segunda-feira, agosto 01, 2011

Sem título

Nunca, nunca vais ser suficientemente forte.


Há músicas que pertencem visceralmente a determinados momentos, demasiado enraizadas junto com determinadas pessoas para conseguires ouvi-las sem seres transportada violentamente para o mais fundo de ti. Onde moram os teus medos, as tuas caixas arrumadas, os teus amores perdidos. Onde mora tudo o que tiveste, viste e agarraste mas não mantiveste. Como escreveste um dia, onde estão "as tuas maiores vitórias e as tuas mais profundas derrotas".

Sem comentários:

Do que eu cresco, fragilizo, fortifico

Cada vez mais sou menos de frases peremptórias. Cada vez sou menos de classificar tudo em polaridades. Porque me parece superficial, e mais ...