Avançar para o conteúdo principal

Sobre o dia da mulher - Notas

1. Sou feminista. Acho que sempre fui, apesar de há uns anos não me assumir dessa maneira por achar um rótulo demasiado forte e demasiado ligado a uma ideia agressiva, autoritária e "morte-aos-homens" que não tem nada a ver comigo. Mas agora, mais velha, com mais conhecimento e com mais noção do panorama do mundo, afirmo-o sem medos. Sem bandeiras e gritos altos, mas sem medos. Porque ainda há muitas injustiças e desigualdades. Porque em cada momento em que tenho que pensar se vou por uma determinada rua, no comprimento da saia, no comentário engraçado-machista de um colega, no paternalismo, no interromperem-me, no ganhar menos em funções iguais e na sempre malfadada falta de equiparação nas tarefas domésticas, vejo que ainda não está tudo bem.

2. Mas. não nego, e vejo todos os dias, que muitas vezes, infelizmente, e sem terem muitas vezes consciência disso, são as próprias mulheres que, de algum modo, perpetuam mitos e ideias que não nos ajudam. Porque queremos tanto ter a auto-estima elevada, mostrar que somos boas, dignas que o fazemos através de comparações que só nos humilham a todas.

3. Exemplo: Estive num jantar do dia da mulher este sábado com quase 300 mulheres. Quase no fim do jantar houve um espectáculo de dança do ventre executado muito bem por uma bailarina. Enquanto durava a dança ouvisse vários tipos de comentários, desde a barriguinha saliente da dançarina, ao facto de ser "cómico" uma dança do ventre num jantar de mulheres, até meios sorrisos e risos de gozo.

4. Porquê? Porque não somos, em geral, capazes de apreciar a dança só por si? E de ver apenas uma mulher com a coragem de se expor assim? Mostrando exactamente o oposto, que não interessa, mesmo, o corpo que temos para saber fazer aquele tipo de dança de maneira sensualona e aguerrida? E daí que estamos num jantar de mulheres? Tinha que ser um homem a despir-se para acharmos que somos as donas de mundo e etc?


Comentários

Madrigal disse…
Espiral, é verdade que muitas vezes são as próprias mulheres a fazerem mal às outras. Eu tenho uma teoria para isso. Durante séculos as mulheres não tinham outra "carreira" que não fosse o casamento. No entanto conhecer o homem não era igual aos dias de hoje. Em geral eram nos bailes e outras reuniões que se conheciam. Era um pouco do género: és gira e tal, tens fortuna então podemos casar. Mas a concorrência era muita. Na minha opinião foi ai que surgiu a necessidade de criticar negativamente as outras mulheres para não se perder um bom partido. :D
Claro que isto é apenas uma teoria, mas posso-te dizer que ao ler alguns livros achei que a teoria era boa, modéstia à parte.

Eu pessoalmente adoro dança do ventre e acredito que não seja nada fácil tanto o dançar como o expor do corpo...

Mensagens populares deste blogue

Eu nunca liguei muito a isto, mas...

Sou só eu que acho um bocadinho escandaloso que as marcas façam apenas 3/4 tamanhos de roupa?
Estive a ver a Zara e pelo menos nos macacões, só tem 4 tamanho - XS, S, M, L respectivamente.
Tendo em conta que eu tenho 1,68 e peso 60 kilos e que o meu tamanho é um M penso nas pessoas que tem um bocadinho mais de peso que eu e que são um bocado mais altas.. o que fazem elas?

De salientar que tenho uma estrutura regular, vulgo forma ampulheta, com ancas e rabo e, para mal dos meus pecados, pernas grossas (não há ginásio ou corridinha que me salve). Ou seja mesmo com menos 4 kilos, onde fico com 56, o que muita gente consideraria magro ou pelo menos normal-magra, uso à mesma o M e calças pelo menos 38. Por isso, serio, como fazem as pessoas um bocadinho maiores? E nem falo das pessoas realmente gordas, falo só das pessoas que são mais fortes porque sim, porque nasceram assim, é constituição e pronto.

Nem todas as mulheres são estrutura rectângulo  vestem roupas como se fossem cabides,  ess…

Ando a ler imenso

E a voltar ao meu ritmo normal de leitura para ao fim do ano ler o meu normal (entre 100 a 140 livros, sim isto é o meu normal, com excepção feita ao tempo de faculdade em que lia cerca de 60 por ano). .
Adoro ler e felizmente apesar de não poder comprar todos os que gostaria aproveito tanto  feira do livro, onde na hora H (livros a 50%) deste ano comprei mais de 11 livros, que já li quase todos.
Para além disso sou assídua frequentadora de bibliotecas, sendo a minha favorita a Fábrica das Palavras em Vila Franca. É uma biblioteca recente e muito bonita arquitectonicamente, que tem tanto os clássicos como as últimas novidades, o que é uma grande vantagem pois raramente compro novidades devido ao preço. Ao mesmo tempo e fantástico para descobrir autores que não conheceríamos de outra forma: por exemplo li recentemente um livre da Patti Smith  que adorei e nunca teria dado com ele de outra maneira.  Tenho o hábito de escolher não só livros que quero ler mas também livros ao acaso. Dá qu…

Pergunto

Como é que se pode perceber com tanta convicção, com tanta certeza, tão intensamente, que existem grandes histórias de amor, que dolorosamente, não são para acontecer?