Avançar para o conteúdo principal

Sinais que as coisas não estão bem

- Até há pouco tempo quando chegava de carro às 7 e 45 da manhã à estação dos comboios estacionava a cerca de 50 metros; agora, indo à mesma hora estaciono a cerca de 300/400 metros.

- Consigo levantar facilmente 10 euros num multibanco em zonas onde anteriormente não conseguia levantar porque só havia notas de 20 (no mínimo).

- Há muito menos jantares ao fim de semana (chegava a ter 3). E quando há parece que são mais em casa das pessoas.

- Há mais amostras decentes nas revistas, mais promoções, mais oportunidades.

Pessoalmente, como vivo ainda com os meus pais, não tenho notado grande diferença, conseguindo gerir bem o meu dinheiro e continuando a poupar o mesmo; mas nunca fui de extravagãncias e sempre segui o ditado "quem não tem dinheiro não tem vícios".  Dantes jantava mais fora, agora não janto tanto, mas acabo por gastar esse dinheiro em livros, roupa ou cremes ligeiramente superiores aos que comprava antes; mas continuo a poupar o que poupava. Porque para ter umas coisas não se pode ter outras e é preciso é fazer uma boa gestão.  Por exemplo, levo sempre, ou quase, comida de casa, e vou de transportes para o trabalho. Felizmente não fumo. Tenho um outlet ao pé de casa e tento aproveitar saldos e promoções. Viajo em low cost. Não vou a todos os concertos que queria.Não passo fins de semana em turismo rural. Não morro se tiver 3 meses sem comprar roupa, ou acessórios ou outra coisa qualquer. Se sei que vou ter que pagar selo do carro e inspecção (como é este mês) tento juntar anteriormente.

Não vivo mal, nem nada disso, mas adapto-me ao que tenho e não vivo de longe acima das minhas possibilidades.

Mas vejo tanta gente com a corda ao pescoço que me faz pena...

Comentários

Precious disse…
A coisa está preta.
Quem vive com os pais, sente menos, mas repara no que está à volta e o cenário não é inspirador.
Espiral disse…
Precious,

Sim, é verdade =/
E assusta-me; Felizmente tenho trabalho, e desde que começei a trabalhar há cerca de 3 anos só estive 4 meses desempregada, mas assusta a precariedade...
S* disse…
De facto... antes nunca conseguia levantar apenas 10 euros e agora é rara a vez em que não consigo.

Mensagens populares deste blogue

Eu nunca liguei muito a isto, mas...

Sou só eu que acho um bocadinho escandaloso que as marcas façam apenas 3/4 tamanhos de roupa?
Estive a ver a Zara e pelo menos nos macacões, só tem 4 tamanho - XS, S, M, L respectivamente.
Tendo em conta que eu tenho 1,68 e peso 60 kilos e que o meu tamanho é um M penso nas pessoas que tem um bocadinho mais de peso que eu e que são um bocado mais altas.. o que fazem elas?

De salientar que tenho uma estrutura regular, vulgo forma ampulheta, com ancas e rabo e, para mal dos meus pecados, pernas grossas (não há ginásio ou corridinha que me salve). Ou seja mesmo com menos 4 kilos, onde fico com 56, o que muita gente consideraria magro ou pelo menos normal-magra, uso à mesma o M e calças pelo menos 38. Por isso, serio, como fazem as pessoas um bocadinho maiores? E nem falo das pessoas realmente gordas, falo só das pessoas que são mais fortes porque sim, porque nasceram assim, é constituição e pronto.

Nem todas as mulheres são estrutura rectângulo  vestem roupas como se fossem cabides,  ess…

Ando a ler imenso

E a voltar ao meu ritmo normal de leitura para ao fim do ano ler o meu normal (entre 100 a 140 livros, sim isto é o meu normal, com excepção feita ao tempo de faculdade em que lia cerca de 60 por ano). .
Adoro ler e felizmente apesar de não poder comprar todos os que gostaria aproveito tanto  feira do livro, onde na hora H (livros a 50%) deste ano comprei mais de 11 livros, que já li quase todos.
Para além disso sou assídua frequentadora de bibliotecas, sendo a minha favorita a Fábrica das Palavras em Vila Franca. É uma biblioteca recente e muito bonita arquitectonicamente, que tem tanto os clássicos como as últimas novidades, o que é uma grande vantagem pois raramente compro novidades devido ao preço. Ao mesmo tempo e fantástico para descobrir autores que não conheceríamos de outra forma: por exemplo li recentemente um livre da Patti Smith  que adorei e nunca teria dado com ele de outra maneira.  Tenho o hábito de escolher não só livros que quero ler mas também livros ao acaso. Dá qu…

Pergunto

Como é que se pode perceber com tanta convicção, com tanta certeza, tão intensamente, que existem grandes histórias de amor, que dolorosamente, não são para acontecer?