Quickribbon Espiral: Eu nem sei bem porque escrevo estas coisas

quarta-feira, setembro 14, 2011

Eu nem sei bem porque escrevo estas coisas

Sempre achei irónicos os desencontros manifestados da adolescência em que "o João gosta da Rita que gosta do Manel que gosta da Joana". Pensava com alívio que isto chegando à idade adulta era tudo com menos graça mas com mais lógica e os encontros eram perfeitos e orientados e com final feliz.. 
Mas se calhar estava enganada. Simplesmente agora o pessoal finge melhor, só se entrega (mesmo em pensamento) depois de ver sinais evidentes de interesse. Agora o pessoal recalca mais e descompensa menos (pensam eles). Range mais os dentes mas sorri mais. "Porque "o João gosta da Rita que gosta do Manel que gosta da Joana" ficou um bocadinho mais complicado e agora "o João que gosta da Rita já tem um filho de outra relação, a Rita que gosta do Manel anda enrolada com o Vítor, o Manel anda demasiado absorvido a ser o maior da terra dele algures no mundo e no fundo no fundo já nem gosta assim tanto da Joana que casou com alguém que nem interessa, mas afinal até gostava do Manel." 
E é tudo mais "who cares" e "há mais peixe no mar" mesmo que no fundo não pensem bem assim. E "que há coisa mais importantes" e o coração é só uma peça no jogo onde outras mandam mais.

Não sei porquê prefiro o desânimo completo, a tristeza profunda, o ridículo de parecer que andamos desarticulados. E não é que andamos mesmo?

É como se tivessem as paredes vazias. Um desperdício. E se as pessoas dissessem mais vezes o que sentem? Sim, e se as pessoas dissessem? (Ou se se comportassem como sentem, às vezes chega). Vale a pena o risco de morrer (de novo).  A possibilidade da alegria profunda que advém desta lotaria se corre bem vale o risco. A possibilidade da tristeza mais real também.


Inspiração musical: Goodbye my lover - James Blunt

2 comentários:

Pulha Garcia disse...

"E se as pessoas dissessem mais vezes o que sentem?" totalmente de acordo.

Espiral disse...

Pulha,

Eu juro que até compreendo: medo do ridículo, medo de se magoarem, etc...

Um mundo de razões... mas... falando de mim, acho que nunca me senti tão digna e tão orgulhosa de mim própria como quando fui completamente honesta, "a minha alma a nu". Para o mal ou para bem, ao menos o meu mundo avançou.