esqueci na totalidade, que ainda há uma sombra no meu peito e uma dor algures.

A ti, que não vejo, que não ouço, que não procuro nem encontro, se nos acasos da atualidade me surges, sinto que estás aí. E não estás.

A ti, de vez em quando, percorro-te, e um calafrio também, em mim.

Foi isto. E está tudo bem.


Sentir

Às vezes por momentos e conscientemente volto atrás no tempo. Espero que o corpo se habitue à viagem e volto a sentir. Volto a ter 23 e volto aquela dor. Para que não me esqueça. Para que aquele susto, aquela falta de ar nunca saía de mim. Para que não perca a noção dos momentos. Para que nunca saiba de novo o que é sentir aquilo verdadeiramente. Para que retenha e consiga ser câlida, caridosa, generosa, empática  presente. Para, por momentos, parar de me sentir viva, para morrer, por sofrer de novo, para nunca mais sofrer assim de novo, e voltar a ver e a sentir que sim, renascemos. Que sim, é possivel sofrer demasiado, e voltar a sentir. Se calhar não demasiado, mas a sentir. E agradecer a todos ou a ninguém por isso. E perceber que ninguém, nunca, devia ser obrigado a sofrer assim, porque nunca se pensou que fosse humanamente possível viver depois disso, mas que ao mesmo tempo, toda a gente devia passar por isso, porque nunca ninguém vive e sente verdadeiramente se não teve e sentiu isso.

Tou viva, a rebolar, mas viva

Isto de comer logo de manhã duas fatias de bolo de chocolate daqueles potentes ainda me mata...

quarta-feira, janeiro 30, 2013

Eu aleatoriamente

Por exercicio mental, por encorajamento, porque me apetece, cá vai 7 fatos aleatórios sobre mim (ok, não tão aleatórios mas ok)

- Das coisas que mais adoro no mundo é ilustração, tanto que até me esqueço, mas inconscientemente procuro-a em todo o lado. Por estranho que pareça não tenho nenhum livro de ilustração. Mas o meu mais recente desejo é este: http://www.conradroset.com/portfolio/49/ensuenos.

- Sou muito resistente à mudança, tenho medo que as coisas corram mal, que fique diferente, acho mesmo que sou meio cobarde; ironicamente sou também a pessoa que conheço mais adaptável quando chego a algum lado e consigo sempre encontrar coisas boas (o pior é o antes)

- Tatuagens vicia mesmo e se não fosse por motivos puramente racionais fazia muitas mais; mas como não me quero arrepender pondero muito; a próxima sei o que será, não sei é quando nem onde. A que tenho agora preenche-me de um modo que nenhuma outra conseguirá.

- Uma das minhas maiores limitações são as consequências de uma dislexia diagnosticada tardiamente;

- Chocolate é como uma droga para mim. Adoro. Tirem-me toda a comida e eu sobrevivo, chocolate é que não. E adoro fazer receitas com ele, das mais diversas maneiras.

- Não tenho assim nenhuma qualidade digna de nota e nunca fiz nada de transcendente mas tenho uma que não sendo impactante, é exactamente aquilo que sou: resiliente.

terça-feira, janeiro 29, 2013

Nem tudo são más notícias no reino da Dinamarca.

Desde ontem  três das pessoas que mais gosto no mundo começaram a trabalhar ou souberam que foram escolhidas para determinada função depois de tempos (preocupantes) sem trabalho..

Estou muito contente por vocês* Beijo-vos * =)

segunda-feira, janeiro 28, 2013

Ego em fragalhos mas com o mau feitio sempre duro de roer

Adoro as pessoas que acham que só elas é que são os dinossauros da blogosfera ou que isso lhes confere algum estatuto. Que me lembro ando nisto há 12/13 anos (sim tive outros blogs, sim nunca foram conhecidos, sim, quero lá saber), era uma adolescente borbulhenta, de óculos, aparelho e com a ideia que o mundo era cruel para mim e já andava cá a dar um ar da minha graça.

Eu não mudei muito, os óculos passaram a lentes, os dentes estão ligeiramente melhores mas a pele de merda e a ideia que o mundo é mesmo cruel, apesar não só para mim, continuam por aqui.

E infelizmente gente parva, saloia e arrogante também não se foram embora nos entretantos.

quarta-feira, janeiro 23, 2013

Ora bem...

Machadada no Ego (e em tudo mais) round 1.


E agora, o que fazes com isso?


segunda-feira, janeiro 21, 2013

Meninos

Acho uma certa graça ao pessoal que acha que este um temporal imenso e que ouvia "um barulho horrivel em casa".

Experimentem ir acampar (não havia hipotese de trocar; era fim de semana de campo dos recrutas da CVP da nossa Unidade)  para uma zona com alerta vermelho.

Árvores arrancadas a 50  metros do local do acampamento é que é. E a manhã de sábado à chuva a tentar que as tendas não voassem.

Nota: Nunca ninguém esteve em perigo.  Muitos profissionais no terreno habituados a este tipo de condições e obviamente as condições de segurança estavam asseguradas (ninguém dormiu nas tendas de campanha por exemplo).


Agora a trabalhar com duas de sono (que os Prontos ficam mais podres que os recrutas).


quinta-feira, janeiro 17, 2013

Eu


Às vezes acho que mudei muito. Estou mais velha. Cínica , que não era. Menos ingenua. Mais tolerante. Com menos certezas. Que os meus valores mudaram. Que realmente deixei partir coisas de que gostava em mim e que não voltam. Que me tornei mais interesseira, mais egoísta, menos dada, menos generosa, menos altruísta, mais hipócrita. E isso mata-me. Perde-me. Choro por dentro (por fora é um bocado por fases).

Mas depois lembro-me dos confrontos que enfrentei e que nunca pensei que conseguisse. Dos momentos díficeis. Dos momentos bons que valorizo. Das imagens que vejo e em que me reconheço.

E percebo. Independentemente de tudo, dos desgostos, do desencantamento, sobretudo do desencantamento, eu sou eu.

(É, eu sou essa da imagem, mas menos gira e com cabelo feio e sem a tatuagem ali mas noutro sítio. mas sou eu.)