sexta-feira, fevereiro 14, 2014

Somos sempre jovens e românticos cá dentro

Às vezes, sinto que há momentos que se criam, não sei como, nem porquê.  Mas é como num sopro inesperado de vento que abriu a portinhola do sotão que ninguem sabia que existia. Ou como se de repente se desnivelasse o chão do mundo, e outras realidades se deparassem.

Sim, são nesses momentos, que não consigo explicar, que sinto como se um fio, frágil, ténue, feito de luz e de pó nos ligasse.

Impalpável sim,  mas, oh, há algo mais belo e verdadeiro que estes rasgos de luz?

Sem comentários:

A conversa do coitadinho*

O que me irrita nem é a falta de empatia, a falta de mundo (no sentido de juizo crítico acerca dos outros), nem sequer é a vitimização irrit...