sexta-feira, janeiro 28, 2011

"Ah, mas ao menos tens saudinhaaa"

Pois, pois...

A minha garganta devia ser um case study, passa no espaço de horas de uma dorzinha de nada para dores intensas; os médicos ficam sempre de olhos esbugalhados a dizer "bem, como tu tens a garganta", como se ela fosse as portas do Inferno, pois passa muito directamente do inflamado vermelho --> pus branco --> pus preto (sim, nada sexy).

Há dois anos o médico foi a correr chamar os médicos todos para ver. Já sei como se sentem aquelas pessoas com doenças raras.

Portanto, a sorte é que tomo penicilinas como quem bebe copos de água, aquilo nem me doí, e o importante é que há dois anos fui assim para um concerto e amanhã é Lux! Já marchou 1 , já só faltam 3.

A vida é para a frente e nem a puta da minha garganta me pará.



Sem comentários:

Do que eu cresco, fragilizo, fortifico

Cada vez mais sou menos de frases peremptórias. Cada vez sou menos de classificar tudo em polaridades. Porque me parece superficial, e mais ...