Avançar para o conteúdo principal

Mau feitio pois

Irrita-me psicólogos com "voz de psicólogo". Irrita-me a entoação "somos-todos-humanos-e-com-fraquezas-e-forças-e-vamos-lá-dar-as-mãos".

Por isso irrita-me ouvir o Eduardo de Sá e o outro parvo que agora não me lembro o nome, há espera, é o Júlio Machado Vaz, mas que para justificar cada palermice que diz na rádio manda a boca do "isto não sou eu que digo, é tudo científico", quando tudo o que ele diz não tem ponta de racionalidade nenhum quanto mais de ciência.

E lamento se tem um currículo fantástico, e se calhar até são bons no seu dia-a-dia. Mas deviam ter mais cuidado com o que dizem na rádio. Não falam para especialistas.

Espiral

Comentários

outra psicóloga disse…
eduardo sá AAHHHHHH

(acho que se percebe a ideia)
Espiral disse…
Outra psicóloga

Se o AHHHH foi de terror, percebi perfeitamente. Se foi de assédio já não percebi muito bem....
Rui disse…
Sim, esse tipo de gente é completamente insana...e submetes as tuas viagens de carro a essas esfregas..? :)

Por exemplo, a grande inspiração e modelo existencial do Júlio Machado Vaz é o Alfred Kinsey, o fundador da sexologia.
Que, como se sabe, falsificou toda a sua investigação científica. Entre outras coisas, usava amostras de ofensores sexuais e prostitutas para estudar e tirar conclusões sobre a sexualidade adulta normal.
E, no que diz respeito à suposta sexualidade infantil, os actos deste Kinsey já estiveram mais na área da criminalidade borderline, já que pagava a pedófilos para lhe darem checklists preenchidas, com o registo dos 'comportamentos sexuais' das suas vítimas. E foi assim que fez os seus estudos sobre 'desejo na infância', 'orgasmo infantil' e todo esse tipo de invenções.

Mas é "ciência", porque vem em textbooks e milhares de psicólogos e sexólogos não contestam o 'consenso'. Portanto, é ciência. Certo? Errado.
Anónimo disse…
O Júlio Machado Vaz não é psicólogo.

A propósito daquilo que não se gosta em psicólogos: eu não gosto de os ver assumir posições pessoais em espaços públicos, espaços estes em que muito facilmente não se distingue o pessoal do profissional, e posições que, não raras vezes, envergonham a simples condição humana. Nem falemos, então, da classe profissional a que pertencem.

Sugiro, à psi deste blog, a leitura sobre "racional" / "racionalização"- mecanismo de defesa. Já agora umas leituras a respeito da "angústia" também era capaz de não fazer mal algum. Isso e uma terapia à séria. Mesmo que de orientação cognitivo-comportamental, se feita por profissional à altura, era capaz de ser boa ideia.
Espiral disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Espiral disse…
Anónimo:

Eu sei que o Júlio Machado Vaz não é psicólogo; contudo utiliza várias vezes teorias de psicologia para exemplificar o que diz. E algumas vezes de maneira muito errada.

A minha posição pessoal em relação a ele é neutra. Em termos profissionais em relação aos argumentos que usa é negativa.

Como disse, não faço ideia de como ele trabalha no dia-a-dia. Acredito que seja um bom profissional. Mas quando se expõem a nível público dando opiniões acerca do que as pessoas lhe dizem por carta, e o faz de um modo que considero,muitas vezes inconsequente, então sim, falo sobre isso.

Obrigada pelo aconselhamento acerca das leituras que propõem. Já foram feitas muitas delas (a nível académico, interesse pessoal ou profissional).
Em relação a precisar de uma "terapia à séria", agradeço o conselho mas não preciso.

Agora, de resto, se não percebeu o que eu quis dizer, lamento. Não percebeu a parte da piada (voz de psicólogo) nem a parte séria (cuidado com o que se diz a leigos sem preparação).
Anónimo disse…
Mais grave do que "leigos sem preparação", são os formalmente habilitados sem preparação.

Quanto ao que percebi ou não, ou facilmente se depreende, fica à consideração de quem lê o patente, e o latente. Este post+comentários, os seus outros posts e comentários feitos blogosfera fora.

E sim percebe-se. Muito bem. Então por quem é formalmente habilitado, e, mais do que qualquer outra coisa, preparado, nem lhe digo, nem lhe conto. E olhe que não por "curriculo fantástico", mas por carreira, construída a pulso, e cujos progressos estiveram a escrutínio das mais variadas personas worldwide.

Vá além do patente.

E assim me retiro, até porque se antevê rios de fel a ser destilados a qualquer instante. E sim, "fel", de maneira a que leigos e não leigos entendam.
Espiral disse…
Anónimo,

Não tenho por norma destilar fel.
O único fel que vejo parece vir de si, nas entrelinhas do que diz que eu comento ou escrevo. E o facto de achar que sou "habilitada sem preparação".

Mas, é livre de ter a sua opinião.
Tanto é, que não modero caixa de comentários, e considero até importante responder-lhe. O facto de ser anónimo não me assusta, nem acho que por o fazer dessa forma(alguma razão há-de ter) merece menos consideração que os outros que aqui falam e a que dou feedback.

Ainda bem que tem uma boa carreira e com o valor maior de ser construída a pulso (que é das coisas que dou mais valor).

Mensagens populares deste blogue

Eu nunca liguei muito a isto, mas...

Sou só eu que acho um bocadinho escandaloso que as marcas façam apenas 3/4 tamanhos de roupa?
Estive a ver a Zara e pelo menos nos macacões, só tem 4 tamanho - XS, S, M, L respectivamente.
Tendo em conta que eu tenho 1,68 e peso 60 kilos e que o meu tamanho é um M penso nas pessoas que tem um bocadinho mais de peso que eu e que são um bocado mais altas.. o que fazem elas?

De salientar que tenho uma estrutura regular, vulgo forma ampulheta, com ancas e rabo e, para mal dos meus pecados, pernas grossas (não há ginásio ou corridinha que me salve). Ou seja mesmo com menos 4 kilos, onde fico com 56, o que muita gente consideraria magro ou pelo menos normal-magra, uso à mesma o M e calças pelo menos 38. Por isso, serio, como fazem as pessoas um bocadinho maiores? E nem falo das pessoas realmente gordas, falo só das pessoas que são mais fortes porque sim, porque nasceram assim, é constituição e pronto.

Nem todas as mulheres são estrutura rectângulo  vestem roupas como se fossem cabides,  ess…

Ando a ler imenso

E a voltar ao meu ritmo normal de leitura para ao fim do ano ler o meu normal (entre 100 a 140 livros, sim isto é o meu normal, com excepção feita ao tempo de faculdade em que lia cerca de 60 por ano). .
Adoro ler e felizmente apesar de não poder comprar todos os que gostaria aproveito tanto  feira do livro, onde na hora H (livros a 50%) deste ano comprei mais de 11 livros, que já li quase todos.
Para além disso sou assídua frequentadora de bibliotecas, sendo a minha favorita a Fábrica das Palavras em Vila Franca. É uma biblioteca recente e muito bonita arquitectonicamente, que tem tanto os clássicos como as últimas novidades, o que é uma grande vantagem pois raramente compro novidades devido ao preço. Ao mesmo tempo e fantástico para descobrir autores que não conheceríamos de outra forma: por exemplo li recentemente um livre da Patti Smith  que adorei e nunca teria dado com ele de outra maneira.  Tenho o hábito de escolher não só livros que quero ler mas também livros ao acaso. Dá qu…

Pergunto

Como é que se pode perceber com tanta convicção, com tanta certeza, tão intensamente, que existem grandes histórias de amor, que dolorosamente, não são para acontecer?