Avançar para o conteúdo principal

Das cicatrizes que todos trazemos

Ao ler um post sobre tatuagens e piercings e não só apenas isso e fazendo uma reflexão sobre todos os significados que pode ter, desde os mais superficiais "ah é giro" aos mais profundos "é uma marca de vida", percebo, que pelo menos no meu caso, tem muito de poder.

Tenho uma tatuagem. Também tenho uma "doença de pele". Entre aspas porque um médico diz que deve ser, outros que não é aquela doença especifica. Já foi uma cicatriz, afinal não é, já foi uma má formação na aponevrose, fez-se uma pequena operação local, afinal não era, e a juntar à extensão horrorosa de qualquer coisa numa das minhas pernas tenho agora uma cicatriz pequenina no meio da "cicatriz" enorme (de novo entre aspas porque não se sabe). E agora é qualquer coisa ali no limbo. Que é auto imune, não contagioso, e não tem cura. E que tem aumentado. Não é perigoso (em teoria). Apenas é uma porcaria esteticamente. Em que penso sempre que estou na praia. Que não me faz sentir feminina (qualquer mulher quer ter umas pernas bonitas) e que me faz sentir deslocada em n situações. Desde as perguntas mais simples "Ah o que é isso", ao olhar de nojo, aos mentirosos (e piedosos) "ah, não se nota assim tanto". Nota-se. Noto eu quando escolho entre vestir uma mini-saia e uma saia comprida. Noto eu quando em vez de ir correr ou jogar voleibol na praia fico deitada na toalha. Noto eu quando, se me dizem que "tens um corpo bem feito" e só me apetece gritar que é tudo mentira, que o que vestimos é uma carapaça conveniente, e que assim até disfarça, quando no fim é só defeitos.

Mesmo que não sejam só defeitos. Mesmo que haja imensa coisa em mim que goste. A nossa atenção é selectiva. E grande parte da minha vai para esta "coisa". Que não é um drama. Ninguém vai morrer, e não fiquei sem um braço. Mas é algo que não controlo. Que odeio. Que faz parte de mim não me pertencendo. É demasiado visível, demasiado grande. Há sempre coisas que queremos esconder não é?

Por isso tenho uma tatuagem (já com alguns aninhos). Porque escolhi. Porque quis. Porque tive o poder para isso. Porque acredito em coisas eternas. E boas. A que tenho vai ser "remodelada" aumentada e aperfeiçoada, porque tudo se transforma, mas o significado continua o mesmo.

Há marcas que escolhemos ter e essas mesmo que doam são "nossas"; com as que não escolhemos e nos apanham, lá teremos que aprender a viver com elas.

Comentários

Precious disse…
É a escolha de cada um. Não nos define nem nos categoriza, mas certas pessoas acham que sim.
Sou capaz de fazer um dia, mas por enquanto ainda não tenho a certeza de um desenho que signifique o suficiente para dar o passo.
Espiral disse…
Eu até percebo a conotação negativa. São estereótipos. Agora não entendo a admiração do "mas isso é para sempre". Qual é o problema que as pessoas têm com o imutável? Eu não tenho.

E, Precious, na minha humilde opinião (ah quem não pense assim e respeito) só vale a pena se for um significado poderoso. =) Boa sorte na procura ou não do desenho certo =)

Mensagens populares deste blogue

Eu nunca liguei muito a isto, mas...

Sou só eu que acho um bocadinho escandaloso que as marcas façam apenas 3/4 tamanhos de roupa?
Estive a ver a Zara e pelo menos nos macacões, só tem 4 tamanho - XS, S, M, L respectivamente.
Tendo em conta que eu tenho 1,68 e peso 60 kilos e que o meu tamanho é um M penso nas pessoas que tem um bocadinho mais de peso que eu e que são um bocado mais altas.. o que fazem elas?

De salientar que tenho uma estrutura regular, vulgo forma ampulheta, com ancas e rabo e, para mal dos meus pecados, pernas grossas (não há ginásio ou corridinha que me salve). Ou seja mesmo com menos 4 kilos, onde fico com 56, o que muita gente consideraria magro ou pelo menos normal-magra, uso à mesma o M e calças pelo menos 38. Por isso, serio, como fazem as pessoas um bocadinho maiores? E nem falo das pessoas realmente gordas, falo só das pessoas que são mais fortes porque sim, porque nasceram assim, é constituição e pronto.

Nem todas as mulheres são estrutura rectângulo  vestem roupas como se fossem cabides,  ess…

Ando a ler imenso

E a voltar ao meu ritmo normal de leitura para ao fim do ano ler o meu normal (entre 100 a 140 livros, sim isto é o meu normal, com excepção feita ao tempo de faculdade em que lia cerca de 60 por ano). .
Adoro ler e felizmente apesar de não poder comprar todos os que gostaria aproveito tanto  feira do livro, onde na hora H (livros a 50%) deste ano comprei mais de 11 livros, que já li quase todos.
Para além disso sou assídua frequentadora de bibliotecas, sendo a minha favorita a Fábrica das Palavras em Vila Franca. É uma biblioteca recente e muito bonita arquitectonicamente, que tem tanto os clássicos como as últimas novidades, o que é uma grande vantagem pois raramente compro novidades devido ao preço. Ao mesmo tempo e fantástico para descobrir autores que não conheceríamos de outra forma: por exemplo li recentemente um livre da Patti Smith  que adorei e nunca teria dado com ele de outra maneira.  Tenho o hábito de escolher não só livros que quero ler mas também livros ao acaso. Dá qu…

Pergunto

Como é que se pode perceber com tanta convicção, com tanta certeza, tão intensamente, que existem grandes histórias de amor, que dolorosamente, não são para acontecer?