quinta-feira, outubro 31, 2013

São parcas.

É curioso, no mínimo, estares no teu caminho de sempre, nas tuas rotinas, e exactamente no dia, no momento em que te encontras solta, distraída, sem defesas, em comparação com os dias em que vestes a armadura, em que fantasias, em que te preparas para imprevistos, encontros e insólitos, é exactamente nesse momento que se dá o que não esperavas mas que esperaste sempre.

E nunca é como querias. E a tua reacção também não. E moves-te. Porque tens de seguir. Sem olhar para trás.

Sem comentários:

A conversa do coitadinho*

O que me irrita nem é a falta de empatia, a falta de mundo (no sentido de juizo crítico acerca dos outros), nem sequer é a vitimização irrit...