sexta-feira, abril 12, 2013

Fardas e homens

Sou a pessoa mais desinteressante do mundo quando visto uma farda (que ainda por cima é feia).

Juntar a isso o cabelo mal apanhado, a falta de maquilhagem, a carinha nada simétrica e os kilos a mais que se entranharam em mim e não saiem, acreditem que pareço tudo menos uma gaja gira e apelativa ao sexo oposto.

Gostava então de tentar perceber porque os  senhores com quem me cruzo nas minhas dembulações de pré urgência hospitalares (normalmente pessoal também nestas andanças, desde agentes da ordem, a socorristas até enfermeiros), em horários pouco apropriados em que já bufo pelo número de horas que não vou dormir "mas porque raio me meti nisto, eu nem gosto de pessoas", sente que, trocando dois dedos de conversa, pensam que há logo espaço para amizades no facebook.

Não tenho nenhum problema em aceitar amizade até porque as pessoas são simpáticas e eu sou pelo convívio entre pessoas que coexistem e vivem determinados contextos, que podem ser complicados e acredito na entre ajuda e camaradagem entre profissionais e voluntários desta área (aka pré urgência hospitalar) mas fico sempre a pensar que ou sou mázinha e desconfiada e é tudo numa boa ou há segundas intenções.

Não sei. Mas já fui muito tranquila e depois passo por ingénua ou por sonsa e não gosto, especialmente quando em relação a este assunto sou a pessoa mais transparente do mundo.

2 comentários:

Vegan Wolf disse...

eu sou do sexo oposto e penso exactamente assim.

pelo menos não visto farda.

Espiral disse...

Vegan,

Não perdes nada =)

Do que eu cresco, fragilizo, fortifico

Cada vez mais sou menos de frases peremptórias. Cada vez sou menos de classificar tudo em polaridades. Porque me parece superficial, e mais ...