Avançar para o conteúdo principal

Autenticidade

Às vezes perco-me um bocadinho na minha definição de autenticidade. E do que realmente importa.
Num mundo em que todos queremos ter o último iphone, o gps Tom Tom, o verniz Chanel ou a mala Birkin, e em que, independentemente do que ganhamos, valemos ou temos, achamos todos que merecemos essas coisas e que eventualmente as teremos (nem que seja preciso andar 3 meses a comer marcas brancas de supermercado) eu perco-me. Afinal o que importa realmente.

Não ligo de todo a marcas e muito menos a gadjets. Gostava de moleskines porque eram simples e pretos, mas deixei de usar há pelo menos 5/6 anos quando percebi que eram "moda" e que toda a gente se vangloriava de ter um moleskine (juro que não percebo...), como se fossem escrever e desenhar mais e melhor por o terem. Mas sim, tenho imensos livros, imensa roupa (se calhar em comparação com as fashions de serviço não lol), gosto de blocos de notas e de baralhos de cartas e compro-as porque sim, mas não fico infeliz se não os tiver.

Há coisas que gosto claro. Mas normalmente não por serem de determinada marca. Estilo, personalidade e identidade própria tenho eu, obrigada, não preciso de ajudas. Simplesmente gosto daquilo com que me identifico. Não preciso de um iphone de 1000 euros, uma mala de 3000 ou um carro de 70000 (apesar de adorar Porsche, pelo design).

Se calhar tenho sorte. Por não delirar com essas coisas e preferir passar uma noite a dançar até de madrugada com amigos ou passar uma tarde num café a ler um livro enquanto bebo um cappuccino. Ou andar a namorar aquele vestido que vi numa loja a 70 euros e depois compra-lo nos saldos por 35.

Todos achamos que merecemos muita coisa. Concordo. Simplesmente eu não acho que mereça coisas. Mereço pessoas e sentimentos. E sem isso é que a minha vida seria vazia.



p.s. Nada contra as marcas brancas, nada contra qualquer um dos objectos que referi. Foi a título de exemplo.

Comentários

I. disse…
Nós não somos o que temos. Felizmente.
As pessoas atribuem-se esse merecimento a coisas caras como uma auto condecoração. Parece-me triste, só.
(adoro moleskines, o papel tem uma textura fabulosa. se encontrar igual e mais barato, mudo, até lá, permaneço fiel )
Espiral disse…
Também gosto de moleskines. E em relação a eles nem tinha a ver com a questão preços; eu até compro agendas ou blocos de notas mais caros às vezes.
Era no sentido de que muitas vezes não procuramos o que para nós é verdadeiro e autêntico, mas sim o que é "moda" e o que achamos que nos fará felizes só porque sim ou porque assim pertencemos ao grupo.
Poetic GIRL disse…
Também nunca dei importância a essas coisas de marcas, aliás sempre fui do lema que prefiro coisas que os outros não têm. Tudo o que é demasiado massificado não me atrai minimamente.,,,, bjs
Espiral disse…
A mim isso também me acontece, aliás quase sempre, a não ser que sejam coisas com que dou realmente bem e com que me identifique mesmo.

Beijinho

Mensagens populares deste blogue

Eu nunca liguei muito a isto, mas...

Sou só eu que acho um bocadinho escandaloso que as marcas façam apenas 3/4 tamanhos de roupa?
Estive a ver a Zara e pelo menos nos macacões, só tem 4 tamanho - XS, S, M, L respectivamente.
Tendo em conta que eu tenho 1,68 e peso 60 kilos e que o meu tamanho é um M penso nas pessoas que tem um bocadinho mais de peso que eu e que são um bocado mais altas.. o que fazem elas?

De salientar que tenho uma estrutura regular, vulgo forma ampulheta, com ancas e rabo e, para mal dos meus pecados, pernas grossas (não há ginásio ou corridinha que me salve). Ou seja mesmo com menos 4 kilos, onde fico com 56, o que muita gente consideraria magro ou pelo menos normal-magra, uso à mesma o M e calças pelo menos 38. Por isso, serio, como fazem as pessoas um bocadinho maiores? E nem falo das pessoas realmente gordas, falo só das pessoas que são mais fortes porque sim, porque nasceram assim, é constituição e pronto.

Nem todas as mulheres são estrutura rectângulo  vestem roupas como se fossem cabides,  ess…

Ando a ler imenso

E a voltar ao meu ritmo normal de leitura para ao fim do ano ler o meu normal (entre 100 a 140 livros, sim isto é o meu normal, com excepção feita ao tempo de faculdade em que lia cerca de 60 por ano). .
Adoro ler e felizmente apesar de não poder comprar todos os que gostaria aproveito tanto  feira do livro, onde na hora H (livros a 50%) deste ano comprei mais de 11 livros, que já li quase todos.
Para além disso sou assídua frequentadora de bibliotecas, sendo a minha favorita a Fábrica das Palavras em Vila Franca. É uma biblioteca recente e muito bonita arquitectonicamente, que tem tanto os clássicos como as últimas novidades, o que é uma grande vantagem pois raramente compro novidades devido ao preço. Ao mesmo tempo e fantástico para descobrir autores que não conheceríamos de outra forma: por exemplo li recentemente um livre da Patti Smith  que adorei e nunca teria dado com ele de outra maneira.  Tenho o hábito de escolher não só livros que quero ler mas também livros ao acaso. Dá qu…

Pergunto

Como é que se pode perceber com tanta convicção, com tanta certeza, tão intensamente, que existem grandes histórias de amor, que dolorosamente, não são para acontecer?