Avançar para o conteúdo principal

Disto do merecimento, da justiça e dos caminhos

O mais complicado de viver numa sociedade em que se estimula o positivismo acima de tudo e o "vê sempre o lado positivo" é ter de aturar com um sorriso cansado as pessoas que com todas as boas intenções, tenho a certeza, porque são amigas, e não vêm a insensibilidade da coisa dizerem "há coisas piores, vive as coisas boas que tens e faz x ou y para te sentires melhor".

Não entendem que isso é apenas conversa de treta, fácil, fácil, vazio e fútil de quem está melhor. Melhor nos aspectos de terem um chão. Uma solidez qualquer. Um caminho que já começaram a forjar. Ou um caminho já meio caminhado. Qualquer coisa. Não quero falar aqui de aspectos práticos (sejam eles, casa, um contrato, um emprego, uma perspectiva sólida) porque há sempre o argumento "ah, mas já nada é definitivo". Pois eu sei. Mas no presente têm algo, a grande maioria algo concreto e já conseguiram fazer alguma coisa. Prática. Efectiva.

E olhando em volta tem pouco a ver com merecimentos, justiça ou caminhos escolhidos que foram tão bem estudados ou tão mal que deram aquele momento, se não perfeito, pelo menos que é qualquer coisa.

Lamento, mas não querendo que me passem a mão pelo pêlo, também odeio que me lancem areia para os olhos.

A vida não é justa. Eu sei. Por isso não preciso de realçar artificialmente as coisas boas da minha vida . Eu sei quais são.

A vida não tem nada a ver com mérito. Consigo dar 30 mil exemplos de sortudos sem mérito e de azarentos esforçados e inteligentes. E dos outros dois tipos também. Por isso a pancadinha das costas do "tens 3 mil qualidades, vais ver que arranjas qualquer coisa" (sendo o "qualquer coisa" um termo fantástico, mas adiante).

A vida não tem nada a ver com caminhos. Se a vida fosse feita de consequências fluídas e causa-efeito de escolhas certas e erradas o mundo era muito mais equilibrado.

Mas o mundo não é perfeito.

E juro que não estou amarga nem com um ataque de vitimização nem nada, mas o meu estoicismo às vezes rebenta e a insensibilidade  às situações alheias e a tentativa de minimização é algo que me irrita quando o fazem aos outros, por isso quando me toca na pele também. Porque nunca tive um mínimo de situação estável laboral, nem ordenados que substituíssem isso. Porque não tenho rendimentos extra, nem pais, marido ou namorado em situações fantásticas o que faça com que isto não seja um problema. porque não tenho património nem heranças. Porque não tenho nem nunca tive cunhas. Porque tudo o meu percurso académico e profissional parece não valer nada. Porque tenho quase 30 e zero estabilidade. Porque os meus sonhos (por mais inúteis, fúteis, valiosos, pequenos ou grandes que sejam)  estão enterrados antes de poderem desabrochar. Não porque tivessem hora marcada, mas porque há tempos e timings para determinadas coisas. E há momentos que não voltam. E isto não é vitimização, é sim constatação. Por isso não me lixem com o "pensa nas coisas boas que tens na vida e vais ver que as coisas mudam."
O que não se pode viver não muda.











Comentários

Lias disse…
Acabas de descrever muitos dos meus demónios, também. Tenho 29 e estou de volta a casa dos pais. A contar tostões, e sem perspectiva que as coisas mudem a curto ou mesmo médio prazo. E o que me irrita mais não é a constatação de tantos planos e sonhos que ficam pelo caminho, ou a impotência de saber que dei o melhor de mim em todos os campos e esse melhor não chegou. Nem sequer olhar em redor e ver um punhado de gente que nunca se esforçou para coisa alguma com a vida encaminhada, porque sim, a vida não é nada disso que nos passam a infância a encher os ouvidos. Não tem nada a ver com se ser um bom menino. O que me irrita, mesmo, é a condescendência. É passarem-me um atestado de estupidez ao dizerem leviandades da boca para fora, só para não deixarem no ar um silêncio incómodo. Por isso, em vez de te desejar sorte e te dizer que vai ficar tudo bem, desejo-te paciência.

Acho que me alonguei e estou a usar a tua caixa de comentários como remédio para a minha insónia também. Paciência :P
Espiral disse…
Obrigada pelas palavras.
Não é que seja bom saber que há mais pessoas nesta situação, mas sabem que sentem o mesmo que eu e que não sou assim tão horrível ajuda. =)

Também te desejo paciência e sinceramente, desejo-te cagança porque muita coisa nesta vida depende tão só dos timings.

Força*
Mãe Sabichona disse…
Leio-te e sinto-me impotente. Sou da mesma área que tu e quando andava na universidade tive uma "discussão" com uma professora que dizia (no alto das suas cunhas) que quem é bom acaba sempre por conseguir, na sequência de uma conversa sobre o desemprego na Psicologia. Apesar dela ser filha de outra professora que por lá andava, não assumi que ela não pudesse ter o seu mérito, pelo que a discussão nem veio por aí. O que lhe tentei explicar é que ao dizer que quem é bom consegue, está a partir do principio que quem não consegue não é bom. Um raciocínio simples e perfeitamente adequado ao facto de não vivermos num mundo de fadas em que os "maus" e os "bons" têm sempre o final merecido. 7 anos depois (ainda) não fiquei sem trabalho, apesar de serem vividos sempre na corda bamba. Não sei o que é estabilidade e já nem a procuro, só quero ter trabalho todas as semanas (eu vivo à semana). Mas isto para dizer que, por ter tido trabalho até agora, continuo a achar o mesmo e não me ponho com discursos de que quem é bom consegue. Nunca tive cunhas mas acho que tive sorte. Esforcei-me sempre, sinto que fiz um bom trabalho por onde passei mas também vi o anúncio certo na hora certa quando saí da universidade, calhou de sermos 60 a concorrer, eramos 3 para entrevista e as outras duas não apareceram por exemplo... tinham tanta pressa que só me entrevistaram a mim, fiquei e pronto. Isso permitiu-me ter uma base durante algum tempo para pensar no trabalho seguinte e por aí fora. Acho sempre que tem de haver uma conjugação de factores, porque se assim não fosse como se explicariam abéculas a estar onde não deviam e mentes como a tua a tentarem manter-se à tona por não terem oportunidades? Só desejo que o teu timing esteja para breve!
Espiral disse…
Li o que escreveste e acho fantástico conseguir ter essa consciência. Desde que acabei o curso há 5 anos também é a primeira vez que estou sem trabalho, e tenho perfeita consciência que além do esforço, da inteligência a sorte e o contexto são muito importantes.

Obrigada pelas tuas palavras e espero que tudo te corra bem e que consigas passar a viver sem ser a semana (que também deve ser um sufoco daqueles)*

Mensagens populares deste blogue

Eu nunca liguei muito a isto, mas...

Sou só eu que acho um bocadinho escandaloso que as marcas façam apenas 3/4 tamanhos de roupa?
Estive a ver a Zara e pelo menos nos macacões, só tem 4 tamanho - XS, S, M, L respectivamente.
Tendo em conta que eu tenho 1,68 e peso 60 kilos e que o meu tamanho é um M penso nas pessoas que tem um bocadinho mais de peso que eu e que são um bocado mais altas.. o que fazem elas?

De salientar que tenho uma estrutura regular, vulgo forma ampulheta, com ancas e rabo e, para mal dos meus pecados, pernas grossas (não há ginásio ou corridinha que me salve). Ou seja mesmo com menos 4 kilos, onde fico com 56, o que muita gente consideraria magro ou pelo menos normal-magra, uso à mesma o M e calças pelo menos 38. Por isso, serio, como fazem as pessoas um bocadinho maiores? E nem falo das pessoas realmente gordas, falo só das pessoas que são mais fortes porque sim, porque nasceram assim, é constituição e pronto.

Nem todas as mulheres são estrutura rectângulo  vestem roupas como se fossem cabides,  ess…

Ando a ler imenso

E a voltar ao meu ritmo normal de leitura para ao fim do ano ler o meu normal (entre 100 a 140 livros, sim isto é o meu normal, com excepção feita ao tempo de faculdade em que lia cerca de 60 por ano). .
Adoro ler e felizmente apesar de não poder comprar todos os que gostaria aproveito tanto  feira do livro, onde na hora H (livros a 50%) deste ano comprei mais de 11 livros, que já li quase todos.
Para além disso sou assídua frequentadora de bibliotecas, sendo a minha favorita a Fábrica das Palavras em Vila Franca. É uma biblioteca recente e muito bonita arquitectonicamente, que tem tanto os clássicos como as últimas novidades, o que é uma grande vantagem pois raramente compro novidades devido ao preço. Ao mesmo tempo e fantástico para descobrir autores que não conheceríamos de outra forma: por exemplo li recentemente um livre da Patti Smith  que adorei e nunca teria dado com ele de outra maneira.  Tenho o hábito de escolher não só livros que quero ler mas também livros ao acaso. Dá qu…

Pergunto

Como é que se pode perceber com tanta convicção, com tanta certeza, tão intensamente, que existem grandes histórias de amor, que dolorosamente, não são para acontecer?