Avançar para o conteúdo principal

Não estou ácida hoje, mas estou doente, por isso posso

Começa a cansar-me (já me cansava) o santo consumismo de tudo e mais alguma coisa. E fotos de tudo o que compram, e de tudo o que querem e de tudo o que consomem (seja comida, literatura, música, roupa, produtos, objetos etc).

Cansa-me essa necessidade de mostrar ao mundo que se tem mais coisas, que se come coisas mais deliciosas, que se compra roupa mais cool ou se tem o objeto mais vintage.

A sério, privacidade e discrição são coisas assim tão complicadas? Ninguém as quer?

É que somos sempre iguais, o maldito tuga, que agora não é mostrar que tem o Mercedes ao vizinho do lado, mas mostrar que tem mais tralha, mais gadgets, mais culturalidade, que é mais boémio, mais tudo.

Seca.

Comentários

Limited Edition disse…
Isso acontece porque as pessoas dependem demasiado da imagem que transmitem aos outros para construir a sua auto-estima. Entao com viagens, é escandaloso, pq criam um misto de "eu pude comprar" com "eu sou culto e viajado". Mas por mais crítica que seja e compreenda o teu ponto de vista, como é que posso dizer que sou isenta desses comportamentos se falo dos livros que leio, compro e gosto? Ainda ontem publiquei um post sobre isso, tal como ja escrevi sobre essas viagens (odeio qd vejo este tipo de auto promoção mas nao deixa de ser verdade e eu nao deixo de ser imperfeita). No fim do dia acaba por ser mais uma questão de perspectiva do que de verdades absolutas.
a mulher certa disse…
Gosto de mostrar porque gosto de ver. Nada a ver com "olha, eu tenho". É como partilhar uma musica,um link, um livro. Sem mais nada. Nem tudo tem segundas intençoes podres.
Espiral disse…
Limited Edition e Mulher Certa;

Claro que a intenção conta. E há muitas maneiras de mostrar as coisas e de as partilhar.

As que falo são ostentativas de "olha eu tenho". Não tem a ver com o ter e com o partilhar mas com a atitude.

É como o exemplo que dei: Conheço imensa gente com carros caros e que mostram alegremente e de boa vontade. Depois há gente que até com um fiat punto novo é presunçoso.
S. G. disse…
Devo dizer, em minha defesa, que não me importo muito com o que pensam dos meus posts, mas, se não fossem os meus posts a resumir o meu mês de filmes, séries e livros, estaria sem escrever nada durante meses....a crise que por aqui anda também questiona o porquê de ler ou a necessidade, ou a importância até de ler...por fim, como confio no meu bom gosto literário, tudo o que eu leio posso sugerir a quem gostar de ler...sem nenhuma intenção, até porque ninguém me conhece...

Cheers

Mensagens populares deste blogue

Eu nunca liguei muito a isto, mas...

Sou só eu que acho um bocadinho escandaloso que as marcas façam apenas 3/4 tamanhos de roupa?
Estive a ver a Zara e pelo menos nos macacões, só tem 4 tamanho - XS, S, M, L respectivamente.
Tendo em conta que eu tenho 1,68 e peso 60 kilos e que o meu tamanho é um M penso nas pessoas que tem um bocadinho mais de peso que eu e que são um bocado mais altas.. o que fazem elas?

De salientar que tenho uma estrutura regular, vulgo forma ampulheta, com ancas e rabo e, para mal dos meus pecados, pernas grossas (não há ginásio ou corridinha que me salve). Ou seja mesmo com menos 4 kilos, onde fico com 56, o que muita gente consideraria magro ou pelo menos normal-magra, uso à mesma o M e calças pelo menos 38. Por isso, serio, como fazem as pessoas um bocadinho maiores? E nem falo das pessoas realmente gordas, falo só das pessoas que são mais fortes porque sim, porque nasceram assim, é constituição e pronto.

Nem todas as mulheres são estrutura rectângulo  vestem roupas como se fossem cabides,  ess…

Ando a ler imenso

E a voltar ao meu ritmo normal de leitura para ao fim do ano ler o meu normal (entre 100 a 140 livros, sim isto é o meu normal, com excepção feita ao tempo de faculdade em que lia cerca de 60 por ano). .
Adoro ler e felizmente apesar de não poder comprar todos os que gostaria aproveito tanto  feira do livro, onde na hora H (livros a 50%) deste ano comprei mais de 11 livros, que já li quase todos.
Para além disso sou assídua frequentadora de bibliotecas, sendo a minha favorita a Fábrica das Palavras em Vila Franca. É uma biblioteca recente e muito bonita arquitectonicamente, que tem tanto os clássicos como as últimas novidades, o que é uma grande vantagem pois raramente compro novidades devido ao preço. Ao mesmo tempo e fantástico para descobrir autores que não conheceríamos de outra forma: por exemplo li recentemente um livre da Patti Smith  que adorei e nunca teria dado com ele de outra maneira.  Tenho o hábito de escolher não só livros que quero ler mas também livros ao acaso. Dá qu…

Pergunto

Como é que se pode perceber com tanta convicção, com tanta certeza, tão intensamente, que existem grandes histórias de amor, que dolorosamente, não são para acontecer?