quinta-feira, novembro 03, 2011

Segunda (draft) tentativa

Nunca ninguém me leu como tu lês. Descobres facilmente as tonalidades que tento esconder por entre o preto ou o branco. Ou o vermelho. Percebes quando coro, sem me ver. Quando estou irritada, quando sou mais intensa. Quando me calo querendo falar. Quando sorrio querendo rir.

(pausa longa para as horas que passam...)

Nunca ninguém percebeu tão bem quando estou verdadeiramente triste. Por menos que tenhamos falado. Por horas que tenham passado. E que se lembre disso. E que me lembre a mim que estás aí. Diz-me, que pressentiste?

Isto não é uma carta de amor. Porque não sinto amor por ti. Mas podia ser.


Sem comentários:

Like a boss

Portanto, daqui a 10 anos gostaria  estar num tal nível que faria e trataria como meus secretários particulares, o presidente português de u...