segunda-feira, março 04, 2013

Ainda não

Passa um vento quente, uma subtil aragem que me faz recordar que de todos os momentos especiais que vivo e que vivi, só contigo havia sempre música a tocar, mesmo quando não estava.

E por isso, por mais que o tempo passe, por mais que nunca me tenhas esquecido por não haver nada para esquecer ( nunca estive ai verdadeiramente, eu sei, dolorosamente, sei), por mais que eu saiba que não me pertences, que não me pertenceste, que o meu voo é outro, que sou / estou e vou ser feliz, há mágoas doces que ficam e sei que ainda hoje não terei coragem para olhar os teus olhos onde só vejo um vazio seco onde se reflete sem piedade o grande significado que ainda há nos meus.


Sem comentários:

Do que eu cresco, fragilizo, fortifico

Cada vez mais sou menos de frases peremptórias. Cada vez sou menos de classificar tudo em polaridades. Porque me parece superficial, e mais ...