Avançar para o conteúdo principal

Apercebi-me agora

Que é "chique", de "bom tom", "muito intelectual" e "na moda" toda a gente que pensa que lê, e porque leu meia dúzia de livros gostar de Saramago.

Ora, parece que é meia dúzia de motivos para eu não gostar. Mas gosto das ideias criativas. Do modo diferente de escrever, e de algumas coisas da sua personalidade.

Lá está, eu gosto do que gosto. Porque sim, porque as sinto e porque as penso.

Espiral

Comentários

S. G. disse…
e tu quantos leste do saramago? :)
Espiral disse…
Hum... o Memorial do Convento, o Caim, o Homem Duplicado,a Caverna, o Evangelho segundo Jesus Cristo, o Ensaio sobre a Cegueira... lol =)

Meia Dúzia, fui apanhada! ehehe... mas no meu caso especifico, gosto muito de um (Memorial do Convento), não gosto de outros (Homem Duplicado e Caim), andando outro pelo bonzito, e outros pelo "assim-assim".

Ou seja, considero o senhor um bom escritor com livros bons e livros maus, como é normal. Agora achar tudo o que ele faz fantástico é que me parece estranho.

Não percebo o endeusamento do homem =).
S. G. disse…
ora bem :)

quando acusaste as pessoas de ler meia dúzia de livros era literal e abrangente, ou só do saramago?

eu comecei a ler saramago em 1998. já li muito do homem...a começar no evangelho. apesar de ter umas costelas católicas, não me chocou absolutamente nada, porque cada vez menos acredito no endeusamento, muito menos de homens...por isso digo que não tenho pena de não o ter conhecido pessoalmente, nem em sessões de autógrafos...não concordo que ele tenha livros maus, nem que o caim seja uma seca, porque a escrita foi sendo cada vez mais despojada, mais «limpa», mais sucinta e centrada no âmago das questões centrais dele, o homem e a sua natureza...


já me alonguei, mas eu gosto muito do saramago e não porque ele morreu ou está na moda, já o leio desde que estive preparado para o ler, e é uma vergonha ter lá o levantado do chão e não ter lido!


(eu li 14:

Memorial do Convento

O Homem Duplicado

A Caverna (este é um dos que gostei menos)

O Evangelho segundo Jesus Cristo

Ensaio sobre a Cegueira

Ensaio sobre a lucidez

Pequenas memórias

O Ano da Morte de Ricardo Reis (muito muito bom)

A Jangada de Pedra

História do Cerco de Lisboa

Todos os Nomes

As Intermitências da Morte

A Viagem do Elefante

Caim)
Espiral disse…
No caso, era mesmo meia dúzia dele. =)

Eu considero o Saramago bom escritor, e quero ler mais livros dele, especialmente uns 3 ou 4 que tenho especial curiosidade (O ano da morte de Ricardo Reis por exemplo), e não me choca "religiosamente" o que ele escreve sobre a igreja católica.

"Choca-me" intelectualmente pela falta de conhecimento de teologia e da simbologia religiosa não só católica como religiosa em geral.

O "Evangelho segundo Jesus Cristo" foi para mim uma desilusão completa. O que eu pensava ser uma sátira inteligente não passou para mim de uma cópia vista e revista do que já foi feito (lembrou-me Monty Phyton do principio ao fim).

O "Caim" ainda perdeu mais. Quando digo "seca" é no sentido de não acrescentar nada de novo, e de ser quase grosseiro no modo como simplifica várias passagens da Bíblia modificando-as de um modo estranho... Além disso aquelas voltas e reviravoltas do Caim estão meio "inocentes" em termos narrativos... parece um aprendiz a escrever =/

Em relação a Saramago ter ficado mais simples com o passar do tempo, não posso responder, tenho que ler mais para saber =)

Obrigada pela troca de ideias =)

p.s. E, já agora, o Memorial do Convento está no meu top5 de livros favoritos =)
S. G. disse…
acredito que a simplicidade ainda é um dos bons segredos da escrita, daí que esses rasgos de aprendiz podem (não sei como interpretar bem isso) considero-os um caminho para a simplificação e sublimação...

(admito que podemos ficar ofuscados quando gostamos - parece que nas relaçõe stambém acontece :)

quanto à simplicação da escrita é possível perceber com o tempo (quanto mais lemos mehor fica) mas também é perceptível em termos cronológicos:

Terra do Pecado, 1947
Manual de Pintura e Caligrafia, 1977
Levantado do Chão, 1980
Memorial do Convento, 1982
O Ano da Morte de Ricardo Reis, 1984
A Jangada de Pedra, 1986
História do Cerco de Lisboa, 1989
O Evangelho Segundo Jesus Cristo, 1991
Ensaio Sobre a Cegueira, 1995
Todos os Nomes, 1997
A Caverna, 2000
O Homem Duplicado, 2002
Ensaio Sobre a Lucidez, 2004
As Intermitências da Morte, 2005
As Pequenas Memórias, 2006
A Viagem do Elefante, 2008
Caim, 2009

eu é que agradeço que apareça alguém que tenha "realmente lido" o saramago...mesmo que não goste :) há muita gente a criticar sem conhecer...
S. G. disse…
"daí que esses rasgos de aprendiz podem (não sei como interpretar bem isso) ser considerados"

Mensagens populares deste blogue

Eu nunca liguei muito a isto, mas...

Sou só eu que acho um bocadinho escandaloso que as marcas façam apenas 3/4 tamanhos de roupa?
Estive a ver a Zara e pelo menos nos macacões, só tem 4 tamanho - XS, S, M, L respectivamente.
Tendo em conta que eu tenho 1,68 e peso 60 kilos e que o meu tamanho é um M penso nas pessoas que tem um bocadinho mais de peso que eu e que são um bocado mais altas.. o que fazem elas?

De salientar que tenho uma estrutura regular, vulgo forma ampulheta, com ancas e rabo e, para mal dos meus pecados, pernas grossas (não há ginásio ou corridinha que me salve). Ou seja mesmo com menos 4 kilos, onde fico com 56, o que muita gente consideraria magro ou pelo menos normal-magra, uso à mesma o M e calças pelo menos 38. Por isso, serio, como fazem as pessoas um bocadinho maiores? E nem falo das pessoas realmente gordas, falo só das pessoas que são mais fortes porque sim, porque nasceram assim, é constituição e pronto.

Nem todas as mulheres são estrutura rectângulo  vestem roupas como se fossem cabides,  ess…

Ando a ler imenso

E a voltar ao meu ritmo normal de leitura para ao fim do ano ler o meu normal (entre 100 a 140 livros, sim isto é o meu normal, com excepção feita ao tempo de faculdade em que lia cerca de 60 por ano). .
Adoro ler e felizmente apesar de não poder comprar todos os que gostaria aproveito tanto  feira do livro, onde na hora H (livros a 50%) deste ano comprei mais de 11 livros, que já li quase todos.
Para além disso sou assídua frequentadora de bibliotecas, sendo a minha favorita a Fábrica das Palavras em Vila Franca. É uma biblioteca recente e muito bonita arquitectonicamente, que tem tanto os clássicos como as últimas novidades, o que é uma grande vantagem pois raramente compro novidades devido ao preço. Ao mesmo tempo e fantástico para descobrir autores que não conheceríamos de outra forma: por exemplo li recentemente um livre da Patti Smith  que adorei e nunca teria dado com ele de outra maneira.  Tenho o hábito de escolher não só livros que quero ler mas também livros ao acaso. Dá qu…

Pergunto

Como é que se pode perceber com tanta convicção, com tanta certeza, tão intensamente, que existem grandes histórias de amor, que dolorosamente, não são para acontecer?