sexta-feira, novembro 18, 2011

"Honra tanto esmero..."

Esta carta é para ti, meu amor. É tão engraçado ser só contigo que imagino risos por entre chuvas e luzes difusas. Mesmo que já tenha vivido isso com outras pessoas. Mesmo que haja pessoas com quem isso não se vive, simples.  Se calhar porque sei que ao pé de ti posso tropeçar, dizer o que não devia, entusiasmar-me com o infinito. É em ti que penso quando vejo algo que me marca, quando penso em perder-me em ruas, em descobrir recantos, livros interessantes, bares exóticos ou lojas de antiguidades (mesmo não sabendo se gostas, ou desconfiando que não é a tua cena.). É em ti, meu amor, que penso, quando penso em sorrisos, em futuros, em presentes, em possibilidades (mas não pensamos sempre?).    
Esta carta é para ti, meu amor. meu amor que vai, que nunca foi. Deixei-o viver por momentos, imaginário, fantástico, completo. Mas ele não existe, meu amor. 



Sem comentários:

Like a boss

Portanto, daqui a 10 anos gostaria  estar num tal nível que faria e trataria como meus secretários particulares, o presidente português de u...