sábado, janeiro 10, 2009

E ainda falando de quilos...

Quando se continua a ouvir que se tá magra especialmente num dia em que se leva uma camisola grossa pra o trabalho, quando o que se ouve é "tás magra que nem um cão" (boca brilhante), especialmente tendo em conta que engordei  3 quilos nesta época festiva (voltando a pesar quase o mesmo que pesava antes de ter emagrecido), há algo que começa a parecer suspeito. Talvez a  magreza não seja bem uma questão de peso... talvez tenha a ver com qualquer coisa que entranha (ou desentranha) em nós e que não nós larga. Um estado de espírito qualquer. E antes que alguém ache que eu estou com problemas de distorção de imagem, por favor.... isso não é nada a minha cena. Como diria alguém "comes tanto chocolate e tás assim... deve ser ruindade."

Pois. deve ser. 

Espiral

Sem comentários:

Do que eu cresco, fragilizo, fortifico

Cada vez mais sou menos de frases peremptórias. Cada vez sou menos de classificar tudo em polaridades. Porque me parece superficial, e mais ...